Cid Benjamin

21 de agosto de 2019, 14h55

A sociedade está doente

Cid Benjamin: “Que o governador agisse assim, não foi surpresa. Que não houvesse uma dura reação da sociedade, é preocupante. Mais grave do que um governador psicopata é termos uma sociedade conivente com a psicopatia”

Foto: Reprodução/TV Globo

O que manda o bom senso quando ocorre um sequestro como o de terça-feira (20) num ônibus na Ponte Rio-Niterói? Negociar, negociar e negociar. Cansar o sequestrador, mostrando-lhe que o mais sensato é a rendição. Para tal, múltiplas iniciativas podem ser tomadas. Convocar psicólogos e especialistas em negociação, levar a família e pessoas do entorno do sequestrador para auxiliar no convencimento etc. E ter paciência, muita paciência.

Claro, se há ataque a algum refém ou algum gesto do sequestrador que coloque em risco imediato a vida de alguém, justifica-se que seja “abatido”, para usar uma expressão ao gosto do governador Wilson Witzel. Mas o fato de o sequestrador ter amarrado as mãos dos reféns e estar com gasolina não configura essa situação.

O Facebook silenciou a Fórum. Censura? Clique aqui e nos ajude a lutar contra isso

Não se configurou risco mediato aos reféns. O sequestrador chegou a sair do ônibus e ficar a poucos metros dos policiais, conversando com eles.

Por isso, erra quem afirma que a polícia agiu corretamente ao matá-lo. Aliás, não foram tiros característicos daqueles disparados por um sniper. O sequestrador recebeu seis disparos, um deles na perna. Em geral, o sniper, quando entra em ação, faz um único disparo, certeiro, imobilizando o alvo.

Assim, ao contrário do que tem sido dito, não foi uma ação correta da polícia, do ponto de vista profissional.

E pergunto eu: a polícia não dispõe de armas que disparam projéteis com tranquilizantes, semelhantes aos usados por alguns caçadores? Se não tem, deve providenciá-las.

A ação policial na ponte foi algo bem ao estilo cowboy do governador.

E, depois, o comportamento de Witzel, foi chocante.

Morto o sequestrador e encerrado o episódio, o governador entra num helicóptero, vai ao local acompanhado de assessores que filmavam sua performance e sai dando pulos e socos no ar, como fazia Pelé ao comemorar um gol.

Em seguida, anunciou a promoção por bravura (!!!!) dos policiais envolvidos na operação. O que é isso se não o estímulo à letalidade das ações policiais?

É espantoso como as críticas a esse comportamento doentio ficaram restritas às redes sociais.

Que o governador agisse assim, não foi surpresa. Já é conhecido o seu estilo.

Que não houvesse uma dura reação da sociedade, é preocupante.

Mais grave do que um governador psicopata é termos uma sociedade conivente com a psicopatia.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum