Andrea Caldas

política e educação

09 de abril de 2019, 22h39

Duas verdades e uma mentira na nomeação do novo ministro da Educação

Em nova coluna, Andrea Caldas afirma que “a verdade cristalina é: estão hipotecando o futuro da nação. Lamentável e cinicamente”

Foto: Valter Campanato/Agência Brasil

Sim, não é novidade que representantes da área econômica assumam a pauta da Educação, no Brasil. Paulo Renato e Fernando Haddad são dois dos exemplos, mas não, os únicos.

E não há nenhum problema nisto. Já que Educação e Economia (e não financismo ou financeirizaçao) deveriam caminhar juntas. Um projeto de nação se faz com projeto de desenvolvimento econômico, social e educacional.

A questão é: qual é o projeto de nação e qual projeto de desenvolvimento educacional decorrem dele? Formar uma nação soberana, com produção de ciência e tecnologia? Ou conformar um país produtor de commodities e fornecedor de mão de obra barata?

E sim, há um problema adicional quando ministros vindos da Economia, ou de qualquer área – às vezes da Filosofia! –  ignoram as pesquisas e práticas no terreno da Educação.

Mas, há outra verdade dura.

O atual ministro vem do campo acadêmico (UNIFESP) e reverbera teses que não são excepcionais nas universidades.

A universidade abriga conservadores entre si. Pessoas que contestam a ampliação de vagas, as cotas e inclusive – como vimos, no caso recente da eleição da UNIRIO – gente que professa que estudantes e técnicos devem ter menos voz nos processos internos da universidade. Que a voz deve ser, por excelência, a dos doutores! (A Unirio, infelizmente, não é um caso isolado).

Disto decorre o inegável sofisma da fala do atual ministro e da maioria dos integrantes do governo Bolsonaro.

Não há uma hegemonia do pensamento gramsciano na universidade.

Se consultarmos o google acadêmico, veremos que Paulo Freire é um dos autores mais citados no mundo – e não só no Brasil.

Mas, Gramsci não.

Talvez, tenha tido grande influência, nos anos 80, em áreas bem específicas.

E, como vimos, isto não produziu uma revolução.

A universidade brasileira, ainda que tenha tido alguns avanços do ponto de vista do acesso, ainda continua sendo um lugar reservado a poucos.

Nada a ver com a reforma intelectual e moral proposta por Gramsci, nos anos 30, para elevação de conhecimento de toda a população.

Nada a ver com seu postulado de que o ensino técnico deveria ser incentivado.

Nada a ver com sua utopia de formar “Leonardo da Vinci modernos” na escola básica, onde a arte, o trabalho, a técnica e a cultura fossem a base do currículo e onde “não se hipotecasse o futuro dos garotos/as”.

Isto é Gramsci.

Isto é o que queriam os Pioneiros da Escola Nova – que bebiam da matriz liberal de Dewey – nos anos 30, no Brasil.

Isto é tudo o que ainda não conseguimos fazer e que o novo governo diz refutar.

A verdade cristalina é: estão hipotecando o futuro da nação. Lamentável e cinicamente.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum