Adriana Dias

direitos humanos e acessibilidade

16 de março de 2018, 17h42

Os canalhas e as flores

"É incrível como a elite militar é incapaz de pensar em termos humanos". Em novo artigo, a colunista Adriana Dias discorre sobre a morte de Marielle Franco e a reação de uma parte da elite do país. Leia

Foto: Tania Rego/Agencia Brasil

Horror, horror, horror, horrorismo. Adriana Cavarero, filósofa política, condensa na palavra “horrorismo” a captação da experiência da violência, sob o ponto de vista das vítimas. Acabo de ler o depoimento de um coronel da PM, Washington Lee Abe, questionando a comoção, questionando porque Marielle se transformou numa mártir.

É incrível como a elite militar é incapaz de pensar em termos humanos. Em termo das vítimas, das minorias, dos mais frágeis, dos silenciados, é um horrorismo, e a violação prossegue, após a morte, crescendo, tentando desfigurar a representação da vereadora, negra, da favela, cria da Maré, como se definia, mas também lésbica, e defensora dos Direitos Humanos.

Na fundamentada lógica da ofensa de desfiguração e massacre, a intervenção do Rio de Janeiro mostra sua cara mais grotesca, as vítimas, aos milhares, indefesas e vulneráveis. O recado é para a favela calar-se. E o morro tem que descer, gritando, enquanto o mundo ainda está sensível pela dor. Enquanto o horror, o extermínio e o massacre, organizado pelos canalhas, tirou todos da comodidade, e mostrou a face mais covarde dos golpistas e interventores.

Quem sujou as mãos de sangue deseja calar o povo, mas este, ontem, foi à Cinelândia e cantou a Internacional, cantou e distribuiu flores. As flores voltaram, só para lembrar que não falei delas. Os fascistas não se calaram, mas nós o calamos nos cantos e não vamos mais ouvi-los. Eles postaram abusivos comentários comemorando a morte da vereadora linda, e nós o chamamos de canalhas, são canalhas. Os covardes e canalhas vão ser vencidos, no grito e no voto. Não passarão.

Enquanto isso, a polícia tem pressa em achar talvez um bode expiatório. Cabe a nós todas vigiar, vigiar muito. Por todas nós. Agora que Marielle se foi, é com Marieu, Marivocê, Maritodasnós.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum