Notas Internacionais

por Ana Prestes

23 de abril de 2020, 13h20

Coronavírus: Cepal avisa que economia da América Latina pode ter queda de 5,3% em 2020

A secretária do órgão apontou que índices assim só ocorreram em 1914 (- 4,3%) e 1930 (- 5%), por Ana Prestes

– E não é que Zizek se deu ao trabalho de responder Ernesto Araújo? Tá podendo o chanceler. Segundo o filósofo, o chanceler “não entendeu a questão”. Nas palavras dele, “o chanceler brasileiro me acusou de usar a epidemia do coronavírus como uma desculpa para introduzir outro vírus, o ‘comunavírus’. Infelizmente, ele não entendeu a questão”. Para Zizek, em seu livro “Vírus”, a pandemia escancarou a insustentabilidade do sistema capitalista. A consequência é que países bastante conservadores em relação à ode ao “Deus Mercado” estão adotando medidas sanitárias, sociais e econômicas inimagináveis antes da crise. Algumas soam a “sonhos comunistas”, segundo Zizek. Ele fala da distribuição de dinheiro para desempregados, produção de equipamentos de saúde por indústrias de outras áreas, defesa de sistemas universais de saúde e etc. Quando foi que se viu conservadores “dando preferência ao bem comum em vez dos mecanismos do mercado?” Este é “a questão” que Ernesto Araújo não entendeu e duvido que algum dia entenda.

– O Conselho Europeu deve se reunir hoje para debater a criação de um fundo comum para enfrentar as consequências da crise econômica decorrente da pandemia do coronavírus na região. Segue entre os europeus um debate sobre o “coronabonus”, que divide o norte do sul. Por um lado, Alemanha e Holanda resistem e por outro, Itália e Espanha pressionam pelo bônus. O premiê italiano tem argumentado que a EU não pode repetir os mesmos erros cometidos na crise de 2008, quando não houve uma resposta conjunta. Até agora, a União Europeia tem lançado mão do Mecanismo Europeu de Estabilidade (MES) conhecido por apresentar condicionantes orçamentárias bastante rigorosas aos países que o utilizam. A Itália já está há quase dois meses completamente parada.

– Também na Europa percebe-se um aumento do tom com relação à China. Não de forma tosca como nos EUA e no Brasil onde se fala em “vírus chinês”, mas ainda assim questionador do papel do gigante asiático na pandemia que atingiu todo o globo. Uma matéria do El País traz aspas dos ministros das relações exteriores da França e da Itália sobre o tema. Para Jean-Yves Le Drian, espera-se “que a China nos respeite, como ela deseja ser respeitada” e ainda: “Pequim joga com a fragmentação da UE”. Já Dominic Raab tem um tom mais duro: “nada pode voltar a ser como antes enquanto a China não esclarecer de forma cabal tudo o que está relacionado com o vírus”. A Alemanha continua discreta na crise. Merkel deixa escapar coisas como: “quanto mais transparente a China for quanto à gênese do vírus, melhor será para que o mundo inteiro aprenda sobre ele” (coletiva de imprensa, citada pelo El País). A Alemanha é o país com mais negócios com a China em toda a Europa e Merkel visita o país todos os anos já há algum tempo. Mas enquanto a chanceler Angela Merkel “segura a onda”, o editor do jornal alemão Bild promove sua briga particular com a China, um dos seus ataques veio em uma carta dirigida ao presidente Xi Jinping: “o senhor fecha todos os jornais e sites que criticam seu Governo, mas não fecha os locais que vendem sopa de morcego”.

– A secretária executiva da CEPAL (comissão econômica para a América Latina e o Caribe), Alicia Bárcena, emitiu um novo informe sobre os efeitos da pandemia na economia latino-americana. Segundo seu informe, a América Latina que já sofria com um baixo crescimento nos últimos anos, 0,4% em média entre 2014 e 2019, pode ter uma queda brusca e chegar a – 5,3% em 2020. Para comparar ela apontou que índices assim só houve em 1914 (- 4,3%) e 1930 (- 5%). O documento mostra que houve pelo menos cinco canais de “transmissão” da crise para a América Latina: redução do comércio internacional, queda dos preços de produtos primários, intensificação da prevenção a riscos (de investimento), baixa demanda por serviços de turismo e redução de remessas. Segundo Alicia, o que vem por aí é desemprego, pobreza e desigualdade.

– Em Cuba, nos últimos dias tem ocorrido a testagem de uma vacina que na verdade é um “inmunopotenciador” algo que dá mais potência à imunidade inata das pessoas e pode reduzir os riscos de entrada de organismos causadores de infecções no organismo humano. Trata-se do CIGB 2020, aplicado nas narinas ou sublingual e já se demonstrou efetivo em pessoas com testes positivos para o novo coronavírus, impedindo o desenvolvimento da doença covid19. Segundo o doutor Gerardo Guillén Nieto, diretor da Investigaciones Biomédicas do Centro de Engenharia Genética e Biotecnologia (CIGB), a vacina pode ajudar a salvar a vida de muitas pessoas ao estimular moléculas da superfície celular que marcam a ativação do sistema imune relacionado com o vírus. Além disso, o sistema de saúde da ilha trabalha no desenvolvimento de três anti-virais e métodos próprios de diagnóstico da covid19.

– Ontem (22) o presidente mexicano, López Obrador, reapresentou um plano econômico estatal para enfrentamento da pandemia do coronavírus no país. O plano prevê redução de salários de autoridades e servidores públicos, cancelamento de bônus e adicionais de salários, redução em 25% dos serviços gerais do Estado e suprimentos gerais em até 75% (materiais de uso do Estado que não estão relacionados com os serviços de saúde). Não serão tocadas as aposentadorias, as bolsas de estudos, as bolsas sociais. Obras de infra-estrutura, como construção de universidades, também não serão tocadas. Haverá crédito de 3 milhões de pesos para a população mais necessitada e a classe média e a criação de 2 milhões de novos empregos (não disse como). Tudo isso protegerá cerca de 25 milhões de lares mexicanos, sem aumentar o preço do combustível, impostos ou endividamento do país, segundo AMLO. Em suas palavras: “vamos demonstrar que há outra forma de enfrentar a crise econômica provocada pela pandemia ou de qualquer índole, qualquer tipo de crise, sempre e quando não se permita a corrupção, se fortaleçam os valores e princípios como humanismo e se governe com e para o povo”.

– Presidente Trump assinou ontem (22) um decreto que suspende temporariamente a imigração para o país durante a pandemia. Segundo ele, isso vai garantir que os americanos sejam os primeiros nas listas de empregos quando a economia abrir. A restrição pode durar entre 60 e 90 dias. A medida claramente tira proveito do contexto do coronavírus para reduzir a imigração no país, seja legal ou ilegal. É o “America first” de seu emblema de campanha na prática protegendo os empregos dos americanos. O decreto levanta uma questão importante sobre os trabalhadores rurais, geralmente ligados às colheitas, que costumam ser imigrantes, além dos serviços gerais e atualmente os serviços especializados de saúde.

– Trump também elevou ontem (22) o tom contra o Irã. “Instruí a Marinha dos EUA a abater e destruir toda e qualquer canhoneira iraniana caso elas provoquem nossos navios no mar” disse ele pelo twitter. Trump se refere a uma elevação a tensão nos mares entre a marinha americana e a iraniana nas últimas semanas. Os iranianos responderam às ameaças de Trump no mesmo tom nas últimas horas. O comandante em chefe da Guarda Revolucionária do Irã, Hossein Salami, disse mais cedo na TV estatal iraniana que “o Irã destruirá navios de guerra dos EUA se a segurança do país for ameaçada no Golfo Pérsico”.

– E uma última nota sobre os EUA, é que a primeira morte por Covid19 no país se deu no início de fevereiro e não no final do mês como inicialmente noticiado. A descoberta indica que o vírus já circulava no país desde janeiro, mesmo período em que a China também tentava encontrar respostas para o novo vírus. Medidas poderiam ter sido tomadas com maior antecedência. O país pode chegar a um milhão de infectados nos próximos dias e na casa dos 50 mil mortos.

– O Programa Mundial de Alimentação da ONU (PMA) fez um alerta esta semana de que a pandemia do coronavírus pode fazer dobrar o número de pessoas que sofrem com a fome no mundo para 265 milhões em 2020. Segundo seu diretor, David Beasley, estamos à beira de “uma pandemia de fome”. Segundo ele, o “fantasma da fome extrema” é hoje uma possibilidade muito concreta especialmente em países afetados por conflitos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum