Imprensa livre e independente
04 de julho de 2019, 08h50

Chamado por jornalista de Médici do século XXI, Bolsonaro vai à final da Copa América no Maracanã

Mesmo após as vaias que tomou no Mineirão, na última terça-feira, Bolsonaro quer repetir a dose

Foto: Arquivo/Montagem
Mesmo após as vaias que tomou no Mineirão, na última terça-feira (2), durante as semifinais da Copa América, no jogo entre Brasil e Argentina, o presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ) quer repetir a dose. Ele decidiu ir à final, no próximo domingo, no Maracanã, também acompanhado de vários ministros. Além do Mineirão, o presidente já foi ver a seleção contra o Catar e também um jogo do Flamengo, os dois no Mané Garrincha, em Brasília. A prática levou o jornalista Lauro Jardim, do Globo, a dizer que Bolsonaro parece que gostou de ser uma espécie de Emílio Médici do século XXI. O...

Mesmo após as vaias que tomou no Mineirão, na última terça-feira (2), durante as semifinais da Copa América, no jogo entre Brasil e Argentina, o presidente Jair Bolsonaro (PSL-RJ) quer repetir a dose. Ele decidiu ir à final, no próximo domingo, no Maracanã, também acompanhado de vários ministros.

Além do Mineirão, o presidente já foi ver a seleção contra o Catar e também um jogo do Flamengo, os dois no Mané Garrincha, em Brasília. A prática levou o jornalista Lauro Jardim, do Globo, a dizer que Bolsonaro parece que gostou de ser uma espécie de Emílio Médici do século XXI.

O general, que foi ditador durante um dos períodos mais violentos do regime militar brasileiro, tinha o hábito de frequentar estádios e causou polêmica ao tentar relacionar sua imagem à seleção de Pelé, tricampeã do mundo em 1970.

No Mineirão, Bolsonaro arriscou andar pelo gramado e acabou levando vaia. A dúvida é se vai fazer o mesmo no Maracanã, onde o cronista Nelson Rodrigues bem lembrou, vaia-se até minuto de silêncio.

Veja também:  Disfarçada de "liberdade Econômica", MP altera leis trabalhistas e inclui domingo como dia útil

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum