Cid Benjamin

24 de março de 2019, 12h19

O assassinato de Marielle: o que pode estar por trás

Em nova coluna, Cid Benjamin afirma que “as milícias no Rio já passaram de um domínio territorial localizado para voos mais altos e diversificados, fora de suas regiões de influência originais. Tornaram-se quadrilhas de pistoleiros de aluguel”

Foto: Reprodução

Reportagem publicada no “Estado de S.Paulo” em 20 de março pode lançar novas luzes sobre o assassinato da vereadora Marielle Franco (PSOL) e de seu motorista Anderson Gomes. Até agora conhecem-se apenas os dois prováveis executores. Falta o mais importante: a identificação dos mandantes, as razões do crime e o conhecimento de suas vinculações com outras organizações criminosas e com o mundo da política.

Embora com quase toda a certeza se possa afirmar que os assassinos de Marielle sejam milicianos, em sua ação como vereadora ela não incomodou as milícias de forma significativa. Muito atuante na denúncia da violência policial contra os pobres, Marielle não tinha atuação marcante em áreas dominadas por milícias. Tampouco a sua ação no parlamento fazia supor que pudesse ser alvo dos paramilitares, como foi o caso, por exemplo, do hoje deputado federal Marcelo Freixo (PSOL), que se tornou um alvo preferencial por ter sido o criador e a principal figura da CPI das Milícias na Assembleia Legislativa do Rio em 2008. Por conta disso, Freixo é obrigado, até hoje, mais de dez anos depois, a viver protegido por segurança armada.

É preciso saber quem foi o mandante da execução de Marielle e qual o motivo da execução. De início, pode ser descartada uma hipótese levantada pela polícia: a de que o crime teria sido motivado por ódio individual dos assassinos a esquerdistas, mulheres, negros ou homossexuais. Aliás, esta hipótese é cômoda para quem encomendou a execução. Crime de ódio é crime isolado, sem mandantes.

Assim, a investigação deve, agora, levar aos mandantes da morte de Marielle e começar a desvendar a infinidade de crimes cometidos por milicianos (entre eles a origem e o destino dos 117 fuzis encontrados com um parceiro do principal acusado, o ex-PM Ronnie Lessa).

Investigações sobre Lessa mostraram que ele fizera um levantamento da vida de outros possíveis alvos, alguns dos quais tiveram seus nomes divulgados: Freixo e alguns de seus parentes; o deputado estadual Flávio Serafini (PSol); a socióloga Julita Lemgruber, coordenadora do CESeC (Centro de Estudos de Segurança e Cidadania) da Universidade Cândido Mendes; a antropóloga Alba Zaluar, coordenadora do Núcleo de Pesquisas das Violências (Nupevi) da Universidade do Rio de Janeiro (Uerj); duas ativistas da ONG Redes da Maré, uma delas Eliane Souza Silva; uma pesquisadora da Anistia Internacional; e uma ativista da ONG Mulheres.

Além desses nomes, todos com alguma atuação política pública, teve também a vida investigada pelo matador o professor Pedro Mara, diretor do Ciep 210, em Belford Roxo, na Baixada Fluminense. A diferença, neste caso, o alvo não tem essa atuação. No entanto, teve uma discussão com Flávio, um dos filhos do presidente Jair Bolsonaro, tornando-se seu desafeto.

Do dito acima, podem-se tirar duas conclusões.

A primeira, desconfortável para a família Bolsonaro, é que surge mais um indicador da proximidade dela com paramilitares. É grave que um desafeto pessoal de um dos filhos do presidente esteja na mira de um matador profissional, ligado às milícias. A que isso se deve? Será que, pela desavença com o 01 (ou o 02? Ou o 03? Não sei bem a que filho de Bolsonaro esses números se referem) ele entrou na relação dos investigados pelo miliciano? Isso seria gravíssimo.

A segunda conclusão a que se pode chegar é que a morte de Marielle não seria um atentado isolado. Ela fazia parte de uma lista de alvos. Por alguma razão, teria sido a primeira a ser eliminada.

E aqui surge uma hipótese extremamente preocupante: a de que as milícias estejam se conformando num embrião de algo semelhante à Triple A (Aliança Anticomunista Argentina), grupo paramilitar que eliminou ativistas de esquerda naquele país vizinho. Segundo relatórios de entidades de defesa dos direitos humanos, a organização criminosa assassinou 1.122 pessoas, entre militantes, artistas, parlamentares, estudantes, historiadores, juízes e outros funcionários públicos.

Começando a operar em 1973, quando do retorno do presidente Juan Domingo Perón ao país, a Triple A esteve em franca atividade até a derrubada de Isabelita Perón em 1976, por um golpe de estado instaurou uma sangrenta ditadura militar. A partir daí as próprias Forças Armadas se encarregaram do extermínio de militantes e simpatizantes da esquerda.

O exposto acima é apenas uma hipótese. Seja ela confirmada ou não, uma tarefa se impõe: combater de forma radical as milícias, tratando de eliminá-la o mais rapidamente possível. E, além disso, claro, desvendar suas ligações no mundo da política e condenar os responsáveis pelos crimes cometidos.

As milícias no Rio já passaram de um domínio territorial localizado para voos mais altos e diversificados, fora de suas regiões de influência originais. Tornaram-se quadrilhas de pistoleiros de aluguel, sem prejuízo de outras atividades criminosas que cometem em suas áreas de origem.

Elas têm experiência militar, acesso a armamento de qualidade e conivência de determinados setores da polícia. Sabe-se, por exemplo, que milicianos foram contratados para intervir, como matadores de aluguel, nas disputas do jogo do bicho. Outras mortes fora das áreas de origem teriam sido também de responsabilidade desses paramilitares. E há registros da existência de um tal Escritório do Crime, chefiado por ex-PMs milicianos com relações próximas à família Bolsonaro.

Vamos ser claros: no universo do chamado crime organizado (estamos deixando de lado os crimes cometidos por gente de paletó e gravata), as milícias são a principal ameaça.

Daí ser preocupante que no pacote de combate à violência apresentado pelo ministro Sérgio Moro, em fevereiro, o combate às milícias não tivesse lugar de destaque. É difícil compreender a omissão.

Mas, pensando bem, levando-se em conta certas ligações de milicianos com gente do poder, não é tão difícil compreender a omissão.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum