domingo, 20 set 2020
Publicidade

Leandro Seawright

Sobre (des)governar em uma democracia presidencialista multipartidária com a cabeça na ditadura

Leandro Seawright: “Não é possível governar o país repactuado em 1988 com a cabeça nos procedimentos autoritários dos regimes de Ustra, de Stroessner e de outros ditadores”

Qual é a agenda do campo democrático?

Em artigo, Leandro Seawright diz: “Estejamos certos de que chegou o tempo de pensar uma agenda arejada, arrojada e de repensar o papel dos partidos políticos e da atuação política no presidencialismo de coalização”
Publicidade

Quatro coisas sobre a chantagem de Bolsonaro

Bolsonaro percebe, como vítima, que pode perder e precisa atribuir a fraude ao processo eleitoral para ter alguma credibilidade e apoio de seus “amigos”

Precisamos parar o país

O momento é de diálogo com o eleitorado em potencial, sim, mas, sobretudo, de interrupção da “normalidade econômica” de todos os que representam o grande capital.

Precisamos conversar sobre os Direitos Humanos – Parte I

Direitos Humanos não são garantias defendidas apenas por uma visão ideológica polarizada, porém se constituem onde quer que exista um ser humano concorde ou discorde com posições majoritárias

Março de 1968 e Março de 2018: Edson Luiz de Lima Souto e Marielle Franco, “Presentes!”

De um jeito ou de outro, as duas mortes foram provocadas por razões políticas. Ambas serviram de despertamento para a situação política do país em diferentes momentos: uma sob as agruras da ditadura militar e a outra sob o manto hipócrita de intervenção militar

Leandro Seawright: Evo Morales persegue os cristãos? Entenda o caso

O código é claro em dizer que ninguém pode ser recrutado por um motivo ou por outro. Ao contrário do que se está dizendo, o código protege o indivíduo em sua liberdade de tomar decisões sem ser recrutado por organizações de diferentes naturezas.

Leandro Seawright: Sugestão de carta de renúncia para Temer

Após a crise instalada com a delação do presidente da JBS, Joesley Batista, colunista da Fórum ajuda o presidente e divulga uma sugestão de carta, veja a seguir.

Um dia depois da Greve: a outra Casa Monstro: ensaio de “vampirismo”

"Acho que acordamos o vampiro (que nem estava aposentado na outra Casa Monstro): lá no Jaburu se ouviu: nós venceremos você e tudo o...

Transições, Transações, “Lawfare”: Brasil, Brasil

A instabilidade política brasileira é derivada de posições autoritárias e das negociações – das transações – realizadas de maneira equivocada: a) a ditadura militar fortaleceu um Estado de Lei sem Lei; b) as rupturas com a ditadura militar falharam e terminaram em eleições indiretas, em ausência do povo na Constituinte de 1988; c) não houve “justiça de transição” adequada – com um levantamento amplo da memória política, com a revisão da Lei de Anistia, com o julgamento dos violadores dos Direitos Humanos seguido de condenações dos responsáveis.

Respeite os professores, Holiday!

No artigo desta semana em sua coluna na Fórum, o professor Leandro Seawright critica, mais uma vez, a ação intimidatória do vereador do MBL,...

E se o Fernando Holiday bater na porta da sala de aula?

Historiador Leandro Seawright critica a atitude do membro do MBL de ir a escolas para fiscalizar uma suposta “doutrinação ideológica” durante as aulas Por Leandro Seawright Alonso* Há...

E se o Fernando Holiday bater na porta da sala de aula?

Historiador Leandro Seawright critica a atitude do membro do MBL de ir a escolas para fiscalizar uma suposta “doutrinação ideológica” durante as aulas Por Leandro Seawright Alonso* Há...

E se o Fernando Holiday bater na porta da sala de aula?

Historiador Leandro Seawright critica a atitude do membro do MBL de ir a escolas para fiscalizar uma suposta “doutrinação ideológica” durante as aulas Por Leandro Seawright Alonso* Há...

“#Compartilhe-nas-Redes”: pode um gari parecer prefeito?

Colunista da Fórum, o historiador Leandro Seawright Alonso questiona: "Pode um gari denunciar a sua invisibilidade ao utilizar roupas usadas por prefeitos afeitos ao marketing e outras castas da elite?"

“Bom dia… sou ditador”: o Estado de Exceção como “regra” no Brasil contemporâneo

Novo colunista da Fórum, o historiador Leandro Seawright Alonso escreve sobre o autoritarismo do governo Temer. "Um Estado de Exceção mais competente é aquele que se utiliza menos das armas e da força do 'braço armado'", analisa. "Em geral, utiliza-se caneta, papel, indumentárias irretocáveis e cenários festivos empolgantes, tais como jantares e outras ações recreativas ou perdulárias."