Colunistas

02 de janeiro de 2019, 18h58

A extrema direita chega ao paraíso

O desafio é superar os atuais métodos de enfrentamento político, estabelecer o acolhimento e o autocuidado como princípios estratégicos e fortalecer os vínculos com as organizações do movimento popular e do mundo do trabalho

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Por Fábio Nogueira* e Joselício Junior (Juninho)**

Frear o socialismo, combater a ideologia de gênero, garantir a legítima defesa dos cidadãos de bem, flexibilizando a posse de arma e maior liberdade para que a polícia possa agir com mais truculência, atacar a laicidade do estado e, obviamente, o compromisso com o livre mercado foi o tom do discurso de posse de Jair Bolsonaro, que ainda teve a coragem de dizer que pretende pacificar e unir o Brasil.

A agressividade do discurso de Bolsonaro traz consequências bastante preocupantes, assim como a diplomação dos parlamentares eleitos no pleito de 2018 tornou-se mais um palco para a ação da extrema direita, que emergiu das urnas com a vitória de Jair Bolsonaro. A execração pública de parlamentares de oposição a Bolsonaro por parlamentares e seus apoiadores de extrema direita nos alerta que este será o modus operandi do bloco de poder liderado pelo ex-capitão da reserva, com apoio dos Estados Unidos e Israel.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Chama a atenção que o escracho da extrema direita teve como alvo principal parlamentares mulheres e negros. Foi o que aconteceu com Maria do Rosário (PT-RS), Andréia de Jesus e Áurea Carolina (PSOL-MG), Jesus dos Santos e Mônica Seixas, da Bancada Ativista (PSOL-SP), entre outros. Não há aqui, por parte da extrema direita, nenhum diversionismo pré-fabricado em torno de pautas morais e dos costumes que desviem o foco dos agudos problemas econômicos em que está mergulhado o país desde 2015.

Ao contrário, a extrema direita tem um programa econômico ultraneoliberal que tentará aplicar a se tirar pela composição do ministério de Bolsonaro, a formação de sua base parlamentar no Congresso e pelas primeiras medidas anunciadas. É que a vitória de Bolsonaro e da extrema direita é, sobretudo, uma vitória ideológica e é neste terreno que deverá ser enfrentada pelos setores democráticos por meio de frentes, não obstante sua heterogeneidade, as mais amplas possíveis.

A sobrevivência do mito da “democracia racial” explica a surpresa de alguns analistas (e a subestimação política de Bolsonaro de setores da esquerda) com a chegada da extrema direita ao poder central do Brasil. Apesar de nossa formação social ter sido construída a partir do escravismo (do genocídio e escravização dos povos originários e negros) e do patriarcalismo (que estruturou as desigualdades de gênero e consagrou o poder masculino como regra em nossa sociedade), o paternalismo que caracteriza nossa cultura política preservou a ideia do país como avesso a práticas abertamente reacionárias, não obstante nosso histórico de ditaduras, repressão aos movimentos populares e déficit democrático.

Não obstante importância dos partidos políticos de esquerda e centro esquerda na oposição parlamentar, o que o escracho direitista, durante as diplomações, e o discurso de posse deixam patente é a centralidade que as frentes de organizações de mulheres e do movimento negro terão no processo de resistência democrática às medidas do governo Bolsonaro. As articulações permanentes destes sujeitos – disputando valores contra-hegemônicos no terreno da sociedade civil – como vanguarda social e política deve construir uma identidade projetiva mais forte e menos difusa para nuclear um programa de reformas democráticas que, nas condições atuais do país hoje, avancem para uma sociedade que supere o sistema de dominação/exploração capitalista. O desafio é, portanto, superar os atuais métodos de enfrentamento político, estabelecer o acolhimento e o autocuidado como princípios estratégicos e fortalecer os vínculos com as organizações do movimento popular e do mundo do trabalho.

*Fábio Nogueira é sociólogo, presidente do PSOL Bahia e militante do Círculo Palmarino; **Joselício Junior (Juninho) é jornalista, presidente do PSOL São Paulo e militante do Círculo Palmarino

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum