Colunistas

20 de dezembro de 2018, 20h20

ABGLT repudia encontro de entidades LGBTI com Damares Alves: “Não em nosso nome”

A Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos (ABGLT) divulgou uma nota de repúdio à reunião entre a Aliança Nacional LGBTI e outras entidades com a futura ministra Damares Alves: "Qual o sentido de militantes LGBTIs emprestarem suas imagens para dar à futura ministra uma 'cara positiva' em relação a nossas demandas? A quem isso serve?"

Divulgação

NÃO EM NOSSO NOME! NOTA DA ABGLT SOBRE REUNIÃO COM MINISTRA DE BOLSONARO

Foi divulgada em alguns sites a realização no dia de ontem de uma reunião entre entidades do movimento LGBTI e a futura Ministra da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, na qual teriam sido debatidas as posições do futuro governo Bolsonaro para os direitos da população LGBTI.

A ABGLT foi convidada por um dos articuladores desta reunião pelo movimento LGBTI e recusou-se a participar, bem como assinar o documento citado na matéria com propostas ao novo governo.

Não desconhecemos que Jair Bolsonaro foi eleito pelo voto popular, e lamentamos profundamente esse trágico resultado para a população LGBTI e para a ampla maioria dxs exploradxs e oprimidxs de nosso Brasil. Nossa avaliação é de que as agendas de Bolsonaro serão o aprofundamento de todos os ataques anti-populares já praticados pelo golpista Temer, e que atingiram todos os segmentos da população que estão fora dos 5% que detém mais de 50% das riquezas do país.

Veja também:  A estúpida lentidão da história

E se não bastasse o perfil do governo e do futuro presidente, a pessoa escolhida para ser Ministra da Família e dos Direitos Humanos é inimiga declarada dos direitos da população LGBT, com vários pronunciamentos bastante explícitos a esse respeito.

Podemos acreditar numa ministra a favor dxs LGBTIs que se pronuncia contra a discussão de gênero e sexualidade nas escolas, ou ainda, que se coloca a favor da possibilidade da “cura gay”, e que em vários momentos atuou de forma leviana contra o Projeto Escola Sem Homofobia? Qual a credibilidade que esta cidadã tem para credenciar-se como interlocutora junto ao movimento LGBTI? E mais: qual o sentido de militantes LGBTIs emprestarem suas imagens para dar à futura ministra uma “cara positiva” em relação a nossas demandas? A quem isso serve?

A ABGLT não abrirá mão de continuar denunciando o golpe, os conservadores e os fascistas, e seguirá no processo que vimos construindo desde o Fórum Social Mundial de 2018, chamando as entidades combativas do movimento LGBTI brasileiro a se somarem numa ampla frente de luta para combater todas as medidas do governo Bolsonaro que afrontem nossos direitos, bem como ao lado de todas as organizações dos movimentos feminista, negro, de juventude, sem terra, sem teto, sindical, e dos demais segmentos excluídos de nossa sociedade, para evitar mais retrocessos de quaisquer tipo.

Veja também:  Não há vacina contra o ódio

Nenhum Direito a Menos!
Fora golpistas e fascistas!

ABGLT – Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis, Transexuais e Intersexos


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum