Leandro Seawright

09 de abril de 2018, 17h13

Precisamos parar o país

O momento é de diálogo com o eleitorado em potencial, sim, mas, sobretudo, de interrupção da “normalidade econômica” de todos os que representam o grande capital.

Amigos e amigas, companheiros e companheiras: VAMOS PARAR O PAÍS!

Enganaram-se definitivamente os poderosos. Alguns dos mais importantes jornais internacionais, inclusive com demarcadas tendências liberais, classificam Lula como preso político.

Eles achavam que Lula se entregaria derrotado, cabisbaixo, no horário marcado e pronto para a foto de que Sérgio Moro precisava para justificar toda a onerosa aposta estrangeira em seu nome com o objetivo de vencer um projeto político do campo popular.

Lula representa muito.

Em seu rosto vemos os mais pobres e os menos privilegiados, mas também aqueles que ascenderam econômica e socialmente durante os governos do Partido dos Trabalhadores no Brasil.

Alguns dos mais importantes jornais internacionais, inclusive com demarcadas tendências liberais, classificam Lula como preso político.

Ele coordenou o tempo de sua prisão, articulando meticulosamente o espaço ao se abrigar no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Saiu vitorioso, aclamado por milhares e saudado em todo o mundo.

A foto que circula pelo mundo mostra um Lula vitorioso para além da estrita militância, posto que lidera as pesquisas eleitorais até o momento (com tendência de aumentar a adesão à sua candidatura).

O que precisamos saber é que a classe político-econômica que governa este país aparelhou as instituições da República; aparelhou o judiciário e usou o Exército Brasileiro para prender a maior liderança política viva para além do equivocadamente chamado lulopetismo.

No entanto, a classe senhorial não está para brincadeiras. Ela é capaz de tentar impedir as próximas eleições, pois é a única beneficiada com a agenda imposta a Michel Temer. A mesma classe senhorial que faz de juízes e promotores agentes de perseguição política baseada em “lawfare” é capaz de fraudar, de apontar o fuzil para o STF e de propor adiamento das eleições.

O que fazer?

Precisamos fazer uma resistência inteligente. Por meio da articulação meticulosa das principais lideranças das esquerdas brasileiras, torna-se preciso mobilizar a população para PARAR O BRASIL, com alternâncias, até as eleições do mês de outubro. O momento é de diálogo com o eleitorado em potencial, sim, mas, sobretudo, de interrupção da “normalidade econômica” de todos os que representam o grande capital.

Uma coisa é certa… quando voltarmos, e vamos voltar, não podemos mais conciliar com o poder econômico, com as marionetes da república e com o fundamentalismo religioso. Sem titubear, trata-se de colocar cada um no seu lugar!


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum