Colunistas

13 de julho de 2019, 10h47

Em 2005, o então deputado Bolsonaro trabalhou em defesa do nepotismo

Anos antes, ainda nos anos 90, Bolsonaro usou verbas da Câmara para empregar a sua companheira, que na época era Ana Cristina Vale, assim como o pai e a irmã dela: “Não somos casados. Portanto, não são meus parentes”, disse

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Quando era deputado, o presidente Jair Bolsonaro votou contra uma lei que tinha como objetivo lutar contra o nepotismo, mas esse é o ponto mais interessante:

Em 2005, quando Bolsonaro ainda era do extinto PFL (hoje conhecido como DEM) discursou contra a medida que visava a proibição da contratação de parentes no setor público.

Ainda alfinetou colegas do próprio partido onde, segundo ele, o senador Antonio Carlos Magalhães e o então deputado federal ACM Neto, ambos do PFL na época, eram “contra a contratação de parentes porque possuem várias empreiteiras na Bahia, onde poderiam empregar muitas pessoas e não precisam das vagas em serviço público”, disse Jair Bolsonaro.

O afã em derrubar a medida tinha motivo. Anos antes, ainda nos anos 90, Bolsonaro usou verbas da Câmara para empregar a sua companheira, que na época era Ana Cristina Vale, assim como o pai e a irmã dela.

O pai de Ana Cristina, José Cândido Procópio, e a irmã, Andréa de Assis, foram contratados de forma irregular pelo gabinete do deputado. Os dois moravam em Juiz de Fora (MG), embora o deputado tenha sido eleito pelo Rio.

O Ato 72/97 da Câmara determina que os funcionários “terão exercício exclusivamente nos gabinetes parlamentares, em Brasília, ou em suas projeções, nos Estados”.

Ana Cristina, com salário de R$ 3.600, exerceu cargo de confiança no gabinete do líder do PPB, Odelmo Leão. Procópio ganhava R$ 2.500 e Andréa, R$ 3.000.

Segundo Bolsonaro, Procópio e Andréa “vão ao Rio toda semana”. Na ocasião ele disse que não pratica nepotismo e declarou:

“Eu estou me divorciando da minha primeira mulher. A Ana Cristina é minha companheira. Não somos casados. Portanto, não são meus parentes.”

Bolsonaro aparentemente aprendeu o que era nepotismo e para evitar problemas mudou a “forma de contratação” e ano passado foi flagrado em uma reportagem da Folha de São Paulo onde segundo o jornal, ele teria usado verba da Câmara dos Deputados para empregar uma vizinha dele em um distrito a 50 km do centro de Angra Dos Reis (RJ).

Segundo moradores da região, a funcionária do gabinete (desde 2003) era caseira do parlamentar e recebia um salário bruto de R$ 1.351,46 em valores atualizados. Um rombo de quase 250 mil reais aos cofres públicos.

Na ocasião, caso Bolsonaro fosse investigado e condenado poderia ser indiciado pelo crime de peculato.

Agora, Bolsonaro se vê envolvido novamente em uma nova polêmica envolvendo cargos públicos e parentes com o convite que fez ao seu filho para assumir a embaixada do Brasil em Washington (EUA).

Eduardo atualmente preside a Comissão de Relações Exteriores e de Defesa Nacional na Câmara dos Deputados e foi acusado de tentar blindar o atual ministro da justiça Sérgio Moro de uma convocação para prestar esclarecimentos sobre a viagem que fez em junho deste ano aos Estados Unidos.

Uma eventual nomeação de Eduardo como embaixador em Washington romperia uma tradição das últimas décadas, já que a missão vem sendo chefiada por diplomatas de carreira, com experiência comprovada.

Eduardo Bolsonaro não é diplomata, possui pouca experiência em política internacional e tem posições controversas sobre temas como a Venezuela, Oriente Médio, relações comerciais com a China e já sugeriu inclusive uma aventura militar contra a Venezuela, contrariando a cúpula militar brasileira. Inclusive quase comparou o principal parceiro comercial do Brasil, a China, com a Alemanha de Hitler.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum