Benedita da Silva

04 de outubro de 2019, 16h43

A dignidade de Lula assusta seus algozes!

Em artigo, a deputada federal Benedita da Silva (PT) diz que a dignidade demonstrada por Lula ressoa como algo incompreensível porque é um valor que, por falta de uso, atrofiou-se no meio político e nas instituições da República brasileira

Foto: Reprodução/Barão de Itararé

Ao afirmar que não “troca sua dignidade pela liberdade”, Lula não disse uma mera frase de efeito. Ele repetiu o que tinha dito no ano passado, quando fizeram chegar ao seu conhecimento a proposta indecorosa de ganhar a liberdade em troca da desistência de disputar a presidência da República.

Quando jogou sua dignidade no rosto dos procuradores da Lava Jato, eles ficaram sem reação, pois não estão acostumados a lidar com um valor tão forte como a dignidade de Lula.

Para o ex-presidente, a decisão de liberdade condicional não tem nada de magnânimo, pois visa apenas aliviar a pressão contra Sérgio Moro, denunciado de suspeição no julgamento do ex-presidente, como está mostrando o Intercept.

A dignidade demonstrada por Lula ressoa como algo incompreensível porque é um valor que, por falta de uso, atrofiou-se no meio político e nas instituições da República brasileira.

Por isso a grande mídia ataca, dizendo que ele está fingindo dignidade e que faz isso calculadamente.

Os procuradores da Lava Jato, vendo a sua proposta rejeitada, vingam-se de Lula impondo uma multa de quase 5 milhões de reais.

Estão em desespero, porque a narrativa da Lava Jato está indo por “água abaixo”. Então, retiram em seguida essa multa indevida.

O fato é que a realidade está mostrando que nenhuma força reacionária consegue dobrar a força moral de Lula. Ele fez de sua cela a trincheira da luta para provar sua inocência e defender sua honra.

Por isso não apenas Moro e Dallagnol têm a certeza de que Lula é inocente, mas igualmente todos nós do campo da esquerda, das forças progressistas e grande parte do povo brasileiro, que viveu o seu governo de inclusão social. E, agora, com as revelações do Intercept e do livro do ex-procurador-geral da República, Rodrigo Janot, também vários setores do centro-direita se convencem gradualmente de sua inocência e de que a Lava Jato foi um processo judicial ilegal e partidário.

A decisão inconteste do Supremo, por 7 a 4, de que o delatado tem de falar por último, algo corriqueiro em qualquer país onde vigore o Estado de Direito, representou a primeira grande derrota dos métodos autoritários de Moro e sua Lava Jato.

Como se isso não bastasse, o ministro Gilmar Mendes ainda denunciou no plenário do STF o uso da tortura pela Lava Jato, por meio das prisões provisórias por tempo indeterminado.

Diante dessa avalanche de informações e do clamor pelo Estado de Direito, o campo golpista da direita e extrema direita se unem novamente para atacar a mínima possibilidade da injusta sentença de Lula ser anulada pelo STF.

A direita, que liderou o golpe do impeachment contra a presidenta Dilma, ataca Bolsonaro porque o acha sem modos. Caso ele fosse menos violento e mais educado, não teria problema, já que deixa Guedes entregar a economia do país para os banqueiros e as corporações internacionais.

Mas com Lula não tem acordo. E com ele a divergência não é com seus modos, que são civilizados. A divergência inconciliável das elites conservadores é com os compromissos que o ex-presidente tem com a defesa do povo brasileiro e com a soberania nacional.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum