Colunistas

03 de janeiro de 2019, 19h09

A quem interessa uma oposição comportada?

Em artigo, Juliano Medeiros diz: “não há proposta do governo Bolsonaro que possa ser apoiada por uma oposição comprometida com os direitos sociais, a democracia e a soberania nacional”

Foto: José Cruz/Agência Brasil

Em seu primeiro dia como presidente, Jair Bolsonaro promoveu uma quantidade inimaginável de ataques aos trabalhadores e às minorias. Com a edição de uma única Medida Provisória ele extinguiu a Secretaria da Diversidade, Alfabetização e Inclusão do Ministério da Educação; proibiu a Funai de demarcar áreas indígenas, transferindo suas atribuições para o do Agronegócio; extinguiu os ministérios do Trabalho, da Cultura, das Cidades, Esportes e Integração Racial; liberou nomeações políticas e perseguição a adversários no Itamaraty; extinguiu o Conselho Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea), que orienta o combate à fome, dentre outras medidas. Não fosse satisfeito, embolsou R$ 8,00 do salário-mínimo aprovado pelo Congresso Nacional para o orçamento deste ano.

A rapidez com que Bolsonaro promoveu a reestruturação do Executivo federal mostra que ele sabe onde quer chegar. Por isso, a oposição também precisa saber. Evidentemente, é cedo para fazer projeções sobre o futuro do novo governo, mesmo porque há questões-chave que continuam em aberto, como a relação que Bolsonaro estabelecerá com os partidos do centrão no Congresso Nacional, com a mídia monopolista e mesmo com as forças armadas e seu vice, General Mourão. Mas uma oposição que não sabe que papel quer cumprir está fadada ao fracasso.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

A decisão das bancadas do PSOL e PT de não participarem da posse de Jair Bolsonaro estimulou um importante debate sobre o perfil de oposição que o Brasil precisa. De um lado, aqueles que reivindicavam o direito de fazer da ausência um ato político de protesto contra as posições do novo presidente. De outro, aqueles que clamavam pelo “respeito às instituições” e aos “ritos democráticos”. Não é objetivo deste ensaio repor os argumentos levantados nessa polêmica. Mas chamo a atenção para os fatos que se seguiram para tentar responder à pergunta que dá título a essa reflexão: a quem interessa uma oposição bem-comportada?

Enquanto partidos de oposição negociavam seu apoio à reeleição de Rodrigo Maia (DEM) à presidência da Câmara dos Deputados, naquilo que seria uma manobra para impor a primeira derrota de Bolsonaro no parlamento, o novo ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, do mesmo partido de Maia, defendia o diálogo com a oposição: “A eleição tem que ser superada e o entendimento tem que surgir. Todos os países do mundo tiveram a maturidade a humildade de propor um pacto pelo país. Eu conversei com o presidente hoje pela manhã, nos cabia fazer o primeiro gesto”. Um gesto nada espontâneo, combinado no gabinete do novo presidente para atenuar o impacto da verborragia anticomunista que marcou a posse da equipe de Bolsonaro.

O novo ministro da Casa Civil é um político experiente com quatro mandatos na Câmara dos Deputados. Sabe que a máquina do Estado não anda sozinha. Embora o novo presidente tenha dado sinais de sobra de que pretende usar e abusar dos instrumentos de administração direta – como decretos e MPs – ele sabe que se permanecer em pé de guerra com o Congresso Nacional terá o mesmo fim que Fernando Collor de Mello. O apelo em torno do “pacto” não tem efeito prático algum, serve apenas para estimular a divisão entre seus opositores.

Enquanto a fala de Lorenzoni repercutia na oposição, o partido do presidente tomava a dianteira. Numa jogada surpreendente, minutos depois, o PSL anunciou seu apoio à reeleição de Rodrigo Maia, deixando em situação delicada aqueles partidos de oposição que negociavam seu apoio a ele. Jogada inteligente, sem dúvida: fez um aceno aos partidos do centrão, insatisfeitos com a composição ministerial de Bolsonaro, ao mesmo tempo em que deixou parte da oposição a ver navios. Com isso, a eleição de Maia fica praticamente assegurada e o governo evita uma derrota quase certa com apoio de uma parte da oposição.

O episódio é ilustrativo do debate em curso na oposição. De um lado estão partidos e lideranças que acreditam que o governo Bolsonaro será um desastre e que, em pouco tempo, ele perderá apoio e se abrirá uma nova oportunidade para chegar ao poder em aliança com partidos da centro-direita. De outro lado, aqueles que estão mais preocupados em evitar os retrocessos hoje, sem cálculos eleitorais ou apostas num futuro incerto. Os primeiros tentavam – e ainda tentam! – garantir o apoio de seus partidos ao atual presidente da Câmara, mesmo que isso significasse a continuidade de um aliado de Paulo Guedes à frente da Casa. Os demais acreditam que é hora de a oposição demarcar claramente que não aceitará a agenda de Bolsonaro em nenhuma hipótese e fazer do parlamento uma trincheira a mais de resistência.

De certa forma se repete a polêmica envolvendo a posse de Bolsonaro. Respeitar o jogo de cartas marcadas ou se insurgir contra ele? Ou, ainda, apostar numa “oposição propositiva” ou numa oposição de combate? As declarações do presidente no ato de posse e suas primeiras medidas liquidaram quaisquer ilusões: não há proposta do governo Bolsonaro que possa ser apoiada por uma oposição comprometida com os direitos sociais, a democracia e a soberania nacional. Uma “oposição comportada” só serve a Bolsonaro e seu projeto de extrema direita. O apoio do PSL a Maia livrou alguns partidos de oposição de um vexame histórico. Resta agora saber se vai predominar o bom senso ou se os cálculos de curto prazo falarão mais alto.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum