Andrea Caldas

política e educação

01 de julho de 2019, 17h14

A coerência das manifestações de domingo

Andrea Caldas: “Temos, hoje, um governo mais fraco do que esperavam seus artífices, mas que ainda conta com sustentação política e econômica”

Foto: George Marques

A pauta das manifestações conservadoras, no ocaso de junho, resumida na defesa de Moro e no combate ao regime público da previdência, desvela algumas importantes congruências, no mar de contradições da base política do bolsonarismo.

Chamada por setores que apoiam o atual governo, contudo mantêm agenda própria – como é o caso do MBL – desfralda, como bandeira central, o ataque ao Estado e seu conjunto de princípios jurídicos e normativos, tal como conhecemos até aqui e que, no Brasil, encontrou sua síntese na Carta de 88.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Não se trata da defesa das “instituições” – tanto assim que o STF, em primeiro lugar, e o Congresso, logo atrás, são os alvos preferenciais de ataque – mas, do enaltecimento de condutas quase “jacobinas” de indivíduos com a missão de salvar o país da sua eterna indolência e corrupção (sic).

Nessa esteira, é possível, ao mesmo tempo, justificar porque o governo do mito decepcionou as expectativas de recuperação econômica e manter a coesão de uma base sedenta por vingança, mais que por justiça.

A comemorada “proatividade” de Moro, eufemismo para desvio da conduta processual, encontra seu par na desconfiança com a pactuação de regras contratuais com o Estado, como é o caso do regime de seguridade social.

Com uma nota acima do tom, mas ainda parte da sinfonia, temos a fala do ministro Paulo Guedes que, ao justificar o acordo desigual Mercosul-União Europeia, defende que o fim das proteções aos nossos produtos industrializados faz parte da estratégia de despertar os instintos de sobrevivência do empresariado nacional.
(Aliás, liberalismo econômico “hard” é isso mesmo. Mercado puro, sangue nos olhos e testosterona na veia).
O grande problema – elidido na fala do posto Ipiranga – é que os leões europeus são mais bem nutridos e ancorados em forte protecionismo do lado de lá.

Destarte, este conjunto de prédicas é dirigido a uma parcela social que acredita que pode sobreviver no mercado, contando com sua autopresumida meritocracia e escudada na sonegação e no desprezo aos direitos sociais.

Se as manifestações foram numericamente menores que as de outrora – e o foram- isto parece sinalizar que há um depuramento na base de apoio.
A recente perda significativa da aprovação do governo ocorre, justamente, na camada social mais vulnerável e desorganizada, que não costuma sair às ruas.

Há, todavia, um núcleo militante, reduzido e atuante que, gradativamente, tem secundarizado a figura de Bolsonaro e a substituído pelo apelo aos cavaleiros do combate à corrupção estatal e – especialmente – ao horror a qualquer vestígio de direito social minimamente igualitário.

Temos, hoje, um governo mais fraco do que esperavam seus artífices, mas que ainda conta com sustentação política e econômica.

Minimizar essa minoria estrutural é um equívoco ingênuo e voluntarista, que não podemos cometer.

“Meu estado de espírito sintetiza esses dois sentimentos e os supera: sou pessimista com a inteligência, mas um otimista com a vontade”. (Antonio Gramsci)

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum