Adriana Dias

direitos humanos e acessibilidade

21 de agosto de 2017, 21h29

A respeito de neo-confederados e petições

“Obviamente, a nós brasileiros não deveria interessar a proteção de monumentos que elogiam a escravatura, a separação sulista dos EUA, e muito menos a defesa de instituições anti-negros e anti-semitas como os neo-confederados. Mas, sabe-se lá pela falta de qual medicação, Olavo agora faz da defesa da Inquisição e dos neo-confederados sua bandeira”. Leia mais na coluna de Adriana Dias 

Por Adriana Dias*

Fui mais uma vez surpreendida pela não limitação da mediocridade humana. Aos seus discípulos, quase papagaios lobotomizados, Olavo Medieval de Carvalho sugere a assinar uma petição tão importante quanto enxugar gelo: defender monumentos confederados.

Obviamente, a nós brasileiros não deveria interessar a proteção de monumentos que elogiam a escravatura, a separação sulista dos EUA, e muito menos a defesa de instituições anti-negros e anti-semitas como os neo-confederados. Mas, sabe-se lá pela falta de qual medicação, Olavo agora faz da defesa da Inquisição e dos neo-confederados sua bandeira.

Estudo os movimentos de ódio há mais de uma década. E os neo-confederados são um movimento anti-semita, afirmando os judeus como deícidas, como o Mal do mundo. São um movimento separatista, anti-negros, e são classificados como grupo de ódio pela ADL. A ADL tem origem na B’nai B’rith dos EUA, e portanto, é fonte segura acerca de mapeamento e anti-semitismo.

Desenvolver propaganda acerca dos neo-confederados no Brasil é um absurdo. Os grupos neo-confederados são apólogos do nazismo, e consideram o holocausto como “castigo devido” aos judeus pela morte de Cristo. São grupos racistas e defendê-los é crime no Brasil, pela Lei 7.716 de 1989. Espero que logo alguém seja punido por fazer apologia a esse tipo de grupo.

O objetivo dos grupos neo-confederados tem sido reconstruir “uma Pátria Branca”, termo que eles usam para denominar um espaço territorial “livre” de seus inimigos como, por exemplo, definiu um dos líderes e oradores do evento da Virginia, Matthew Heimbach. Ele é um nacional-socialista declarado e o líder do Partido Trabalhador Tradicionalista. Ele defende que “deve haver grandes demonstrações de força” para “delinear o futuro do povo branco”. Defensor do slogan das 14 palavras de David Lane, o mais lido dos líderes neo-nazistas, vomita ódio e tem grande força no público jovem. A última coisa que precisamos é que no Brasil se defenda gente desse tipo.

*Adriana Dias é formada em Ciências Sociais e mestre e doutoranda em Antropologia Social pela Unicamp. Coordena o Comitê “Deficiência e Acessibilidade, da Associação Brasileira de Antropologia. Também é membro da American Anthropological Association


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum