Imprensa livre e independente
13 de julho de 2019, 19h15

Ciro: movimento Acredito, de Jorge Paulo Lemann, é “partido clandestino” e Tabata faz “dupla militância”

"Eu não sirvo a dois senhores. Se tem alguém que está sofrendo com essa questão da Tabata sou eu. Sabe quem recrutou a Tabata? Quem estimulou a Tabata a entrar na política? Quem assinou a filiação dela? Fui eu", disse Ciro

Ciro Gomes e Tabata Amaral (Foto: Arquivo/PDT na Câmara)
Durante evento em São Paulo neste sábado (13), o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) criticou a deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) por ter votado a favor da reforma da Previdência, mesmo com a orientação do partido para que fosse contra o projeto. Ciro disse que a parlamentar fez “dupla militância” por atuar através do movimento Acredito, fundado em 2017 com a bandeira da renovação política. Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo Para o pedetista, é grave a atuação do Acredito, que ele chamou de “partido clandestino”. “Todo mundo...

Durante evento em São Paulo neste sábado (13), o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT) criticou a deputada federal Tabata Amaral (PDT-SP) por ter votado a favor da reforma da Previdência, mesmo com a orientação do partido para que fosse contra o projeto. Ciro disse que a parlamentar fez “dupla militância” por atuar através do movimento Acredito, fundado em 2017 com a bandeira da renovação política.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Para o pedetista, é grave a atuação do Acredito, que ele chamou de “partido clandestino”. “Todo mundo pode participar de qualquer movimento, mas se você tem um partido clandestino para burlar a legislação que proíbe financiamento empresarial, isso é uma coisa muito mais grave”, alegou Ciro.

“Você pega um partido clandestino, que tem suas regras próprias, seu programa próprio, você se infiltra nos outros partidos e usa os outros partidos, fundo partidário, tempo de TV, coeficiente eleitoral para se eleger e fazer o serviço do outro partido? Aí é um problema de dupla militância, não tem nada a ver com a compreensão de reforma da Previdência que nós temos”, acrescentou o ex-governador.

Veja também:  Dallagnol é destaque junto com Anitta em evento de palestras motivacionais em Curitiba

Assim como Tabata, Felipe Rigoni (PSB-ES) também contrariou seu partido e votou a favor da reforma da Previdência. Ele é membro do Acredito, que seria apoiado por um dos homens mais ricos do Brasil, Jorge Paulo Lemann. A Tabata é co-fundadora do movimento.

Dentro do PDT, outros sete deputados votaram contra a orientação da legenda. A fim de avaliar possíveis punições, o partido abriu processo na comissão de ética.

“Eu não sirvo a dois senhores. Se tem alguém que está sofrendo com essa questão da Tabata sou eu. Sabe quem recrutou a Tabata? Quem estimulou a Tabata a entrar na política? Quem assinou a filiação dela? Fui eu”, contou Ciro.

Assista ao vídeo

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum