Imprensa livre e independente
16 de setembro de 2014, 10h00

Coalizão dos EUA contra o Estado Islâmico envolve os “suspeitos de sempre”

Países que participaram na invasão ao Iraque em 2003 – guerra que formou as bases para o Estado Islâmico – estão novamente se unindo aos EUA em mais uma ofensiva no Iraque. Outros aliados norte-americanos na região que por anos financiaram o grupo "jihadista" também prometem apoio

Países que participaram na invasão ao Iraque em 2003 – guerra que formou as bases para o Estado Islâmico – estão novamente se unindo aos EUA em mais uma ofensiva no Iraque. Outros aliados norte-americanos na região que por anos financiaram o grupo “jihadista” também prometem apoio Por Vinicius Gomes Os países que participaram da Conferência Internacional para a Paz e Segurança no Iraque comprometeram-se à “destruição” do Estado Islâmico (também chamado de Isis). De acordo com a declaração final divulgada ontem (15), o apoio se dará “pelos meios necessários o novo governo iraquiano na sua luta contra o Estado Islâmico, incluindo ajuda militar apropriada”, que...

Países que participaram na invasão ao Iraque em 2003  guerra que formou as bases para o Estado Islâmico – estão novamente se unindo aos EUA em mais uma ofensiva no Iraque. Outros aliados norte-americanos na região que por anos financiaram o grupo “jihadista” também prometem apoio

Por Vinicius Gomes

Os países que participaram da Conferência Internacional para a Paz e Segurança no Iraque comprometeram-se à “destruição” do Estado Islâmico (também chamado de Isis). De acordo com a declaração final divulgada ontem (15), o apoio se dará “pelos meios necessários o novo governo iraquiano na sua luta contra o Estado Islâmico, incluindo ajuda militar apropriada”, que corresponda “às necessidades expressas pelas autoridades iraquianas” e assegure o “respeito pelo direito internacional e pela segurança das populações civis”.

Na abertura da conferência, os presidentes da França, François Hollande, e do Iraque, Fuad Massum, pediram o empenho internacional na luta. Os EUA – que têm realizado há mais de um mês inúmeros ataques aéreos no país – afirmam que mais de 40 países se ofereceram para ajudar contra o “movimento jihadista transnacional” do Estado Islâmico. O presidente iraquiano, por sua vez, afirmou que “esses criminosos são especialistas em lavagem cerebral de jovens”, pois utilizam de tecnologia moderna para espalhar a propaganda em redes sociais e internet.

Veja também:  Apoiador de Moro, juiz negou pedido para impedir nomeação de Eduardo Bolsonaro para embaixada dos EUA

Nenhum representante mencionou a participação de lobistas norte-americanos ligados à indústria armamentista em canais de televisão dos EUA apoiando não só os bombardeios, mas também o envio de soldados para o país.

As autoridades dos países presentes na conferência – muitos deles os mesmos que apoiaram a invasão ao Iraque em 2003, que foi a grande responsável pelo próprio surgimento do Estado Islâmico – ressaltaram a necessidade impedir o recrutamento e o financiamento dos “jihadistas”, dizendo-se dispostos a todas “as medidas necessárias para que produzam todos os seus efeitos”.

Durante as reuniões, não houve qualquer menção, pelo menos publicamente, de ataque às posições do Isis na Síria, tampouco à participação da Arábia Saudita, Qatar, Kuwait e outros países do Golfo Pérsico (que estão na lista dos 40 países que ajudarão os EUA) no financiamento do Estado Islâmico para lutar contra o presidente Bashir al-Assad.

Foto de Capa: Reprodução

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum