Alexandre Padilha

15 de Maio de 2018, 17h20

Vergonha nacional: o crime com nossas crianças

Em novo artigo, Alexandre Padilha critica a política do governo Temer, responsável pelo aumento do índice de mortalidade infantil, depois de 13 anos em queda

Foto: Paulo Pinto/Agência PT

Após 13 anos em queda, a mortalidade infantil cresceu 11% em 2016 no governo de Michel Temer. Foi o que mostrou o levantamento feito pelo Observatório da Criança e do Adolescente da Fundação Abrinq e publicado no jornal Valor Econômico desta segunda-feira (14). A mortalidade infantil é um indicador que contabiliza a morte de crianças de um mês a quatro anos de idade. A morte de crianças de um mês a um ano também cresceu.

Esse resultado é uma vergonha para o país, que vinha com redução sucessiva dessa taxa nos governos Lula e Dilma. O golpe de Estado contra um governo legitimamente eleito pelo povo causou tamanho impacto nas políticas públicas consolidadas. A crise econômica, o congelamento de 20 anos dos recursos para área da saúde, com a aprovação da PEC da Morte de Temer, interferindo diretamente em programas sociais, e a grave seca do Nordeste, são os fatores alegados no levantamento como a causa desses resultados. Segundo uma gerente executiva da Fundação Abrinq: “Há uma fragilização considerável das políticas sociais voltadas à criança”.

Em 2012, quando Ministro da Saúde, assinamos o compromisso de atingir o Objetivo do Milênio da ONU de aplicar políticas públicas para a redução da mortalidade infantil. Em 2015, o Brasil atingiu a marca de corte de dois terços nos índices de mortalidade, reduzindo em 73% a taxa e foi um dos 62 países que conseguiram alcançar o Objetivo.

Chegamos a esse excelente resultado graças à aplicação de políticas sociais, como a Rede Cegonha – programa que oferece atendimento e acompanhamento às mulheres durante a gestação, parto e pós-parto e o desenvolvimento do bebê até dois anos de idade -, o programa Mais Médicos – que levou atendimento de saúde a mais de 63 milhões de brasileiros nas regiões mais escassas do país e que, em alguns municípios, ajudou a reduzir radicalmente as taxas de mortalidade infantil e materna  –, as ações no combate à fome, como o programa Bolsa Família, não apenas para o controle da qualidade nutricional das famílias, mas também a obrigatoriedade no acompanhamento de saúde, são alguns exemplos de ações que  foram essenciais para atingirmos a meta.

A diretora do departamento que analisa esses dados no Ministério da Saúde ainda afirmou que o encolhimento do programa Mais Médicos pode ter tido efeitos indesejáveis. E não foi só dele, mas de todos os outros programas de saúde e de assistência social que auxiliaram na redução e que sofrem com a diminuição de suas capacidades de funcionamento pelo atual governo.

Aqui na cidade de São Paulo, quando era Secretário da Saúde na gestão do prefeito Fernando Haddad, a cidade registrou queda de 15% na taxa de mortalidade infantil em 2015, registrando 10,72 por mil nascidos vivos. Em 2007, esse número era de 12,57 mil por nascidos vivos. A região sul, foi a que teve a maior taxa de redução no período, de 22%.

Em Cidade Tiradentes, por exemplo, bairro no extremo da periferia da zona leste, a mortalidade infantil, em 2014, foi a menor já registrada em 10 anos – 14,4 mil a cada mil nascidos vivos. Esse resultado se deu um ano após do ingresso de 15 profissionais do Mais Médicos no bairro.

Já é uma vergonha voltarmos ao mapa da fome e será ainda maior o país apresentar esses novos índices de mortalidade infantil e da infância para a ONU, onde em 13 anos caíam drasticamente.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum