Glauber Piva

17 de abril de 2019, 15h45

O jogo está no fim. A rua ficou perigosa

Glauber Piva, em novo artigo, destaca: “A rua é o lugar da democracia, da diversidade e da tolerância. Quando a rua é anulada, quando ficamos com medo do dissenso, nada mais interessa além da própria sobrevivência”

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

Sérgio Moro mandou a Força Nacional de Segurança ocupar a Esplanada dos Ministérios. Justamente quando indígenas, professores e outros tantos caminham para fazer de Brasília um caldeirão democrático. Ao invés de investigar duramente as milícias no Rio de Janeiro, prefere tentar calar o clamor popular. Dilma, quando das manifestações do #nãovaitercopa, já havia feito o mesmo. O neofascista João Doria, tem posto a polícia em prontidão para reprimir. Witzel mandou a polícia matar: sem julgamento, sem condenação, sem chance. O fato é que o establishment não suporta as tensões democráticas.

Aliás, o que é a democracia que vivenciamos se não uma plutocracia que convida seo João e dona Maria a legitimá-la a cada dois anos?

Como diz Renato Rovai, os golpes contemporâneos “não são”, eles “vão sendo”. Os golpes sempre têm motivações políticas e econômicas. Mas eles se dão de maneiras diferentes conforme a época. Atualmente, se apoiam em várias táticas complementares nas quais as urnas e as mídias sociais, dentre outras, se legitimam reciprocamente.

Há uma guerra no Brasil. E não há santos. Nem juízes, nem sacerdotes, nem deputados de alto ou baixo clero, nem promotores, nem milicianos e nem paneleiros.

Nosso jogo político não é democrático. Repito. O fato de termos eleições não quer dizer que estamos numa democracia.

A democracia é a turbulenta e constante disputa pela expansão da esfera pública. Não é o sistema de governos. E, no Brasil atual, só há otoridades: estão tentando fazer o povo desaparecer.

As investigações tendenciosas, o silenciamento de parlamentos e movimentos sociais, a compra de jornalistas, o big data promotor das narrativas hegemônicas, o fim do sistema de seguridade social, a Força Nacional impedindo manifestações, as milícias generalizadas são a antessala de uma ditadura explícita. E, junto a isso, sem dúvida há uma guerra híbrida que instala o ódio à democracia no nível da vida cotidiana. Isso não é por acaso.

Todos nós estamos sendo distraídos e estimulados ao desprezo pela participação política. Estamos amando odiar a política. E isso interessa a muita gente.

Não é pouca coisa a submissão da pauta e instituições ambientais aos interesses do agronegócio nacional e internacional. Não é pouca coisa a tentativa de acabar com a já muito frágil educação pública. Não é pouca coisa a morte da juventude negra, a violência contra as mulheres e a intolerância generalizada. A rua é o lugar da democracia, da diversidade e da tolerância. Quando a rua é anulada, quando ficamos com medo do dissenso, nada mais interessa além da própria sobrevivência.

O jogo está no fim. A rua ficou perigosa.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum