Carlos Minc

23 de março de 2018, 14h03

Retrocesso ambiental: a natureza e os povos da floresta estão fortemente ameaçados

Durante o ilegítimo governo Temer não foram criados ou ampliados Parques Nacionais ou Terras Indígenas, escreve Carlos Minc, novo colunista da Revista Fórum

A bancada ruralista (BR), mineradoras, madeireiros atuam para enfraquecer o licenciamento ambiental e reduzir áreas de Parques Nacionais (PN) e Terras Indígenas (TI). Apresentaram muitos projetos de lei (PL), Emendas Constitucionais ( PEC) e decretos que têm avançado neste sentido. Não é novidade, mas com um governo ilegítimo e fraco estas ações ganham força.

O licenciamento ambiental é um importante instrumento de defesa dos ecossistemas e da saúde da população. Consiste em estudos, audiências públicas, exigência de tecnologia mais limpa, condicionantes, investimentos em saneamento e habitação. É certo que poderemos agilizar, reduzir burocracias e prazos, sem afrouxar o rigor. Mas com este argumento o que as bancadas conservadoras visam é praticamente a anulação destes procedimentos. O que significa grande ameaça aos rios, florestas, índios, seringueiros, pulmões e qualidade de vida.

Outros PLs praticamente impedem criar ou ampliar Parques Nacionais e TIs – ao definir que somente o Congresso Nacional terá esta prerrogativa. Este, dominado pela BR e seus aliados reacionários nunca permitirá isto.

No nosso período à frente do Ministério do Meio Ambiente (2008/2010) criamos ou ampliamos Parques e Reservas Extrativistas em área de 5,2 milhões de ha; e apoiamos o Ministério da Justiça e a Funai na demarcação e homologação de terras indígenas em área de 6,3 milhões de ha. Durante o ilegítimo governo Temer não foram criados ou ampliados PNs ou TIs. Outros PLs, cuja tramitação avança, visam reduzir áreas de PNs e TIs para ampliar pecuária e mineração. A consequência será mutilar corredores de Biodiversidade e inviabilizar a sobrevivência de povos da floresta.

Mas têm havido resistência de ecologistas, movimentos sociais e populares com apoio de artistas e da opinião pública, inclusive internacional. Assim, impusemos o recuo do vergonhoso decreto de Temer que flexibilizava as regras e a fiscalização do trabalho escravo – legitimando esta vil herança do escravismo colonial. Muitas manifestações, artigos, shows, ação positiva do Ministério Público do Trabalho, e este decreto foi sepultado. O mesmo sucedeu com a forte mobilização contra o Decreto da Renca – que permitiria a exploração mineral por empresas nacionais e multinacionais em imensa e estratégica área de proteção ambiental na Amazônia- afetando seriamente ecossistemas e povos indígenas.

Isto mostra que, apesar da ofensiva obscurantista e predatória, e da relativa pulverização dos movimentos sociais, é possível resistir e vencer! Devemos aprofundar esta via de integração das resistências e nos capacitarmos para as próximas batalhas que travaremos.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum