Julian Rodrigues

30 de junho de 2019, 14h56

Ser de esquerda é defender o fim da “guerra às drogas”

Para Julian Rodrigues, “só tem um jeito: regulação restrita e legalização de todas as drogas. Ou a esquerda defende isso, ou continuaremos a reboque do bolsonarismo no tema de segurança pública”

Foto: Mídia NINJA

Apontar a hipocrisia e as contradições do governo Bolsonaro é sempre muito bom.

O episódio dos 39 kg (não eram 40) de cocaína que entraram na Espanha pelo avião da comitiva precursora do voo presidencial é gravíssimo. Mostra como o tráfico internacional de drogas está instalado na cúpula do atual governo.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo

Isto posto, é triste acompanhar a reação de uma galera grande da esquerda. Ao invés de apontar o cinismo e a conivência da turma bolsonarista com o crime organizado, muita gente adere ao senso comum, estigmatizando as drogas “ilegais” e seus usuários. Eu, mesminho, em mim, recebi um monte de memes associando cocaína à direita e maconha (ou a cachaça) à esquerda.

Que bobagem!

Milhões de pessoas, no Brasil e no mundo, tomam ecstasy e ácido, cheiram pó, fumam crack e maconha, se drogam com uma plêiade de fármacos (com receita dos amigos psi). Mais outros muitos milhões ainda bebem pesadamente e fumam tabaco para caramba.

Já passou da hora da esquerda se apropriar do debate antiproibicionista. Vamos conhecer as reflexões do movimento negro, da juventude, dos direitos humanos?

A criminalização de certas substâncias que alteram o estado de consciência (enquanto outras são liberadas) é uma estratégia do capitalismo. E do racismo estrutural. Um jeito de estigmatizar, prender, matar pobres pretos jovens periféricos.

E de aumentar o lucro das operações de produção e distribuição internacional das drogas.

Esqueçam o PCC! Se libertem do Datena! Quem comanda o tráfico de drogas é gente que fala três ou quatro línguas, gente rica, articulada, perfumada, branca, que circula e maneja o sistema financeiro internacional.

PCC e outras “organizações criminosas” são compostas de meros gerentes, braços operacionais, ralé. Pobres pretos (mais espertos) que funcionam como a tropa de combate territorial dos grandes criminosos.

A saída é uma só.

Nova política de drogas. Com regulação restrita da produção, distribuição e consumo de TODAS substâncias. Do tabaco ao crack.

Trazer o mercado ilegal para a normalidade institucional.

Cobrar imposto. Cadastrar os pontos de venda e até os consumidores (para acompanhamento de saúde). No caso da maconha: produção nacional em larga escala, com subsídio para agricultura familiar (antes que os EUA dominem o mercado mundial).

No caso da cocaína, mais complexo, algum acordo internacional de importação. Com laboratórios nacionais e estatais (Fiocruz, por exemplo) para o refino. Distribuição em farmácia para usuários cadastrados.

Passou da hora da esquerda enfrentar esse debate. O proibicionismo é intrinsecamente capitalista e reacionário.

Experiências internacionais, já temos muitas. Do Uruguai à Califórnia, passando por Portugal e Canadá.

Cessar o extermínio da juventude negra e o hiper-encarceramento. Parar os homicídios em massa. Discutir seriamente uma política de segurança pública.

Só tem um jeito: regulação restrita e legalização de todas as drogas. Ou a esquerda defende isso, ou continuaremos a reboque do bolsonarismo no tema de segurança pública.

Chega de moralismos e hipocrisia. Liberdade individual, redução de danos e enfrentamento, de verdade, ao crime organizado. Legalizar as drogas é regular o capitalismo!

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum