Imprensa livre e independente
13 de setembro de 2018, 13h11

Chefe das Forças Armadas do Uruguai é preso por opinar sobre política

A punição ao militar aconteceu um dia depois do chefe das Forças Armadas no Brasil, general Eduardo Villas Bôas, dizer que os militares não aceitariam a candidatura Lula

Guido Manini Rios. Foto: Reprodução YouTube
O comandante-em-chefe das Forças Armadas do Uruguai, Guido Manini Rios, foi condenado a 30 dias de prisão por violar a Constituição. Seu crime foi opinar sobre o projeto de reforma do Fundo Militar, que está sendo analisado no Parlamento. As informações são do jornal Uruguai La República. De acordo com a Constituição uruguaia, militares não podem exercer atividades políticas além do voto. Além disso, Manini Rios também fez críticas ao ministro do Trabalho, Ernesto Murro, um dos políticos que conduz a reforma do Fundo. Com relação à prisão, o Presidente Tabare Vazquez disse que Manini “está errado e, por isso,...

O comandante-em-chefe das Forças Armadas do Uruguai, Guido Manini Rios, foi condenado a 30 dias de prisão por violar a Constituição. Seu crime foi opinar sobre o projeto de reforma do Fundo Militar, que está sendo analisado no Parlamento. As informações são do jornal Uruguai La República.

De acordo com a Constituição uruguaia, militares não podem exercer atividades políticas além do voto. Além disso, Manini Rios também fez críticas ao ministro do Trabalho, Ernesto Murro, um dos políticos que conduz a reforma do Fundo.

Com relação à prisão, o Presidente Tabare Vazquez disse que Manini “está errado e, por isso, foi preso”. Vazquez acrescentou que ele violou o artigo 77 da Constituição e do Serviço Nacional de regulamento 21, que afirma que militar não pode interferir com as opiniões sobre as contas.

“Comentar sobre um projeto de lei que está em discussão no Parlamento é uma atividade política”, disse o presidente, que acrescentou não ter perdido a confiança no comandante.

A punição ao militar aconteceu um dia depois do chefe das Forças Armadas no Brasil, general Eduardo Villas Bôas, dizer que os militares não aceitariam a candidatura Lula. “O pior cenário é termos alguém sub judice, afrontando tanto a Constituição quanto a Lei da Ficha Limpa, tirando a legitimidade, dificultando a estabilidade e a governabilidade do futuro governo e dividindo ainda mais a sociedade brasileira. A Lei da Ficha Limpa se aplica a todos”, disse ele em entrevista à jornalista Tânia Monteiro.

Veja também:  Ministro britânico garante que Assange não será estraditado para país com pena de morte

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum