Imprensa livre e independente
17 de fevereiro de 2017, 14h00

Cineasta brasileiro denuncia golpe na coletiva do Festival de Berlim

Faz nove meses que diretor, artistas e equipe técnica do filme “Aquarius” se manifestaram contra o governo Temer na abertura do Festival de Cannes. De lá para cá, praticamento todos os cineastas que se apresentam no exterior tomam atitudes semelhantes. Esta semana foi a vez do diretor Marcelo Gomes, autor de “Joaquim” denunciar o golpe no Brasil no Festival de Berlim.

Faz nove meses que diretor, artistas e equipe técnica do filme “Aquarius” se manifestaram contra o governo Temer na abertura do Festival de Cannes. De lá para cá, praticamento todos os cineastas que se apresentam no exterior tomam atitudes semelhantes. Esta semana foi a vez do diretor Marcelo Gomes, autor de “Joaquim” denunciar o golpe no Brasil no Festival de Berlim. Da Redação com Informações do El País Faz nove meses que diretor, artistas e equipe técnica do filme “Aquarius” se manifestaram contra o governo Temer na abertura do Festival de Cannes. De lá para cá, praticamento todos os cineastas...

Faz nove meses que diretor, artistas e equipe técnica do filme “Aquarius” se manifestaram contra o governo Temer na abertura do Festival de Cannes. De lá para cá, praticamento todos os cineastas que se apresentam no exterior tomam atitudes semelhantes. Esta semana foi a vez do diretor Marcelo Gomes, autor de “Joaquim” denunciar o golpe no Brasil no Festival de Berlim.

Da Redação com Informações do El País

Faz nove meses que diretor, artistas e equipe técnica do filme “Aquarius” se manifestaram contra o governo Temer na abertura do Festival de Cannes. De lá para cá, praticamento todos os cineastas que se apresentam no exterior tomam atitudes semelhantes. Esta semana foi a vez do diretor Marcelo Gomes, autor de “Joaquim” denunciar o golpe no Brasil no Festival de Berlim:

“O Brasil está vivendo uma grave crise democrática”, declarou Marcelo Gomes, na coletiva de imprensa. Além de apresentar seu filme, deixou na capital alemã um manifesto assinado por doze cineastas compatriotas alertando para essa situação e seus efeitos sobre o setor. Em seu país se instalou “há quase um ano um Governo ilegítimo”, argumenta o texto, que apela à solidariedade da comunidade internacional ante essa situação.

Veja também:  Quase 2 mil caminhoneiros se mobilizam para greve na segunda-feira

Gomes enfatizou que a história contada na tela, a de Joaquim José da Silva Xavier, mais conhecido como Tiradentes, um dos heróis da independência brasileira, traça as raízes dos desequilíbrios de seu país na atualidade, “os males do presente”. “As estruturas de poder do Brasil colonizado se mantêm no Brasil atual”, afirmou. “A exploração e a crueldade do homem branco sobre o negro, a exploração da riqueza que foi praticada no século XVIII se enraizou nesta sociedade e se perpetua agora em forma de corrupção.” O diretor ressaltou: “Tiradentes ainda é visto como um Deus, mas na luta da época não havia deuses nem heróis. Ele tampouco pretendeu ser um deus”. Joaquim está centrado nos anos em que Tiradentes não passava de um alferes no Exército português no Brasil: não ascendia porque não tinha nascido na metrópole. E nessa época de penúria (1781-1787), o dentista, soldado e mineiro foi mudando até acender nele o espírito revolucionário.

Em maio, em Cannes, a equipe de Aquarius, encabeçada por seu diretor, Kleber Mendonça Filho, mostrou cartazes no tapete vermelho contra “o golpe de Estado no Brasil” e qualificando o Governo de Michel Temer de “ilegal”. Em dezembro, na Cidade do México, durante a premiação Fênix, Kleber Mendonça Filho, que acabou não sendo indicado pelo Governo brasileiro para a corrida do Oscar, voltou a falar na “triste” situação vivida em seu país, e desta vez foi acompanhado em seus comentários por Wagner Moura, o protagonista de Narcos.

Veja também:  A censura avança e Brasil já vive uma ditadura pós-moderna de novo tipo

Foto: GUILLAUME HORCAJUELO EFE

 

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum