Adriana Dias

direitos humanos e acessibilidade

19 de março de 2020, 19h35

Nossas vidas importam

Leia na coluna de Adriana Dias: O que eu falo para uma mãe cujo filho pode morrer pelo descaso do governo com um grupo que ele chama de “apenas”? A mensagem do governo até agora foi capacitista e ageísta

Simulação de atendimento ao novo coronavírus em Manaus (Foto: Alex Pazuello/Semcom/Fotos Públicas)

O medo passou a fazer parte do cotidiano. Ao tentar “acalmar” os brasileiros, o desgoverno atual chama a maior crise que o mundo enfrenta desde a segunda guerra de histeria e diz que o problema do coronavírus afetará “apenas” pessoas idosas e com doenças crônicas. Leio esse “apenas” como um aviso de descarte, e toda uma população se lê descartada, mais de trinta milhões de idosos, segundo o Censo de 2010, mais de 10 milhões de pessoas com doenças raras, que podem tornar-se crônicas.

No Brasil, assim como noutros países, as Doenças Crônicas não transmissíveis são o maior o problema de saúde, responsável por 72% das mortes, com proeminência de quatro grupos de causas de morte: cardiovasculares; câncer; respiratórias crônicas; e diabetes, o que significa mais de um milhão e cem mortes por ano. O grupo dos diabéticos no Brasil comporta, sozinho, mais de seis milhões de pessoas. Mais de 23% da população brasileira têm deficiência, e numa porcentagem dela, entre 6 e 43% a depender do tipo de deficiência, renda e idade, a deficiência compromete mais a funcionalidade. 

Obviamente, uma pessoa com deficiência pode ser idosa, e diabética, portanto, os conjuntos têm espaços de intersecções, mas estamos falando de milhões e milhões de pessoas, a grande maioria de baixa renda, extremamente vulneráveis, e muitos em localidades remotas. As estimativas apontam pelo menos 40 milhões de pessoas que o governo chamou de “apenas”.

Nesse “apenas” caibo eu, que sofro de problema respiratório grave, cabe meu marido que tem leucemia crônica, e como pelo Skype tenho falado com amigos cadeirantes, que por estarem nessa condição, tem a função respiratória mais frágil e cabem também nesse “apenas”. Tenho falado com mães com medo por seus filhos, e com filhos com grande temor por seus pais, tenho falado com sobreviventes do Holocausto muito idosos, que sobreviveram a campos de concentração, mas não sobreviverão ao neonazismo do “apenas” do atual governo.

Nesse governo, vidas humanas não importam: quase todo o dinheiro que pensionistas e trabalhadores receberão é apenas seu próprio dinheiro remanejado: 13º ou FGTS, adiantados, sonhos futuros sacrificados pela epidemia. Enquanto na Europa o governo assume 70% a 80% dos salários das empresas que não fizerem demissão, o Brasil sugere a empresários reduzir horas e salários. O governo volta-se contra o seu povo, esperando sacrificá-lo no matadouro do neoliberalismo aproveitando a epidemia como arma. Nesse momento temos genocidas no poder, e estão escolhendo matar: indígenas, pobres, quilombolas, e os catalogados como “apenas”, os vulneráveis, vidas que custam ao Estado, e que esse governo neonazista resolveu eliminar.

Podemos ficar em casa, nos proteger. Mas, muitos de nós sequer tem acesso ao mínimo para tanto: para muitos, sabão, saneamento, álcool gel, são objetos de luxo. Desde o fim do bolsa família e os cortes do LOAS/BPC, muitos ficaram sem se alimentar adequadamente. E ainda chamam o aumento de um quarto de salário mínimo para meio salário mínimo para essa população extremamente vulnerável de risco tributário. Risco tributário é tirar imposto de games usados pela classe B e A, é não aumentar impostos de cigarros e bebida. É favorecer bancos e deixar “apenas”, nós os vulneráveis, para o matadouro. Canalhas. Genocidas. Neonazistas. É preciso denunciar esse governo por seus atos a Tribunais Internacionais.

Por favor, compreendam meu desespero: o que eu falo para uma mãe cujo filho pode morrer pelo descaso do governo com um grupo que ele chama de “apenas”? A mensagem do governo até agora foi capacitista e ageísta: apenas dizem a nós:  vocês são dispensáveis, vocês custam por Estado. Falam do “apenas”, como se nós não soubéssemos a quem esse “apenas” se dirige.  Todos os especialistas afirmam que o governo perdeu um empo precioso e indispensável para decretar quarentena, e tomar medidas adequadas nessa crise. Muitos acham que aqui ficará pior que a Itália, lugar onde médicos já fazem escolhas super duras, deixando muitos para morrer por falta de leitos e respiradores.

Imagina se essa decisão chegar aqui? O governo responderá: se “apenas” vocês morrerem tudo bem, o país será mais forte sem vocês, mais rico sem vocês.

Eles parecem não aprender nunca. A epidemia mostrou ao mundo que Estado Mínimo não resolve crises como essa, e como não sabemos quando uma crise dessa pode acontecer, ESTADO MÍNIMO SIMPLESMENTE NÃO SERVE. Vejam como os Estados europeus estão salvando seus cidadãos.

Mas, por favor, falem comigo, o que diremos agora a esse governo neonazista, além de gritar bem alto: NOSSAS VIDAS IMPORTAM?


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum