Juliano Medeiros

07 de junho de 2019, 18h03

Apertem os cintos: o contrapeso sumiu!

Presidente nacional do PSOL, Juliano Medeiros diz: “O decreto das armas, por exemplo, é flagrantemente ilegal e pode provocar uma catástrofe de grandes proporções. Mas há um silêncio pesado no STF e em parte do Legislativo”

Foto: Marcos Correa/PR

Em quase seis meses como chefe do Executivo, Bolsonaro já demonstrou sua completa incapacidade para lidar com os problemas do país. Não bastasse a falta de articulação do governo no Congresso Nacional, que dificulta a aprovação daquela que é a principal medida reclamada pelo mercado e por sua própria equipe econômica – a reforma da Previdência e o fim do direito à aposentadoria – Bolsonaro ainda tem de lidar com o aumento da mobilização popular em defesa da educação, a promessa de uma Greve Geral massiva no próximo dia 14 e as suspeitas envolvendo sua família, trazendo de volta o fantasma da corrupção.

Outro fator que deve adicionar ainda mais dificuldades ao governo é o desempenho da economia. De acordo com estudo divulgado recentemente, a renda por habitante em 2019 deve ficar estável pelo terceiro ano consecutivo e 8% abaixo do pico. Segundo o mesmo estudo, a recuperação da renda no Brasil nunca foi tão lenta, superando a morosidade pós-crise de 1989. O Banco Central indicou uma queda na prévia do Produto Interno Bruto (PIB) no primeiro trimestre de 0,68%. São três trimestres consecutivos de queda, o que coloca o país, segundo critérios usados pelo DIEESE, na condição de economia em recessão. A expectativa é de que o crescimento fique na casa do 1% e aprofunde ainda mais a crise social, com aumento do desemprego e da informalidade. Consequentemente, podemos esperar um aumento da violência.

É se aproveitando da crise social e do aumento da sensação de insegurança que Bolsonaro “joga para a torcida” e governa para uma minoria que ainda o apoia. Ao invés de adotar medidas que induzam o investimento produtivo, a geração de emprego e a retomada da participação do Estado em obras de infraestrutura, o presidente editou decreto afrouxando os critérios para a aquisição de armas de fogo. Até aí, nenhuma surpresa. O que causa espanto é o silêncio do Supremo Tribunal Federal (STF) e de parte do Legislativo diante da liberação flagrantemente inconstitucional da comercialização de armas pesadas para civis. Pesquisas indicam que a maioria da população (61%) é contra a flexibilização dos critérios para aquisição de qualquer tipo de armamento. Metade dos governadores e várias organizações internacionais também se manifestaram contra o decreto de Bolsonaro, que pode aumentar ainda mais os já estarrecedores 50 mil homicídios anuais no Brasil.

Não tem sido pequeno o esforço da oposição em provocar as instituições do Judiciário para que estas defendam a Constituição e a lei. O PSOL, por exemplo, propôs um Projeto de Decreto Legislativo para sustar a flexibilização da compra de armas anunciada no decreto presidencial, mas o presidente da Câmara dos Deputados só pensa na reforma da Previdência e em atender aos interesses dos bancos. Até agora, o projeto do PSOL não entrou na pauta de votações.

Além disso, vários partidos já provocaram o Supremo Tribunal Federal para que este se pronuncie sobre a constitucionalidade de várias medidas de Bolsonaro. O que falta acontecer para que o STF se pronuncie? O decreto das armas, por exemplo, é flagrantemente ilegal e pode provocar uma catástrofe de grandes proporções. Mas há um silêncio pesado no STF e em parte do Legislativo. O que, afinal, Câmara dos Deputados e Judiciário esperam para cumprir seu papel de contrapeso democrático e colocar limites ao celerado que conduz a Presidência da República? O que se vê é uma gradual perda de independência dos poderes Legislativo e Judiciário diante de um Executivo sem apoio parlamentar e que governa para uma minoria de fanáticos. Num arroubo de subserviência, o presidente do STF, Dias Tóffoli, e da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, chegaram a ensaiar um “pacto” com Bolsonaro em torno de alguns temas da agenda governista. Um absurdo!

Os presidentes do STF e da Câmara dos Deputados não podem se portar como aliados do atual projeto político no poder. O fato é ainda mais grave se considerarmos o papel da Suprema Corte na dissolução de controvérsias jurídicas envolvendo medidas implementadas pelo atual governo. O STF deve ser o guardião da Constituição Federal e não pode jamais assumir a condição de partícipe em agendas de governo. No caso dos presidentes da Câmara dos Deputados e do Senado Federal, ainda que possa haver pontos comuns entre a agenda do governo e dos partidos dos parlamentares que presidem essas casas, nada justifica que eles firmem qualquer pacto em nome de todo o Legislativo sem um amplo e transparente debate democrático que permita à oposição apresentar suas saídas para a crise.

O mais recente capítulo de subserviência do STF à gestão Bolsonaro foi a decisão de autorizar o governo a vender o patrimônio de empresas subsidiárias da Petrobras e outras empresas públicas sem consulta ao Congresso Nacional. Apenas dois ministros votaram contra a permissão da venda de ativos sem autorização do Legislativo. A decisão favorece o projeto entreguista e antinacional do governo Bolsonaro. Ao legitimar o entreguismo de Bolsonaro e Paulo Guedes, que pretendem vender 134 empresas públicas, sendo 88 delas subsidiárias, o Supremo Tribunal Federal passa de uma posição passiva diante dos ataques à democracia, aos direitos e à soberania nacional – consubstanciados no impeachment sem crime de responsabilidade contra Dilma Rousseff, na aprovação da reforma trabalhista, da Lei das Terceirizações, da Emenda Constitucional 95, dentre outros – a promotor ativo desses ataques.

O sistema de contrapesos que impede que um poder se sobreponha sobre os demais mostra fadiga justamente quando o Brasil tem um Executivo pilotado por um projeto extremista que não tem apoio na sociedade e no parlamento. A saída, nesse caso, é aumentar a pressão popular e a mobilização nas ruas para evitar uma catástrofe ainda maior.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum