Cid Benjamin

21 de agosto de 2019, 14h55

A sociedade está doente

Cid Benjamin: “Que o governador agisse assim, não foi surpresa. Que não houvesse uma dura reação da sociedade, é preocupante. Mais grave do que um governador psicopata é termos uma sociedade conivente com a psicopatia”

Foto: Reprodução/TV Globo

O que manda o bom senso quando ocorre um sequestro como o de terça-feira (20) num ônibus na Ponte Rio-Niterói? Negociar, negociar e negociar. Cansar o sequestrador, mostrando-lhe que o mais sensato é a rendição. Para tal, múltiplas iniciativas podem ser tomadas. Convocar psicólogos e especialistas em negociação, levar a família e pessoas do entorno do sequestrador para auxiliar no convencimento etc. E ter paciência, muita paciência.

Claro, se há ataque a algum refém ou algum gesto do sequestrador que coloque em risco imediato a vida de alguém, justifica-se que seja “abatido”, para usar uma expressão ao gosto do governador Wilson Witzel. Mas o fato de o sequestrador ter amarrado as mãos dos reféns e estar com gasolina não configura essa situação.

O Facebook silenciou a Fórum. Censura? Clique aqui e nos ajude a lutar contra isso

Não se configurou risco mediato aos reféns. O sequestrador chegou a sair do ônibus e ficar a poucos metros dos policiais, conversando com eles.

Por isso, erra quem afirma que a polícia agiu corretamente ao matá-lo. Aliás, não foram tiros característicos daqueles disparados por um sniper. O sequestrador recebeu seis disparos, um deles na perna. Em geral, o sniper, quando entra em ação, faz um único disparo, certeiro, imobilizando o alvo.

Assim, ao contrário do que tem sido dito, não foi uma ação correta da polícia, do ponto de vista profissional.

E pergunto eu: a polícia não dispõe de armas que disparam projéteis com tranquilizantes, semelhantes aos usados por alguns caçadores? Se não tem, deve providenciá-las.

A ação policial na ponte foi algo bem ao estilo cowboy do governador.

E, depois, o comportamento de Witzel, foi chocante.

Morto o sequestrador e encerrado o episódio, o governador entra num helicóptero, vai ao local acompanhado de assessores que filmavam sua performance e sai dando pulos e socos no ar, como fazia Pelé ao comemorar um gol.

Em seguida, anunciou a promoção por bravura (!!!!) dos policiais envolvidos na operação. O que é isso se não o estímulo à letalidade das ações policiais?

É espantoso como as críticas a esse comportamento doentio ficaram restritas às redes sociais.

Que o governador agisse assim, não foi surpresa. Já é conhecido o seu estilo.

Que não houvesse uma dura reação da sociedade, é preocupante.

Mais grave do que um governador psicopata é termos uma sociedade conivente com a psicopatia.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum