Julinho Bittencourt

19 de Maio de 2020, 11h13

Em clipe mágico que homenageia Marielle, a banda Ira! lança “Mulheres à frente da tropa”

O clipe, dirigido pela cineasta Luciana Sérvulo da Cunha, quase todo rodado na ocupação 9 de Julho, em São Paulo, conta com a participação de várias lideranças femininas

Foto: Facebook

A banda paulistana Ira! deverá lançar em breve, após 13 anos, um álbum de inéditas. Algumas de suas canções já começam a aparecer em singles. A mais poderosa delas é, sem dúvida alguma, “Mulheres à frente da Tropa”, composição do guitarrista Edgard Scandurra que homenageia, entre outras, as brasileiras Marielle Franco, Dandara e Preta Ferreira.

O clipe foi dirigido pela cineasta Luciana Sérvulo da Cunha, autora, entre outros, do filme “Hijos de La Revolución”, que aborda as recentes mudanças migratórias em direção a uma abertura política promovidas por Raúl Castro em Cuba – simbolizadas pela visita do ex-presidente norte-americano Barack Obama.

Filme e canção se entrelaçam de maneira comovente e certeira. Quase todo rodado na ocupação 9 de Julho, em São Paulo, o clipe e a música são endereçados a algumas mulheres mas, no final das contas, acaba homenageando a todas.

O roteiro, feito em parceria por Luciana e Edgard, se desenvolve a partir do sonho de uma senhora que, ao dormir em sua poltrona, enxerga diversas mulheres indo rumo a seus destinos. Dentre elas, importantes personalidades aparecem e são homenageadas.

Nem canção, nem clipe disfarçam em momento algum seu engajamento. Enquanto várias mulheres de diversas idades e etnias seguem para seus destinos pelas ruas de São Paulo, versos contundentes se contradizem propositalmente e de maneira irônica com a doçura da melodia.

“Ouçam os gritos das ruas
Peito à mostra, vozes agudas
Ouçam as bombas que caem no solo
Tremem os corpos das crianças de colo”

Enquanto segue o refrão, cantado também por um lindo coro feminino:

“Mulheres à frente da tropa”

No caminho das personagens que seguem resolutas, sempre aparecem, feito uma espécie de guia ou lembrança de luta, figuras como Marielle Franco, Dandara, Preta Ferreira. O vídeo conta ainda com a participação de representantes do MSTC, MTST e MST, ativistas, estudantes, adolescentes, crianças, artistas e performances.

“Jovens mulheres adolescentes
Lutam por todos, até os descrentes
Imóveis ficamos, sem reação
Somente nos restam os calos nas mãos”

O coral da canção se amplifica em espiral acompanhado pelo singular acompanhamento dos excelentes músicos da banda. Os violões de Edgard sugerem caminhos, ponteados por percussões inesperadas, em grande riqueza sonora. O diálogo da voz do próprio Edgard com as vozes femininas nos provoca o gosto do improvável equilíbrio yin e yang e a suave entrega do cantor ao lugar de fala, na letra escrita na terceira pessoa.

“Elas não temem o covarde opressor
Elas não fogem do perigo da dor
Pontas de lança da revolução
Dedico à vocês essa canção”

Ao final, diante de todas as personagens que se reagrupam entre danças e sorrisos, de volta à janela da senhora do sonho, o lindo e libertário voo por todas da bailarina Sandra Miyazawa, nos devolve a esperança e a vontade, em um desfecho mágico e inesperado.

“Mulheres à frente da tropa”


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum