Colunistas

24 de janeiro de 2019, 21h10

Eleição da presidência da Câmara e resistência à agenda neoliberal

Dennis de Oliveira: “Em que medida apoiar Rodrigo Maia vai auxiliar na mobilização popular para resistir a essa agenda antidireitos?”

Foto: Wilson Dias/Agência Brasil

A divisão da esquerda quanto à eleição da presidência da Câmara dos Deputados tomou conta do noticiário na semana passada, agora um pouco ofuscada pela prisão dos milicianos no Rio de Janeiro e a ligação destes com o filho do presidente.

O que causou mais impacto foi a decisão tomada pelo PCdoB de apoiar a reeleição de Rodrigo Maia. Um pouco antes, o PDT sinalizava para esta posição. E, depois, PT, PSOL e PSB sinalizaram que rejeitariam um acordo com o atual presidente da Câmara e, provavelmente, lançariam um candidato de oposição.

Fórum terá um jornalista em Brasília em 2019. Será que você pode nos ajudar nisso? Clique aqui e saiba mais

Acredito que ninguém desconsidera a importância do cargo. E também da quase impossibilidade de outro resultado que não a reeleição de Maia, principalmente com o apoio da base do governo de Bolsonaro.

Do ponto de vista do jogo institucional, não há chances de reverter tal situação no momento. Por isso, o que se coloca nessa discussão é qual seria a melhor estratégia para o campo progressista.

Veja também:  Conselho de Ética abre processo para apurar se Rosário cometeu quebra de decoro

O que difere na política do campo progressista é justamente a defesa dos direitos sociais, da igualdade, da melhoria das condições da classe trabalhadora, em especial dos que estão na base da pirâmide social, como negras, negros, mulheres. Por isso, importa é articular o que desse embate interessa para a luta em defesa dos direitos.

A agenda neoliberal do governo Bolsonaro, que tem como centro a retirada de direitos –, por exemplo, a reforma da Previdência, o aprofundamento da reforma trabalhista, a retirada das politicas de ação afirmativa – encontra em Rodrigo Maia um ardoroso defensor. Assim, a sua eleição como presidente será a garantia de que essa agenda de medidas terá preferência nas votações na Câmara dos Deputados. Este é um ponto pacífico.

Qual seria a alternativa então para resistir a isso? A única possibilidade é a mobilização popular. E é preciso analisar até que ponto a composição com Maia, por parte de um partido progressista, contribuirá ou não na organização de tal mobilização. Vejo essa linha de raciocínio ausente. E qual motivo? Por uma visão que secciona a ação institucional da organização popular (em alguns casos, priorizando a ação institucional por motivos vários, como os expressos no belo artigo de Rudda Ricci) ou por considerar que tal discussão não tem nenhum impacto nessa mobilização.

Veja também:  Tendência interna do PSDB repudia filiação de Frota: "Constrangimento à militância tucana"

Para a população, o que importa – mais que afirmações pragmáticas – é saber o que vai ajudar a melhorar a sua vida. Em toda essa discussão, o que se sente falta é justamente isso: em que medida apoiar Rodrigo Maia vai auxiliar na mobilização popular para resistir a essa agenda antidireitos? Pragmaticamente, podem até haver argumentos favoráveis a apoiar Rodrigo Maia, porém o desgaste de compor com um parlamentar que abertamente vai defender a agenda neoliberal legitimará os militantes desses partidos para mobilizar a população? Não esqueçamos que em tempos de sociedade da informação, fatos como esse são memorizados e socializados constantemente via redes sociais. E as legitimidades podem sair arranhadas.

Agora que você chegou ao final deste texto e viu a importância da Fórum, que tal apoiar a criação da sucursal de Brasília? Clique aqui e saiba mais

 


Você pode fazer o jornalismo da Fórum ser cada vez melhor

A Fórum nunca foi tão lida como atualmente. Ao mesmo tempo nunca publicou tanto conteúdo original e trabalhou com tantos colaboradores e colunistas. Ou seja, nossos recordes mensais de audiência são frutos de um enorme esforço para fazer um jornalismo posicionado a favor dos direitos, da democracia e dos movimentos sociais, mas que não seja panfletário e de baixa qualidade. Prezamos nossa credibilidade. Mesmo com todo esse sucesso não estamos satisfeitos.

Queremos melhorar nossa qualidade editorial e alcançar cada vez mais gente. Para isso precisamos de um número maior de sócios, que é a forma que encontramos para bancar parte do nosso projeto. Sócios já recebem uma newsletter exclusiva todas as manhãs e em julho terão uma área exclusiva.

Fique sócio e faça parte desta caminhada para que ela se torne um veículo cada vez mais respeitado e forte.

Apoie a Fórum