Daniela Lima

feminismo e política

15 de outubro de 2018, 20h50

Primeiro levarão os professores

Daniela Lima: “O fascismo não é um parêntese, uma regressão inexplicável ou uma exceção à regra do progresso. O fascismo é a regra a ser combatida e seu inimigo irredutível é o pensamento crítico”

Foto: Ricardo Stuckert

No último domingo, Jair Bolsonaro fez uma transmissão ao vivo em suas redes sociais, cujo principal objetivo era fazer um discurso denuncista sobre a pesquisa acadêmica de Fernando Haddad. O candidato da extrema direita leu repetidas vezes o título da dissertação de mestrado de Haddad: Caráter socioeconômico do sistema soviético. Em seu macartismo à brasileira, apontava para uma folha de papel e dizia: “Olha pelo quê ele [Haddad] se interessa”.

A denúncia passou então para a tese de doutorado de Haddad, repetindo seu título: De Marx a Habermas: o materialismo histórico e seu paradigma adequado. Enfatizando que o orientador da tese foi o professor Paulo Arantes, “filósofo e importante pensador marxista brasileiro”. Olhando para a câmera, Bolsonaro perguntava: “Tem gente que acredita que esse cara [Haddad] é democrata?”.

Seu argumento falacioso (e extremamente perigoso) é que o tema da pesquisa acadêmica determinaria se um pesquisador é ou não democrata. A consequência material do discurso macartista de Bolsonaro, além da Lei da Mordaça, é o corte drástico no financiamento de pesquisas no campo das ciências humanas. O consultor da área de educação do PSL, Stavros Xanthopoylos, disse que grande parte dessas pesquisas não tem “significância nenhuma para o desenvolvimento do país”.

Não causa espanto que esse discurso se mostre possível no século XXI e que tenha grande adesão dos eleitores da extrema direita – só na página de Bolsonaro no Facebook, foram mais de trezentas mil curtidas. Afinal, como nos alertou Walter Benjamin, o fascismo não é um parêntese, uma regressão inexplicável ou uma exceção à regra do progresso. O fascismo é a regra a ser combatida e seu inimigo irredutível é o pensamento crítico. Não por acaso, os principais alvos do obscurantismo político são professores e pesquisadores.

Como diria Paulo Arantes, as ciências humanas são trincheiras contra o avanço do fascismo.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum