Daniela Lima

feminismo e política

28 de março de 2020, 20h58

Bolsonarismo e as políticas de morte da Covid-19

Em novo artigo, Daniela Lima diz que Bolsonaro vem se tornando o reflexo de seu histórico de atleta, cujo ponto alto, nos últimos anos, foi fazer flexões com um dos joelhos apoiado no chão

Foto: Reprodução

“Corpo saudável é corpo combatente”. Em 1933, Benito Mussolini falava de um dos princípios fundamentais do fascismo: a “comunhão” entre matéria e espírito, entre “cérebro e braço”, entre o corpo e o Estado, representada pelas patéticas demonstrações de vitalidade e força do próprio Duce. A ideia supremacista de um “corpo fascista” adquiriu centralidade no projeto de formação de um “novo homem”; e este corpo – branco e masculino – seria considerado o corpo idealmente saudável.

Com a ascensão da extrema direita na última década, analogias com o fascismo se tornaram recorrentes. No Brasil, tais analogias tomaram contornos especialmente caricatos, quando o presidente da República exibiu a cicatriz de uma cirurgia bem-sucedida, fez flexões desajeitas e relembrou “seu histórico de atleta”. O exibicionismo era sempre acompanhado de discursos que pretendiam afirmar sua superioridade sobre outros grupos: ter uma filha mulher era “dar uma fraquejada”, um filho gay seria curado “com porrada”, quilombolas seriam preguiçosos, cujo peso deveria ser medido em arrobas, como gado.

Inicialmente, o discurso supremacista aparecia como uma piada ingênua, como aquelas que os tios inconvenientes repetem em reuniões familiares. Contudo, o riso se tornava uma forma de testar os limites práticos de um mecanismo de desumanização.

Aqueles que, antes, eram objeto de riso, se tornaram vítimas de uma política de morte: idosos, jovens imunodeprimidos ou com doenças crônicas, pessoas negras e pobres consideradas frágeis para o trabalho, são alvo de um discurso que pretende estabelecer uma cisão biopolítica entre as vidas que importam e as vidas que não importam.

Diante da ameaça da Covid-19, o presidente diz, sem nenhum pesar, que algumas dessas pessoas vão morrer, como se as mortes de uns fossem necessárias para afirmar a vida de outros. Com efeito, não há nenhuma demonstração de solidariedade para com as famílias das vítimas da doença – afinal, as vidas que não importam não são dignas de luto.

O filósofo Michel Foucault, no curso Em defesa da sociedade, aponta que essa perversa hierarquia entre as vidas assume um caráter biológico no contexto do biopoder: “A morte do outro […] é o que vai deixar a vida em geral mais sadia”. Essa vida sadia, supostamente imune aos males que acometem corpos fragilizados, é representada pela figura do presidente, que, com seu “histórico de atleta”, passaria incólume por uma doença que já matou milhares de pessoas em diversos países.

Nesse ponto, o presidente propõe um macabro teste de vitalidade, ao convocar a população para voltar ao trabalho. Contudo, enquanto os círculos mais próximos do presidente se tornaram um dos epicentros da pandemia em Brasília, a população segue batendo panelas contra a convocação e os governadores se recusam a retirar as medidas de contenção da doença. Por fim, Bolsonaro vem se tornando o reflexo de seu histórico de atleta, cujo ponto alto, nos últimos anos, foi fazer flexões com um dos joelhos apoiado no chão.

Colaborou Gustavo Simi

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum