Andrea Caldas

política e educação

26 de março de 2018, 11h01

Identitarismo e luta de classes: breves apontamentos

Em seu novo texto, Andrea Caldas analisa: A luta pelo socialismo é a luta pela humanização mais plena. O que significa incorporar os sujeitos que são desprovidos de direitos e os que são vítimas de violências

Nossa batalha precisa acontecer não só no plano do discurso e sim na ação concreta para que a nova sociedade que pretendemos construir seja menos cindida, menos partida, menos particularista e mais universal – Foto: Wikimedia Commons

1 – Há um desconforto crescente com a despolarização ideológica das chamadas lutas identitárias, parte delas capturadas pelo ideário liberal, notadamente o dos EUA, especialmente, por financiadores globais.

2 – Há uma uma importante e necessária crítica dos marxistas de que retirar a relação capital e trabalho da centralidade é preocupante, justamente, em tempos de regressividade de direitos sociais e trabalhistas.

3 – Há uma crítica fundamental de que a ação política mesmo na esquerda reproduz os padrões hetero, macho e branco sem dar espaço para mulheres, LGBT, negros (as), indígenas. Nesta direção várias análises apontam que a abolição do capitalismo não suprime de per se o racismo, o machismo e a homofobia. Ou seja, é preciso buscar a intersetorialidade das pautas.

4 – E há, por fim, o que para mim é elemento mais preocupante: a distorção do conceito do lugar de fala que tem servido para elidir discursos e estabelecer autocracias políticas de grupos.

Minha breve e inicial conclusão: a luta pelo socialismo é a luta pela humanização mais plena.

O que significa incorporar os sujeitos que são desprovidos de direitos e os que são vítimas de violências.

Incorporar não só discursivamente, mas na prática concreta.

Todavia é preciso lembrar que negar o direito de fala é algo que o capitalismo fez.

Assim como negar o espaço material de poder.

Reproduzi-lo com sinal invertido não nos ajudará a chegar em um mundo mais democrático e inclusivo.

Isto vale para a esquerda branca, macho e hetero e vale para os que acham que os grupos identitários absolutos levarão a algum lugar a não ser às bolhas autorreferentes.

Luis Filipe Miguel já escreveu sobre a distorção do conceito de lugar de fala:

“Lugar de fala” virou uma ferramenta de exclusão. “Ter lugar de fala” é um bilhete de acesso, numa leitura literal da metáfora: é ter assento numa assembleia exclusiva. Quem “não tem lugar de fala” não tem assento, logo deve ser expulso, isto é, se calar. Mas a ideia de lugar de fala remetia ao entendimento de que todo discurso é socialmente posicionado. Em oposição a compreensões racionalistas, que julgam que os discursos devem ser avaliados por seus argumentos abstratos, a ideia de lugar de fala indicava que a identidade do falante nunca é irrelevante. As posições socialmente estruturadas geram perspectivas que informam os discursos. Por isso, independentemente de seus valores, ideais ou simpatias, mulheres e homens, negros e brancos, trabalhadores e patrões, gays e heteros, vão manifestar visões diferentes de mundo. Isso é um alerta que visa produzir uma leitura menos ingênua e mais informada de todos os discursos presentes no mundo social. Não é um veto”.

Concluo com Agnes Heller que nos adverte que na sociedade de classes ninguém pode ter a pretensão do discurso universal, porque a existência concreta na sociedade partida não nos permite o acesso à compreensão universal. Não, ninguém pode se arvorar de pitonisa do universal.

É a existência que determina a essência, disse Marx em oposição a Hegel.

Logo, nossa batalha precisa acontecer não só no plano do discurso e sim na ação concreta para que a nova sociedade que pretendemos construir seja menos cindida, menos partida, menos particularista e mais universal.

E só poderemos fazer isto juntos: na unidade como síntese da diversidade.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum