Andrea Caldas

política e educação

07 de julho de 2020, 14h49

O ciclone, a vida e a humanidade

Em novo artigo, Andrea Caldas diz: “O risco que eu enfrento com a tempestade em Porto Alegre é incomensuravelmente menor do que os dos meus semelhantes, que estão nas ruas, nos barracos e nas casas precárias. Eles não escolheram essa vida”

Foto: Agência Brasil/Reprodução

A Defesa Civil nos alerta que teremos um novo ciclone com tempestades, aqui em Porto Alegre. A orientação, compartilhada entre meus grupos de contato, é: carregue seu celular, antecipadamente, retire os aparelhos eletrodomésticos da tomada.

Já fiz tudo isso. Estou segura no meu apartamento, com mantimentos, cobertas e roupas. E as pessoas em situação de rua?

Não é proselitismo, não. Pode acreditar. Não é demagogia. É inevitável para mim.

Eu aprendi, em casa, desde cedo, a lembrar que minha situação de conforto não é universal. E nunca fomos ricos.

Quando a gente aprende a pensar assim, não tem muito como voltar atrás.

Cada comida desperdiçada, cada espaço atulhado no guarda-roupa, cada roupa esquecida em um canto, cada criança que a gente encontra na rua, cada pessoa sem comida não nos faz achar que essas pessoas escolheram esta vida.
Nem que fomos escolhidos por sermos os melhores e os mais merecedores (e há gente que responsabilize algum Deus por esta possível seleção entre vida e morte!).

Essas situações cotidianas nos fazem lembrar que o mundo é desigual e injusto. Que temos condições materiais – históricas e presentes – de prover a vida em sua plenitude para todos os seres humanos que habitam este planeta.

A humanidade conquistou, através dos avanços científicos e tecnológicos, a capacidade de garantir sustento e condições de vida a todos.

Há cálculos precisos nos dizendo que se todos nós trabalhássemos em torno de cinco horas, ou menos, haveria emprego para todos e capacidade produtiva para o mundo inteiro.

Por que isso não ocorre?

Porque a variável “mais valia” – aquela parte da rentabilidade que não é devolvida ao trabalhador, e que vai além dos custos da produção – justifica que esta equação entre vida e produtividade nunca feche.

Não trabalhamos para viver. Vivemos para manter um determinado tipo de produção. Que é injusta e desigual. Que se baseia na apropriação privada dos frutos do trabalho social.

Este sistema de produção não é o único possível. E, por consequência, a desigualdade não é um mal necessário.

Por isso, eu sei – e não me esqueço – que o risco que eu enfrento com a tempestade em Porto Alegre é incomensuravelmente menor do que os dos meus semelhantes, que estão nas ruas, nos barracos e nas casas precárias.

Eles não escolheram essa vida. O sistema determinou e os condenou.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum