João Vicente Goulart

09 de agosto de 2019, 21h01

Estado de Sítio, o próximo estágio

João Vicente Goulart: “Como Goebells ensinou, toda mentira repetida várias vezes, torna-se verdade, principalmente no governo Bolsonaro”

Goebells e a mentira repetida - Foto: Reprodução

Há muito estamos escutando por parte das autoridades, ditas oficiais, que o presidente Jair Bolsonaro, vem sendo ameaçado de morte. De onde partem essas ameaças?

O raciocínio político, nos remete a várias perguntas circunstanciais, pré-eleitorais, como os posicionamentos, por exemplo, do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso, que na plenitude de sua intelectualidade, no segundo turno das eleições de 2018, manifestava a opinião que o discurso bolsonarista era, apenas, um método, ou melhor, uma tática de angariar votos de uma camada social da direita, que nem sabia que era direita, na disputa eleitoral.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Eram mais inconformados, do que intelectualizados e conscientes, do real mercado que pregavam; a tal meritocracia, que o presidente Bolsonaro defende, mas não entende.

Deixamos isso para o Guedes?

Pleno engano. O discurso não era apenas eleitoral e, como vemos, está se tornando hoje a manifestação de um líder descontrolado, patético, inviolável no raciocínio do discernimento, tirano e, principalmente, disposto a romper com as instituições estabelecidas.

O seu discurso, unipessoal, tirânico e convicto, burro politicamente, e repetindo: “eu ganhei as eleições, porra”, o está levando a combater as instituições estabelecidas, congressuais, jurídicas e institucionais, pretendendo um controle da sociedade brasileira, que está nos atingindo, está nos maniatando, e que nos faz pensar que a luta está distante.

Não está, pois, mais do que nunca, está presente.

Quando, instituído pelos votos da democracia, nega o Golpe de 1964, nega também as torturas cometidas por militares durante o regime ditatorial, nega as instituições, idolatra torturadores, como ele, e pior, continua cometendo basbaquices não apropriadas à liturgia do cargo, como se o Brasil fosse uma capitania hereditária, de sua família miliciana, homofóbica, preconceituosa, racista e, principalmente, desconstituída de honra, trata a nós brasileiros como se não o conhecêssemos.

Honra, não é preceito de combate; honra é o amor pelos desprotegidos, sem nunca claudicar.

Esse repetidíssimo fato incongruente de ameaça de um possível atentado contra sua vida, nada mais é de uma preparação de mudança constitucional.

Ele e seu grupo estão preparando um ato, um comício, uma grande manifestação de apoio, que mal ou bem, possa nos recordar do “Rio Centro”, jorrando sangue; aquele sangue sórdido que conhecemos, com muita mídia preparada, que em nome de Jesus, será atribuído à esquerda. Será atribuído a um grupo que nem sequer existe; mas como Goebells ensinou, toda mentira repetida várias vezes, torna-se verdade, principalmente no governo Bolsonaro.

Um ato, um comício, uma manifestação de apoio ao regime. Uma bomba, um grande distúrbio, e teremos a reação pretendida.

O Estado de Sítio, a pedido da instabilidade social, será mais um passo do fascismo pretensamente democrático.

Eu sou o Johnny Bravo, porra!

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum