Colunistas

22 de novembro de 2018, 16h23

Dia da Consciência Negra: esquerda continua errando

Dennis de Oliveira: “Não se trata de dialogar com a periferia, somente em tempos de campanha. É preciso se reconstruir como força política a partir da periferia, potencializando as lideranças que emergem destes movimentos”

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

No dia 20 de novembro, ocorreu a XV Marcha da Consciência Negra em São Paulo. Nas principais cidades do país, o movimento negro – como já é tradição – celebra o dia da consciência negra, com manifestações de rua lembrando a história de luta do povo negro contra o racismo e reivindicando políticas públicas de combate ao racismo.

Neste ano, o lema da marcha em São Paulo foi: “Em defesa da democracia, dos direitos e contra o fascismo”. Um lema conectado à conjuntura atual em que os ataques aos direitos sociais e democráticos se intensificaram fortalecidos pela eleição recente do candidato de extrema direita à presidência da República.

Fórum precisa ter um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Desde o golpe de agosto de 2016, a população negra tem sido a principal vítima dos retrocessos políticos. Os cortes nos programas sociais impostos pela emenda constitucional 55, a crise econômica que tem agravado o desemprego e a tendência a solucionar o problema social aumentando a violência de Estado atingem, diretamente, os moradores dos bairros periféricos e todos aqueles que estão na base da pirâmide social. E estes, não por acaso, são na sua esmagadora maioria, mulheres negras e homens negros.

Veja também:  Globo faz coro com bolsonaristas e Lava Jato nas críticas à lei sobre abuso de autoridade

Outro duro golpe que atingiu principalmente mulheres negras do trabalho doméstico foi a aprovação da reforma trabalhista, que praticamente acabou com a CLT. Isto pouco tempo depois do movimento negro ter conquistado a extensão dos direitos trabalhistas para as trabalhadoras domésticas.

Este é o cenário. E que tende a piorar com a eleição de um presidente que já afirmou diversas vezes que é contra qualquer política de ação afirmativa, que quilombolas são “vagabundos”, que negros e negras se pesam por arrobas (como bichos) e que falar em racismo é “coitadismo e vitimismo”.

Projetos defendidos pelo presidente eleito, como o “Escola sem Partido”, atingirão diretamente conquistas recentes como as políticas para educação das relações étnicorraciais.

E também a defesa enfática de intensificação da repressão policial – vários discursos de correligionários seus de que a polícia tem que atirar para matar – aumentará ainda mais o genocídio da população negra nas periferias.

Estamos falando do segmento social que será mais atingido pela extrema direita.

Aí é estranho que na XV Marcha da Consciência Negra, realizada no dia 20 de novembro em São Paulo, nenhum parlamentar ou presidente dos partidos progressistas estivessem presentes.

Veja também:  Bolsonaro acusa ONGs de provocarem queimadas na Amazônia para atingir seu governo

Mano Brown, em um vídeo que circulou na internet amplamente um pouco antes do segundo turno das eleições, alertou que se a esquerda não dialogasse com a periferia iria ser derrotada.

Parece que o recado não foi ouvido ou compreendido.

Parece haver um erro de leitura dos partidos progressistas. Não se trata de dialogar com a periferia, somente em tempos de campanha. É preciso se reconstruir como força política a partir da periferia, potencializando as lideranças que emergem destes movimentos.

Mulheres negras, homens negros, jovens da periferia resistem buscando a sua sobrevivência. E correm para os espaços que os acolhem e por isto muitos vão para as organizações religiosas neopentecostais. Não se trata de “alienação” ou “falta de consciência”. Mas de busca de um caminho para sobreviver no inferno de violência que são as periferias.

Ouvir estes setores, fortalecer os movimentos que mais dialogam com estes segmentos, criar espaços de representação é fundamental.

A luta contra o genocídio da população negra não é uma bandeira setorial. Ela é estrutural e estratégica. É a base para se entender por que a democracia tem fragilidades. O genocídio é a forma que as classes dominantes encontraram para ajustar o modelo de superexploração do trabalho, base da dependência capitalista, como afirmam os pensadores Ruy Marini e Theotonio dos Santos.

Veja também:  Cartunista Art Spiegelman é censurado pela Marvel após críticas a Trump

Por isto, este episódio do 20 de novembro mostrou que ainda há erros graves de leitura e concepção no campo progressista que precisam ser urgentemente corrigidos. Caso contrário, a resistência ao fascismo não ocorrerá.

Agora que você chegou ao final desse texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum