Trump começa a cair na real sobre derrota, enquanto tensão se espalha em vários países da América Latina

Leia nas Notas Internacionais de Ana Prestes: Donald Trump cede e permitirá transição com equipe de Biden. Guatemala, Chile e Peru vivem momentos de incerteza, enquanto Israel pode ter dado o primeiro passo para um acordo com a Arábia Saudita de Mohammed bin Salman.

– Nos últimos dias houve uma mudança de patamar na transição presidencial nos EUA. Embora Trump ainda não reconheça a vitória do adversário Joe Biden, aos poucos tem dado passos no sentido de não obstaculizar a transição oficial. É forte a pressão sobre ele dentro do Partido Republicano. Nas palavras do próprio Trump, via Twitter, “nossa luta continua com força (…) e acredito na vitória! Ainda assim, pelo melhor interesse de nosso país, recomendei o início dos protocolos”. Isso significa liberação dos escritórios, verba para pagamento de funcionários, dados do governo e relatórios de inteligência para a equipe de Biden. E desde ontem também começaram a surgir as primeiras indicações de Biden. Para secretário de Estado, ele indicou Antony Blinken, que o acompanhou em sua trajetória como senador e que é homem forte dos democratas nas relações internacionais, desde o primeiro governo Clinton. Para assessor especial de segurança nacional o nome é Jake Sullivan. O secretário de segurança interna (ministro do Interior) será Alejandro Mayorkas. Para diretoria de inteligência nacional está nomeada Avril Haines. Já na embaixadora dos EUA na ONU, Linda Thomas-Greenfield, enquanto Janet Yellen (ex-presidente do FED) fica com a secretaria do tesouro. Como representante especial de políticas do clima, o ex-candidato à Presidência e ex-secretário de Estado de Obama, John Kerry.

– Foi num dia 24 de novembro, em 2016, há quatro anos, que a ONU reconheceu o avanço dos Acordos de Paz para a Colômbia. À época, Ban Ki-moon, secretário-geral da ONU, felicitou as partes (governo colombiano e as FARC) por colocarem fim a uma guerra de meio século. O acordo foi assinado no mesmo dia (24) pelo presidente Juan Manuel Santos e pelo líder das FARC, Rodrigo Londoño, o Timochenko, no Teatro Colón de Bogotá. Esta foi só a foto final de um processo que durou meses, com encontros em Havana (Cuba) e mediação de organizações internacionais e governos como o da Noruega. A ONU também colocou à disposição do país, à época, suas agências, fundos e programas para ajudar na implementação do acordo. A missão da ONU de verificação dos Acordos de Paz ficou responsável por recolher todas as armas entregues pelas FARC, como parte do acordo. Mas o desenrolar dessa história não é tão próspero como se poderia imaginar a princípio. Apesar da destruição de nove mil armas de todos os calibres, de toneladas de explosivos e milhões de munições, da transformação das FARC em um partido político, com funcionamento parlamentar, e da integração de cerca de 13 mil guerrilheiros e guerrilheiras à vida civil, o governo colombiano, logo assumido pelas forças uribistas com Ivan Duque, não está cumprindo seus deveres constitucionais com os acordos e toda semana morrem líderes sociais e políticos na Colômbia. Pelo menos 243 ex-combatentes foram assassinados nesse período. A recusa do governo colombiano em acatar os dispositivos do acordo e buscar sua efetivação tem provocado inclusive a reorganização de grupos guerrilheiros no interior do país.

– Os últimos dias têm sido de intensas manifestações no Chile. Ontem (23) houve mais uma marcha que terminou no Palácio de La Moneda. As manifestações foram convocadas via redes sociais, com a consigna #PiñeraQuiereSuGuerra e pedem a renúncia do presidente. Já há parlamentares da oposição que falam em antecipação das eleições no país. Mais uma vez a repressão dos carabineiros, a polícia militar chilena, aos manifestantes foi bárbara, com a cavalaria avançando sobre manifestantes, assim como o uso de carros com fortes jatos de água e bombas de gás lacrimogêneo. As manifestações e pedidos de renúncia se dão pela libertação de centenas de presos políticos nesse um ano de protestos, mas também foram provocados por uma apelação feita ao Tribunal Constitucional por parte de Piñera, para impedir a aprovação do projeto de “segundo retiro del 10%”, da AFP (Administradoras de Fundos de Pensão), e que, caso seja aprovado (foi aprovado na Câmara e vai agora ao Senado), não seja efetivado. Trata-se de um recurso que as pessoas podem sacar para amenizar a condição econômica desesperadora que é a realidade de muitas famílias chilenas nesse ano pandêmico.

– E hoje (24) haverá manifestações também na Guatemala. Os protestos estão sendo organizados para pedir a renúncia do presidente Alejandro Giammattei e dos 115 deputados que votaram com ele pelo projeto de Orçamento de 2021, que detonou uma convulsão social no país. Antes mesmo da marcha a situação já está tensa, pois o governador do departamento de Guatemala (capital), Enrique Cifuentes, se negou a receber o comunicado da ocorrência da manifestação. Enquanto isso, continuam as diferenças entre o presidente Giammattei e seu vice, Guillermo Castillo. Para o vice, foi precipitada a decisão do presidente de invocar a Carta Democrática da OEA. Nas palavras de Castillo, “os golpes de Estado já não são dados pela população. Muitos golpes de Estado em vários países são dados pelos próprios governantes, com seus reiterados atos de corrupção, sua intolerância em dialogar com a população e por decisões equivocadas contra o bem comum”. Além da ONU, embaixadas da Alemanha, Canadá, Espanha, EUA, França, Itália, Reino Unido, Suécia, Suíça e a União Europeia apelaram para que o incidente do incêndio no parlamento, ocorrido no sábado, seja esclarecido. (infos: Nodal).

– O novo presidente do Peru, Francisco Sagasti, fez um pronunciamento ao país na noite de ontem (23). O ponto principal foi o anúncio de um novo chefe para a Polícia Nacional do Peru (PNP), após a dura repressão às manifestações das últimas semanas, com mortos e feridos. Enquanto isso, organizações dos movimentos sociais, coletivos e sindicatos seguem em assembleia permanente para organizar os protestos e pedir uma nova Constituição. Clamam por uma “Nueva Constitución del Bicentenario”. O presidente interino tem insistido que não é o caso de discutir uma nova constituição no momento e disse preferir que um novo governo livremente eleito cuide dessa demanda. Só para recordar aos leitores dessas Notas, o último presidente eleito do Peru foi Pedro Pablo Kuczynski, no ano de 2016. Em 2018 ele foi derrubado por acusações de corrupção e seu vice Martín Vizcarra, assumiu. Este, por sua vez, foi derrubado pelo parlamento também, por alegação de envolvimento em corrupção, há duas semanas. Assumiu, então, Manuel Merino, que presidia o parlamento. Só que seu governo durou apenas seis dias, por conta da pressão das ruas, e pelo flagrante golpe parlamentar que se conduziu. Francisco Sagasti foi eleito presidente do parlamento e assumiu então interinamente a Presidência da República. Ele tem uma longa jornada, especialmente em organismos técnicos, como o Banco Mundial. Trabalhou também na Cepal e nos governos de Velasco Alvarado e Alan García, como assessor do Ministério de Relações Exteriores.

– A alta comissária da ONU para os Direitos Humanos, a chilena Michele Bachelet, se pronunciou sobre o assassinato de cunho racista de João Alberto Silveira, negro, no Brasil. Ela se referiu ao caso como um “ato deplorável que deve ser condenado por todos”. Ainda segundo ela, Infelizmente, o incidente é muito comum, tendo em vista a violência sofrida por negros no Brasil. Bachelet ainda fez uma chamada ao governo Bolsonaro por ter dito que a gestão “tem especial responsabilidade de reconhecer o problema do racismo persistente no país, pois este é o primeiro passo essencial para resolvê-lo”.

– Na Bolívia, tanto a ex-presidente de fato Jeanine Añez, como ex-ministros, estão tentando fugir do país. Alguns conseguiram, outros não. Añez não conseguiu. Ela tentou embarcar numa aeronave no norte do país, na cidade de Trinidad, em Beni. Seu destino era uma cidade fronteiriça com o Brasil, onde pretendia ingressar. Mas os movimentos sociais e indígenas organizados impediram a decolagem e ela estaria agora em um condomínio de casas na região. Já seu ministro mais forte, Arturo Murillo, conseguiu escapar e se encontra agora nos EUA, segundo a Polícia Nacional da Bolívia.

– O primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, pode ter feito uma viagem secreta à Arábia Saudita no final de semana passado. Ele teria viajado com Yossi Cohen, diretor do Mossad, segundo fontes da imprensa israelense, para se encontrar com o príncipe herdeiro Mohammed bin Salman. O encontro teria se dado no contexto da presença de Mike Pompeo na região e seria uma última tentativa de avançar na negociação de um acordo entre os dois países, na esteira dos acordos já firmados com os Emirados Árabes, o Bahrein e o Sudão.

Publicidade
Avatar de Ana Prestes

Ana Prestes

Socióloga, mestre e doutora em Ciência Política pela UFMG. Autora da tese “Três estrelas do Sul Global: O Fórum Social Mundial em Mumbai, Nairóbi e Belém” e do livro infanto-juvenil “Mirela e o Dia Internacional da Mulher”. É membro do conselho curador da Fundação Maurício Grabois, dirigente nacional do PCdoB e atua profissionalmente como assessora internacional e assessora técnica de comissões na Câmara dos Deputados em Brasília.

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR