Colunistas

29 de março de 2019, 22h51

A prisão de Temer e a divisão da esquerda

Romantizar o papel da Lava Jato, depois do que aconteceu desde 2015/16 é, dramaticamente, ingênuo. A Lava Jato não é uma investigação técnica idônea. Trata-se de uma operação política orientada, desde o início, como braço auxiliar da luta pelo poder

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Tanto é ladrão o que vai à vinha como o que fica à porta.

Um tatu cheira o outro.

Sabedoria popular portuguesa

Não existe vento favorável para o marinheiro que não sabe aonde ir.

Seneca

 

A prisão de Temer pela operação Lava Jato voltou a colocar a esquerda brasileira diante de um desafio que a dividiu. Um desafio porque Temer é mesmo um corrupto e, portanto, merece ser preso.

A operação Lava Jato foi conduzida, intencionalmente, por um grupo de procuradores de extrema-direita, como um instrumento jurídico para criar as condições do golpe parlamentar de 2016. Foi uma das chaves de explicação para a eleição de Bolsonaro, porque armou as condições para Lula ser preso. Mas goza ainda de grande popularidade, e não só entre o núcleo duro de classe média reacionária que saiu às ruas gritando “vai para Cuba”.

A Lava Jato tem sido uma aberração jurídica de abuso de poder, e a prisão de Temer foi um espetáculo para legitimar a intimidação da maioria burguesa no Congresso Nacional, diante da disputa de poder com o núcleo duro do governo Bolsonaro. Complicado, portanto.

As duas posições mais simples eram, igualmente, perigosas. A primeira era apoiar a prisão de Temer, ocultando que quem a fazia era a extrema direita dos procuradores aliados ao bolsonarismo como chantagem sobre os partidos que, historicamente, garantem a representação da classe dominante, e ainda são a maioria no Congresso Nacional.

Romantizar o papel da Lava Jato, depois do que aconteceu desde 2015/16 é, dramaticamente, ingênuo. A Lava Jato não é uma investigação técnica idônea. Trata-se de uma operação política orientada, desde o início, como braço auxiliar da luta pelo poder.

A segunda era denunciar a Lava Jato e defender os direitos democráticos de Michel Temer, diminuindo o peso das denúncias devastadoras que o incriminam. Essa posição é, igualmente, insustentável. Michel Temer é um meliante, um ladrão, um bandido. Enriqueceu durante décadas com propinas. O episódio da corridinha de seu assessor com uma mala de meio milhão de reais é um “clássico” ridículo da corrupção “mesopotâmica” institucional. Sua prisão foi precipitada pela Lava Jato, em um movimento estapafúrdio articulado com Sergio Moro à frente do Ministério da Justiça, para intimidar o centrão. Mas isso não justifica, pelo ângulo da defesa dos trabalhadores, qualquer defesa. Essa defesa não ajuda a campanha por Lula Livre. Temer nunca será um preso político.

A bússola para definir uma posição justa neste tipo de episódios deve ser o critério de classe. Aonde se situa a defesa dos interesses da classe trabalhadora? A defesa da independência política da classe trabalhadora é um princípio para os marxistas. Ela se resume a uma ideia poderosa, mas que não é simples. Ela é poderosa porque é legítimo defender que a imensa maioria do povo que, em uma sociedade capitalista, vive da venda da força de trabalho, deve ter o direito de se organizar em função dos seus próprios interesses.

Não é simples porque o antagonismo do trabalho com o capital não é o único conflito dentro da sociedade. Evidentemente, para os marxistas, este antagonismo é o mais importante, porque é aquele que, potencialmente, abre o caminho para luta pelo socialismo.

Mas há muitos outros conflitos. Neste episódio, a defesa dos direitos e liberdades  democráticas contra ameaças autoritárias, por exemplo. Os socialistas devem analisar todos os conflitos através desta lente.

O PSOL declarou que Temer deve ser condenado como corrupto, mas não aplaudiu o “vale tudo” da Lava Jato. Defendeu que Temer seja julgado, condenado e preso, mas denunciou o abuso de poder da Lava Jato, que tem sido um instrumento da ultradireita para, a pretexto da luta contra a corrupção, subverter os direitos democráticos. Uma posição independente das duas frações burguesas que disputam o poder no Brasil. Esteve, portanto,  muito bem.

Outros na esquerda se aliaram a uma das duas frações. Uma parcela do PT condenou a prisão de Temer porque só enxergou o abuso de poder da Lava Jato e a ameaça que ela representa, ao serviço da extrema-direita, para as liberdades democráticas. Mas, paradoxalmente, silenciou sobre Temer, um golpista que além de corrupto, teve um papel criminoso durante o processo que culminou no golpe parlamentar do impeachment de Dilma Rousseff.

Já uma parcela da esquerda radical, como o PSTU e setores minoritários do Psol, apoiaram a prisão de Temer, silenciando sobre a arbitrariedades da Lava Jato.

Estas duas posições opostas são, igualmente, equivocadas. A esquerda não deve aplaudir tudo que é popular só porque é popular. Ser de esquerda deve ser, também, defender princípios, resistir às pressões, ter firmeza quando em minoria entre os trabalhadores e combater as ilusões.

A esquerda não pode ser o último vagãozinho de nenhum dos dois trens dirigidos pela classe dominante. Nem nos aliamos à ultradireita contra a direita, nem o contrário. Não diminui ninguém ficar em uma posição minoritária, quando a realidade nos impõe um transitório isolamento. Ao contrário. Engrandece.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum