Colunistas

04 de janeiro de 2018, 19h07

É hora de ousar

Em novo artigo, o presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros, fala sobre as especulações sobre uma possível candidatura de Guilherme Boulos à presidência. Leia em sua coluna na Fórum 

Por Juliano Medeiros*

Pode ser inconveniente para as esquerdas que Guilherme Boulos, coordenador do MTST, ceda à pressão de diferentes setores sociais e aceite o convite do PSOL para ser candidato à Presidência da República nas próximas eleições? Esse é o tema de artigo divulgado há poucos dias pelo professor Aldo Fornazieri, um dos mais respeitados intelectuais da esquerda brasileira na atualidade. Além da qualidade dos argumentos, o ensaio do professor da FESP coloca a questão em termos transparentes e honestos, fugindo das simplificações que envolvem o tema da “unidade das esquerdas”. Por essas e outras razões, é válido dialogar com suas preocupações e apontar os limites de sua análise, propondo uma conclusão oposta à que ele sugere.

Ajude a Fórum a fazer a cobertura do julgamento do Lula. Clique aqui e saiba mais.

Segundo Fornazieri, o problema da candidatura de Boulos reside em dois aspectos principais. O primeiro, diz respeito ao tempo. Para ele, a liderança de Boulos “ainda está em fase de construção e não alcançou aquela dimensão nacional e popular do grande líder”. Ele destaca o líder do MTST como parte das poucas promessas do campo progressista, entre as quais também inclui Ciro Gomes (PDT) e Fernando Haddad (PT). Para ele, enquanto Lula tiver fôlego político e eleitoral, “esses líderes devem ser preservados e devem preservar-se, construindo e fortalecendo com sabedoria as suas trajetórias e as suas lideranças”.

Sem dúvida é um argumento honesto. A possibilidade de “queimar a largada” e expor negativamente uma liderança popular como Boulos é uma preocupação de todos e todas que apoiam a ideia da sua candidatura. Não por outra razão os debates seguem em curso no MTST, no PSOL e junto de outros movimentos sociais, artistas e intelectuais que simpatizam com sua candidatura. Definitivamente, não é uma decisão fácil. Passar da luta social à luta eleitoral é sempre um movimento complexo, sobretudo no contexto de indefinições da atual conjuntura.

O segundo aspecto levantado por Fornazieri diz respeito à regressão do enraizamento das esquerdas e seus valores no seio do povo. Segundo Fornazieri, “sendo o Brasil um país brutalmente desigual, com elevado índice de pobreza e com vastas áreas de carecimentos, os partidos, candidatos e programas orientados para a solução desses problemas tendem a ter um bom desempenho eleitoral. Mas como os partidos e sindicatos são burocráticos e superestruturais, com frágil inserção e organização de base, a sociedade civil se mostra débil na resistência aos golpes”.

A solução para isso seria um investimento no trabalho de base, onde o MTST cumpriria um papel fundamental no novo ciclo histórico. Para o professor, “deslocar, neste momento, a sua principal liderança para o teatro institucional poderá enfraquecer esta perspectiva promissora de criação de poderosas organizações sociais, como instrumentos de mudança de correlação de força, de construção de uma nova hegemonia e de mudança social e política”. Embora considere uma visão um tanto idealista dos movimentos sociais, que subestima o papel dos sindicatos e partidos políticos, não posso deixar de considerar uma preocupação justa. Afinal, ao se institucionalizar, parte das esquerdas perdeu contato com o que havia de organização popular ou, pior, estimulou esse contato tão somente na perspectiva da cooptação e do aparelhamento.

Considero ambos os argumentos – exposição precoce de uma nova liderança e necessidade de ampliação do trabalho de base – bastante razoáveis para justificar uma posição contrária a uma eventual candidatura de Boulos. Mas os considero insuficientes. Isso porque, como assinala Fornazieri ao longo de seu ensaio, não estamos falando de 2018, mas do futuro. A questão é que o futuro passa por 2018 e o que as esquerdas farão dele. Seu raciocínio, como fica demonstrado ao final do ensaio, conclui que o melhor seria uma frente democrática em torno de Lula. Na prática, significaria definir antecipadamente que o próximo ciclo político das esquerdas, ainda que sem Lula, seguiria marcado pela hegemonia do lulismo.

Ninguém diverge (nem o professor Fornazieri) que estamos vivendo uma transição para um ciclo “pós-Lula” na esquerda brasileira. No entanto, o caráter desse novo ciclo pode expressar a afirmação da hegemonia lulista – alianças com frações da burguesia, manutenção do modelo econômico primário-exportador, reformismo de baixa intensidade, mínima capacidade de promover enfrentamentos estratégicos, como a democratização das comunicações ou do judiciário – ou sua superação, apontando um novo programa e uma nova estratégia política. Isso é o que a análise de Fornazieri ignora: há uma disputa de projetos no interior das esquerdas.

Ao apontar Ciro Gomes, Fernando Haddad e Boulos como potenciais lideranças de um novo ciclo nas esquerdas, fica patente que as diferenças estratégicas e programáticas que os separam estão em segundo plano para Fornazieri. É claro que esse novo ciclo não pode ser marcado pelo antipetismo ou pela negação dos avanços conquistados nos governos liderados por Lula e Dilma. Ao se somarem à luta contra o impeachment de Dilma, partidos e setores sociais críticos ao “pacto de classes” do lulismo, como o PSOL, demonstraram generosidade e responsabilidade histórica. Mas isso não pode ser confundido com unidade estratégica em torno de um programa.

É aqui que reside o tema mais importante por trás da possibilidade da candidatura de Boulos: ele é hoje o único disposto a representar um programa e uma estratégia que apontem como horizonte algo superior ao lulismo, sem deixar de considerar os importantes avanços que o ciclo reformista proporcionou ao povo brasileiro. As demais candidaturas hoje colocadas no campo das esquerdas (Ciro, Manuela, Lula ou outro nome do PT) não querem – e talvez, não possam – ir além de uma proposta neodesenvolvimentista. Não é de espantar que hoje o único partido disposto a travar o debate aberto em torno de uma nova estratégia política é o PSOL, exatamente por não ter feito parte da coalizão em torno da qual o lulismo se desenvolveu como projeto de governo. É pouco para o tamanho do desafio? Sem dúvida. Mas em nome do argumento da “unidade das esquerdas” o que tem se buscado, muitas vezes, é interditar o surgimento de alternativas e, assim, perpetuar as mesmas práticas e o mesmo programa que mostraram seus limites com o impeachment de Dilma. Conheço as críticas do professor Aldo Fornazieri a essas práticas e sei que esse não é o seu caso.

Por fim, é justo se preocupar com o tempo dos processos, especialmente tendo em vista a preservação de jovens lideranças. Mas também é necessário aproveitar as oportunidades que a história oferece. Se estamos de acordo que 2018 marca o início de um novo ciclo para as esquerdas no Brasil, não peçam que assistamos ao jogo da arquibancada. Há uma nova geração de lutadores e lutadoras que anseiam por uma alternativa, pessoas que foram às ruas em 2016 contra o golpe mas não se veem representadas nos mesmos partidos e nas mesmas propostas que hegemonizaram a esquerda até aqui. Com paciência e responsabilidade, mas sem tibieza, devemos apostar na formação de um novo campo político, que supere as alianças e o programa do “ganha-ganha”. Esse campo precisa de uma candidatura no primeiro turno de 2018. A hora é da luta aberta contra a elite golpista que governa esse país. Sem concessões, sem acordos, sem tréguas. Um novo tempo para as esquerdas. E a cara desse novo tempo tem nome e sobrenome: Guilherme Boulos.

*Juliano Medeiros é graduado e mestre em História pela Universidade de Brasília (UnB) e doutorando em Ciência Política pela mesma instituição. Foi dirigente da União Nacional dos Estudantes (UNE) e coordenou a Liderança do Partido Socialismo e Liberdade na Câmara dos Deputados. Autor de Um Mundo a Ganhar e outros ensaios (Multifoco, 2013) e co-autor de Um partido necessário – 10 anos de PSOL (Fundação Lauro Campos, 2015) e Cinco Mil Dias – o Brasil na era do lulismo (Boitempo, 2017). Colabora com sites e revistas no Brasil e no exterior. Atualmente é presidente nacional do PSOL


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum