Adriana Dias

direitos humanos e acessibilidade

11 de dezembro de 2019, 19h18

Neonazismo vive de um culto a líderes da era hitlerista

No terceiro artigo da série, Adriana Dias desfaz mitos e afirma que as obsessões encontradas no livro mais famoso de Hitler eram antissemitas, anticomunistas, antimarxistas, racistas e nacionalistas radicalizadas

Foto: WikiCommons

Terceiro ponto.

  1. O nazismo é de extrema direita. E ponto.

Apesar de muitas mentiras e tentativas de negacionistas, é preciso compreender que o neonazismo, movimento de extrema direita, vive de um culto a líderes da era hitlerista. Também saúda muitos escritos da época e toda uma conjuntura cultural do final do século XIX e do início do século XX. Um dos livros mais citados pelos neonazistas, sem dúvida, é Mein Kampf. Nele se misturam memórias e obsessões políticas. Em português foi traduzido como Minha luta. Essas obsessões são múltiplas e extremistas: antissemitas, anticomunistas, antimarxistas, racistas e nacionalistas radicalizadas.

O construto do líder nazista é um composto que fundiu panfletos da época, memórias do autor (muitas organizadas e sistematizadas para legitimar as ideias políticas que desejava balizar, conforme atestam grandes historiadores, como Fest e Kershaw), e um caldo ideológico, profundamente marcado por definir posições para o que seria “o germanismo”, “o povo alemão”, de um lado, e o “judeu” do outro. Nessas concepções, a ideologia hitlerista formatou o que deveria ser a grande Alemanha: um Estado militarizado, que serviria apenas ao povo alemão.

Não é sócio Fórum? Quer ganhar 3 livros? Então clica aqui.

Em seu testamento político, escrito em 1945, bem perto de sua morte, ele manteve a posição, afirmando que “cristãos, comunistas, humanitários”, se colocam ao lado dos judeus, seguindo seus passos, perseguindo “a quimera de uma fórmula de alcance universal”, o que para ele não era desejável. Seu objetivo, ao contrário, sempre foi, através do partido nacional-socialista, a “humanidade alemã”, apenas a busca da felicidade pelo “homem alemão”. Para o ditador, havia a “humanidade alemã” e essa era maior que todas as outras humanidades. Para convencer e enganar os trabalhadores alemães, colocou o “socialista” no nome, lembrando-os que protegeria apenas os trabalhadores “alemães” na Alemanha, e não os trabalhadores da Alemanha. Raça vinha, radicalmente, antes de qualquer outro fato. Isso desmonta completamente o argumento do nome, porque socialismo implica em internacionalização de políticas e o que havia no Estado nazi era o oposto disso.

Poucos que discutem o sentido do vetor ideológico de Hitler se deram ao trabalho de analisar minuciosamente seu livro mais conhecido. Quanto mais sua obra inteira. Por conta de minha pesquisa, fui obrigada a ler os textos hitleristas muitas vezes. Neles, Hitler faz certos comentários sobre a esquerda:

“Em um tempo em que os melhores elementos da nação morriam no front, os que ficaram em casa, entregues aos seus trabalhos, deviam ter livrado a nação dessa piolharia comunista”.

“Nesse tempo, abriram-se-me os olhos para dois perigos que eu mal conhecia pelos nomes e que, de nenhum modo, se me apresentavam nitidamente na sua horrível significação para a existência do povo germânico: marxismo e judaísmo”.

“Vencendo a minha relutância, tentei ler essa espécie de imprensa marxista, mas a repulsa por ela crescia cada vez mais”.

Qualquer pessoa que investir de forma séria e honesta na leitura dos textos hitleristas perceberá o ódio de Hitler ao comunista, em especial por esta forma de pensar alojar o idealismo humanista, que concebe a humanidade como presente em todos os seres humanos.

Obviamente, isso é de imensa dificuldade de aplicação. É fato que ditadura stalinista errou vigorosamente em manter o poder no partido, e isso custou a morte de milhares de pessoas. Mas, nenhum Estado criou, como o hitlerista, um Estado absolutamente burocratizado, com sistemas articulados, planejados e efetivados para eliminar todas as pessoas que não eram parte da humanidade concebida por ele, ou seja “a humanidade alemã”. E todos os erros do stalinismo e do comunismo do mundo não mudam o fato de que Hitler odiava a esquerda, perseguiu, prendeu e matou comunistas, centenas e centenas em campos de concentração.

Nada muda o fato de que o hitlerismo, o nazismo e neonazismo são de extrema direita. Todos têm direito à opinião. Mas direito a fatos, apenas a História tem.

Curiosidade: A primeira versão em português de Minha luta foi publicada pela Editora Globo, de Porto Alegre, em setembro de 1934. Proibido por Vargas (sim, o mesmo que deportou a comunista Olga para ser presa e assassinada pelos alemães) em 1942, a tiragem do livro foi queimada em sua totalidade por ordem do Departamento de Imprensa e Propaganda (DIP).

Foto: Reprodução

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Notícias relacionadas


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum