Cartas do Pai: Nossa Senhora

Ivan Cosenza fala sobre a ida de Jair Bolsonaro, defensor da tortura, ao Santuário de Nossa Senhora Aparecida

Rio de Janeiro, 21 de Outubro de 2021.

Pai,

imagina uma mãe que teve seu filho perseguido, preso, torturado e morto apenas por defender os mais pobres e injustiçados.

Imagina o sofrimento desta mãe!

A gente sabe do tanto de mães que sofreram com isso aqui no Brasil durante a ditadura militar.

A vó Maria mesmo!

Sua mãe sofre quando não pode mais ver o Betinho, que foi perseguido e teve que fugir pra não ser preso.

Minha outra vó, Simone, sofreu mais ainda.

Publicidade

Ela teve duas filhas e um filho perseguidos, presos e torturados.

Mas a mãe mais conhecida, por ter tido seu filho assassinado, foi Maria, mãe de Jesus.

Publicidade

O sofrimento foi tanto que ela é considerada santa.

Aliás toda mãe que passou por isso deveria ser canonizada, pai!

“Nossa Senhora” representa essas mães.

Agora, imagina, depois de sofrer isso tudo, ela ainda ter que ouvir gente dizendo que é a favor da tortura que seu filho sofreu.

E pior, imagina esse defensor da tortura aparecendo de surpresa no aniversário desta mãe!

Pois foi o que aconteceu.

O presidente defensor de tortura teve a cara de pau de ir na missa de aniversário desta que representa todas as mães que tiveram seus filhos perseguidos, presos, torturados e mortos por perseguição política.

Tomou um belo puxão de orelha do Arcebispo de Aparecida.

Mas ainda é pouco!

Em breve esse ser abominável vai estar no lugar que ele realmente merece.

Falta pouco, pai!

Um beijo do seu filho,

Ivan

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Fórum

Avatar de Ivan Cosenza de Souza

Ivan Cosenza de Souza

Cronista, produtor cultural, curador da obra de Henfil, seu pai, e presidente do Instituto Henfil. Escreve as Cartas do Pai para a Revista Fórum.
Henfil veste Pela Esquerda. Camisa da Ursal à venda no link abaixo:

Você pode estar junto nesta luta

Fórum é um dos meios de comunicação mais importantes da história da mídia alternativa brasileira e latino-americana. Fazemos jornalismo há 20 anos com compromisso social. Nascemos no Fórum Social Mundial de 2001. Somos parte da resistência contra o neoliberalismo. Você pode fazer parte desta história apoiando nosso jornalismo.

APOIAR