Leandro Seawright

17 de setembro de 2018, 12h02

Quatro coisas sobre a chantagem de Bolsonaro

Bolsonaro percebe, como vítima, que pode perder e precisa atribuir a fraude ao processo eleitoral para ter alguma credibilidade e apoio de seus “amigos”

1. Tudo irretocavelmente pronto. Aparece Bolsonaro em cena no Albert Einstein. Voz baixa, trêmula, oscilante… um homem que foi vítima de facada realmente desferida. Pausas, engasgos; ele tossiu. Vítima. Bolsonaro se apresenta como vítima. Influenciado pelos resultados das pesquisas que mostram rejeição ao seu projeto e pelo
avassalador movimento das mulheres contrárias ao fascismo, busca-se construir uma humanização para a imagem de Bolsonaro. Procura-se, evidentemente, cuidar de sua rejeição. Nada mais aceitável do que uma vítima. Neste momento, ele parecia incapaz de ter dito: “[…] foram quatro homens, a quinta eu dei uma fraquejada e veio mulher”.

2. Na construção da vítima, porém, não mais a facada significa os seus argumentos, mas uma possível fraude: o palavreado da fraude. Bolsonaro percebe, como vítima, que pode perder e precisa atribuir a fraude ao processo eleitoral para ter alguma credibilidade e apoio de seus “amigos” – palavra repetida no vídeo. Antes de falar em fraude, Bolsonaro toca no “futuro”, requer a verdade de João 8:32, diz que até quem apoia o PT “é um ser humano também” e indica para uma narrativa sobre “o jogo do poder”. Pronto, uma fraude eleitoral contra a vítima pode:
a) interromper o futuro glorioso da nação; b) estabelecer contrariedade à verdade divina; c) comprometer os domínios de uma nação. Neste momento, ele parecia incapaz de ter dito: “[…] vamos fuzilar a petralhada”.

3. Ainda vitimado por um grande jogo de poder, Bolsonaro busca as estratégias necessárias para que Lula fosse interpretado novamente como grande articulador de dentro da cela para, enfim, eleger Haddad e sair por meio de indulto; então, segundo o Bolsonaro, Lula somente teria aceitado ir para a cadeia porque tinha um plano B. De fato, esses ardis funcionam bem na cabeça de pessoas que acreditam em conspirações: urnas fraudadas, governo alinhado às “ditaduras” de Cuba e Venezuela e, finalmente, Lula liberto apocaliticamente para o armagedom – a batalha, implantaria o caos e determinaria a catástrofe sobre todos os cidadãos de bem. Bolsonaro admite ter receio de perder no primeiro turno e considera a possibilidade de perder, de fato, no segundo turno em um apocalipse zumbi governado por hostes malignas. Neste momento, ele parecia incapaz – parte de um pequeno partido e vitimado pelas condições – de ter dito: “[…] Eu sou favorável à tortura, tu sabe disso”, ou, “o erro da ditadura foi torturar e não matar”.

4. Ao fim e ao cabo, Bolsonaro conta com os seus eleitores para “salvar o Brasil”. Se recorrermos à história recente do país veremos o que é “salvar o Brasil”: os ditadores propunham salvar o Brasil do comunismo, entre outros fantasmas. Temer propôs um governo de salvação nacional. Mas o que realmente ocorreu foi que Bolsonaro fez um discurso apelativo com forte apelo e inclinação para a chantagem; pela primeira vez, apareceu não apenas derrotado situacionalmente, mas desesperado com a rejeição do povo brasileiro, e, sobretudo, das mulheres. O que Bolsonaro quer? Ora, ele quer fazer antes aquilo que Aécio fez depois: questionar uma possível vitória do campo progressista que, neste momento, e pelo discurso dele, sinaliza para Haddad. Sabemos que o campo democrático, que quer democratizar a mídia, as forças armadas, o judiciário, entre outras instâncias, pode vencer… mas, para governar precisaremos de uma grande coalizão de forças cidadãs, democráticas, humanitárias. Não será tão fácil, mas resgataremos o projeto de um Brasil cidadão e justo para a construção de um país melhor e sem chantagem. Neste momento, ele parecia capaz de dizer: “[…] pela memória do Coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra, o pavor de Dilma Rousseff! Pelo Exército de Caxias! Pelas nossas Forças Armadas! Por um Brasil acima de tudo e por Deus acima de todos, o meu voto é sim”. Salvação nacional é isso: eliminar o opositor na força ou na chantagem.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum