Notas Internacionais

por Ana Prestes

02 de agosto de 2019, 10h58

Edição da “The Economist” dedicada ao desmatamento na Amazônia repercute no mundo

Ana Prestes: “O ritmo da perda da área verde esteve em queda entre 2004 e 2012, período que compreende o governo Lula e o princípio do governo Dilma”

Foto: Reprodução

– O mundo acordou nesta sexta-feira (2) com mais tarifas de Trump sobre os chineses. As bolsas ficaram instáveis e com fortes quedas. Em Hong Kong e Japão, por exemplo, caíram mais de 2%. O presidente norte-americano resolveu tarifar em 10% cerca de 300 bilhões em produtos chineses a partir de 1º de setembro. A notícias foi dada como inesperada. O anúncio veio após mais uma rodada de negociações em Shangai entre os dois países, inclusive com o agendamento de uma nova rodada para setembro. A moeda chinesa, Yuan, chegou a cair para seu nível mais baixo em relação ao dólar desde dezembro.

– Teve muita repercussão, nesta quinta (1) no Brasil, a nova edição da revista “The Economist”, inteiramente dedicada à Amazônia. A revista traz praticamente um dossiê recheado de dados, dizendo que desde os anos 1970 uma área do tamanho da Turquia foi desmatada na Amazônia, que a temperatura local aumentou 0,6⁰C e que o ritmo da perda da área verde esteve em queda entre 2004 e 2012, período que compreende o governo Lula e o princípio do governo Dilma. Com Bolsonaro, em 2019, provavelmente o recorde de desmatamento será batido, diz a revista. Desde janeiro, já são 4.300 km2 desmatados. A revista alerta que há risco e colapso da floresta, caso a perda de árvores chegue ao ponto de não conseguir manter mais a irrigação da própria mata. (Com informações do Meio).

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

– Ainda sobre a “The Economist” – especial Amazônia – a revista pede um boicote a produtos brasileiros produzidos na região desmatada e convoca União Europeia e China para contingenciar acordos comerciais aos cuidados brasileiros com a floresta. Outros veículos, o “The Guardian” e o “The New York Times”, já haviam publicado editoriais sobre o tema no último domingo (28). O jornal inglês afirma, em seu texto, que o mundo deveria doar mais dinheiro para a preservação da Amazônia e pede à União Europeia maior pressão comercial sobre o Brasil. O jornal norte-americano alerta para a redução em 20% da verba para o combate ao desmatamento do governo Bolsonaro. (Com informações do Meio).

– A crise no Paraguai parece ter arrefecido. Nota-se que não houve expressivas manifestações populares nas ruas de Assunção pela queda do presidente, a crise ficou encerrada em gabinetes. Em uma “Acta Bilateral” entre as Altas Partes Contratantes do Tratado de Itaipu, assinada nesta quinta (1) entre Brasil e Paraguai, ficou estabelecido que “La Alta Parte Contratante paraguaya comunico su decisión unilateral y soberana de dejar sin efecto el Acta Bilateral de 24 de mayo de 2019”. Significa que o Paraguai declina do acordo estabelecido em maio com o Brasil e que quase custou a cabeça de Marito.

– Além de desmarcar encontro com o ministro de Negócios Estrangeiros da França, Jean-Yves Le Drian, que estava no Brasil esta semana, Bolsonaro criticou o chanceler por manter encontros com ONGs no Brasil. A audiência entre os dois seria na segunda (29), mas foi cancelada com horas de antecedência. Ernesto Araújo justificou o cancelamento por questão de “agenda do presidente”, mas este fez uma “live” cortando o cabelo ao “estilo Hitler”, justamente no momento em que se daria o “rendez-vous”. Inclusive, o caso foi motivo de matéria do “Le Monde”, com o título: “Por um corte de cabelo, Jair Bolsonaro cancela encontro com Jean-Yves Le Drian”. No interior da matéria está escrito: “Ao invés da diplomacia, Jair Bolsonaro prefere a provocação, mas evita o confronto direto, privilegiando a humilhação do adversário”.

– Em Moçambique, as adversárias Frelimo e Renamo, inimigas desde a guerra civil, que terminou em 1992, assinaram um acordo para encerrar, formalmente, décadas de hostilidades no país. Os representantes do histórico acordo são Filipe Nyusi, presidente do país, e Ossufo Momade, líder da Renamo. Segundo a imprensa, 5,2 mil guerrilheiros estão entregando as armas e cerca de 800 vão deixar o acampamento de Monte Gorongosa. Está no texto do acordo a anistia para combatentes e a eleição de governadores, no lugar das atuais nomeações. O acordo foi assinado no parque Gorongosa, local onde a guerra começou, montanha localizada no centro de Moçambique. Fundada em 1962, a Frelimo governa o país desde 1975, ano da independência de Moçambique. O primeiro presidente foi o socialista Samora Machel, “o pai da Nação”. A Renamo também foi criada em 1975 como uma organização anticomunista.

– Trump ofereceu ajuda a Putin no caso dos incêndios incontroláveis da Sibéria. Os incêndios florestais já atingiriam cerca de 3 milhões de hectares de florestas e, pelo menos, quatro regiões já foram declaradas em estado de emergência: Irkutsk, Sakha, Buriácia e Krasnoyarsk.

– Rafael Correa obteve uma vitória, nesta quinta (1), no parlamento equatoriano. Foi considerado, por 78 votos, improcedente a solicitação da juíza Daniella Camacho de indiciamento do presidente.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum