Julian Rodrigues

28 de setembro de 2019, 17h02

“Tu vens, tu vens, eu já escuto teus sinais”

Julian Rodrigues: “Crescem as contradições entre eles - é hora de intensificar a campanha #LulaLivre e a mobilização social contra Bolsonaro"

Foto: Ricardo Stuckert

As revelações do The Intercept já vinham desgastando Moro e Dallagnol e desconstituindo, aos poucos, a Lava Jato. A decisão do STF garantindo o direito dos acusados de se pronunciarem por último (mesmo ainda inconclusa) foi não só um grande freio de arrumação, mas um sinal de que o vento virou.

A reação desesperada dos cúmplices da Lava Jato no Supremo (Barroso, Facchin e Fux) e o resultado da votação escancaram o isolamento do trio.

A aprovação da lei do abuso de autoridade (com a derrubada da maioria dos vetos de Moro). A nova pancada da Vaza Jato – mostrando que Dallagnol rasgava a lei, os procedimentos e tudo o mais, operando em linha direta com fontes da Suíça. Ademais, para espanto geral da nação, a bomba da bomba. O ex-chefe de Dallagnol, ex-Procurador-Geral da República, Rodrigo Janot, na vibe de lançar seu livro, revela que foi à sede do Supremo com uma pistola na cinta. Queria matar Gilmar Mendes – e depois ceifar a própria vida.

Vai demorar um pouco para entendermos o que levou o sujeito a fazer um troço desse. A reação geral foi imediata. Alexandre de Moraes mandou a PF apreender a arma de Janot em sua casa – e decretou ordem de restrição, proibindo-o de chegar perto de qualquer ministro do Supremo. Gilmar Mendes, em nota duríssima, além de o esmagar, abriu uma avenida para questionamento de todas ações penais conduzidas pelo ex-procurador. E ainda aconselhou Janot a procurar ajuda psiquiátrica.

Sentindo a virada do vento, Dallagnol (que nos próximos dias deixará de ser coordenador da Lava Jato) e sua turminha de Curitiba tentaram retomar a iniciativa. Assinaram, juntinhos (14 deles, tão bonitinhos), petição defendendo que Lula teve bom comportamento e já está na “iminência” de progredir para o regime semiaberto – desde, claro, que use uma tornozeleira.

Lula tem insistido que não é ladrão nem pombo-correio. Quer sair do cárcere com sua inocência reconhecida, totalmente livre. O bandidinho do Dallagnol quis se antecipar à possível decisão do STF, reconhecendo a parcialidade do seu comparsa (Moro) e tenta, então,  jogar uma casca de banana no colo de Lula.

Não deixa de ser um reconhecimento. Percebem que estão na defensiva, pois o lavajatismo perde espaço a cada dia. O mau humor no andar de cima cresce, não só com Bolsonaro. Fica cada dia mais custoso (e contraproducente) sustentar a Lava Jato – ainda mais porque não são do núcleo duro do Bolsonaro.

O bolsonarismo segue forte, contudo – não nos enganemos. A aliança entre os diversos setores das classes dominantes nacionais com o imperialismo estadunidense, tendo como lastro o programa ultraliberal, antinacional e antissocial de Bolsonaro, permanece. Mesmo com ranger de dentes e narizes tapados.

Mas a conjuntura evolui rapidamente. O discurso de Bolsonaro na ONU consolida o isolamento internacional do Brasil e pode afetar interesses econômicos concretos de setores que o apoiam. Sua popularidade cai em ritmo forte, mas não alarmante. Está nítido que Bolsonaro (e o clã mais os olavistas) optou por falar à sua base mais fiel, o núcleo duro ultraconservador. É uma aposta arriscada – governar apenas com “ideologia” extremista e fake news. Sem mudanças na política econômica, a recessão, o desemprego e a queda da renda da maioria seguirão pelos próximos anos.

Bem feitas as contas, noves fora a pressão dos milicos e as subjetividades supremas, tudo aponta para a crescente insustentabilidade do cárcere de Lula.

Vamos soltar fogos? Nada disso. O cenário segue aberto. Quanto mais mobilização do lado de cá e quanto maior for a pressão internacional melhores as possibilidades de viramos essa página mais cedo.

Lula se agiganta.

A trajetória do ex-operário transmuta-se cada vez mais em epopeia, quase nas margens do hagiológico. Será uma bela lição para quem, na esquerda brasileira, e mesmo no PT, colocou em segundo plano a batalha pelo #LulaLivre.

Lula correndo o Brasil muda qualitativamente a correlação de forças.

Mais feio fica para as e os apressadinhos que já escalavam candidatos para o distante 2022. Lula é o candidato permanente do povo brasileiro à presidência da República. Em si, é um programa. Uma ideia.

“Eu não duvido, eu te anuncio”.

#LulaLivre #LulaPresidente

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum

#tags