Luiz Roberto Alves

29 de julho de 2019, 19h23

Ciência para superar o escárnio do governo Bolsonaro

Luiz Roberto Alves: “Galileu Galilei sempre teve razão: a terra não é plana, como não é medíocre o cérebro das novas gerações de brasileiros e brasileiras”

Foto: Divulgação

Cerca de trinta mil pessoas, entre inscritos e curiosos, transitaram pelos espaços da UFMS-Campo Grande para ver, fazer e compartilhar Ciência entre 21 e 27 de julho, embora o senhor Jair Messias não veja produção científica nas instituições federais de ensino, pesquisa e extensão. Ninguém tem culpa da cegueira e da atrocidade interiores. Malgrado isso, a ciência eppur si muove.

Quem acompanha a SBPC, Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência, desde os tempos da ditadura cívico-militar, pode observar que suas reuniões anuais se abrem continuamente para a difusão científica entre estudantes dos vários níveis, famílias e demais cidadãos que acreditam na educação e na ciência como fundamentos da sociedade democrática e do progresso social.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

Nesta 71ª reunião, primeira no Mato Grosso do Sul, estiveram lado a lado ciência, cultura e política. A apresentação de seiscentos pôsteres de todas as áreas do conhecimento nos fizeram lembrar que mestres das universidades brasileiras estão a orientar estudantes sem o preconceito que exala do governo central, capaz de separar ciências da natureza e ciências da cultura. Ora, suas diferenças não são de valor, pois se complementam na busca de explicações para os fenômenos da vida e do mundo, mas sim de métodos, procedimentos, estratégias e objetos de trabalho. Por isso, já não vemos a hora em que termine esse ciclo brutal de mando político capaz de conspurcar o que a história da educação e do ensino já tinham estabelecido como fundamentos. Como se sabe, um pôster, quer de menino/a do ensino fundamental, quer de acadêmico/a, significa longo tempo de trabalho, com observações, levantamento de dados, experimentos, análises e sínteses, o que vale para todas as ciências.

Ocorreu nessa reunião que os espaços dedicados à juventude estavam próximos aos palcos, onde foi possível ver e ouvir quer a música regional matogrossense, quer o rap/hip hop, ou encenações clássicas, sempre com a participação de estudantes, professores, funcionários e pessoas interessadas na vida universitária. Ademais, as muitas instalações de instituições científicas com mostras do seu mister profissional e orientações para as diferentes áreas do conhecimento se transformaram numa grande mostra da cultura científica brasileira.

Não nos enganemos, o que não pode ocorrer quando se trata de ciência e cultura é que haja contingenciamentos estéreis, que sinalizam sempre a existência de privilégios contábeis em governos barbaramente liberais, como o atual no Brasil. Se a juventude tiver bolsas de estudo para iniciação científica desde o ensino médio e sequência, fará até chover, por via de seus desejos e competências científicas.

Por esta razão, pareceu insuportável à juventude reunida no teatro Glauce Rocha, dia 21, que o representante do indesculpável ministro da Educação, sr. Weintraub, viesse com seu canto de sereia a apresentar o Future-se, projeto de auto-venda da universidade pública brasileira, que sugere diminuição de financiamento governamental e a corrida atrás de patrocínios capazes de desequilibrar as relações entre pesquisa básica e pesquisa aplicada e, enfim, pesquisa, ensino e extensão de serviços à comunidade num país imensamente desigual.

Felizmente, o tal Future-se já foi competentemente criticado e deve ter o mesmo destino do Pacto que seria firmado entre Executivo, Legislativo e Judiciário, isto é, o nada. O MEC ainda voltará a ser sério, dirigido por pesquisadores e educadores. Aí serão construídas políticas de educação nos termos dos documentos das CONAES, das Diretrizes do CNE, do PNE e dos que encaminham o Sistema Nacional de Educação.

Tomara a inteligência brasileira não fique de joelhos, ou cócoras, diante das pressões, do escárnio, do deboche e dos crimes verbais dos plantonistas de Brasília. Por enquanto, vários segmentos dos poderes estão nessas posições vexatórias. Por isso, cresce a violência física e simbólica em todos os cantos do país. De fato, este país nunca conseguiu oferecer garantias de que significativos blocos de elite e mesmo inteligência e poder não se submetam aos plantonistas, eleitos ou indicados, e esse é o único “jeito” pervertido de existir na sociedade brasileira. Os “jeitos” dos pobres são, de fato, frutos da violência construída na história.

Mas a SBPC de Mato Grosso do Sul produziu mensagens para as próximas reuniões científicas. Foram aprovadas 22 moções pelos quase trezentos sócios presentes. Elas caminharam entre proposições de política científica, repúdio a desmonte de programas e projetos, uso de medicamentos, respeito às terras indígenas e quilombolas, ampliação de sócios jovens e dignidade das instituições de fomento à pesquisa diante da competência dos jovens em acelerar a ciência a favor do desenvolvimento econômico, social, cultural e educacional. Tais moções e proposições já serão conhecidas da sociedade brasileira nos próximos dias. Convém ficar atento a elas.

As próximas reuniões científicas do Brasil, em quaisquer áreas do saber, estarão preparadas para agendas e pautas capazes de dar continuidade aos sinais e valores estabelecidos pela SBPC. Em primeiro lugar, ampliar a presença de jovens, a fim de que eles próprios ganhem estímulos e confiança na criação e compartilhamento dos conhecimentos e saberes. Do mesmo modo, muita atenção às leituras críticas diante das informações desencontradas e mesmo censuradas que advêm dos organismos governamentais e das mídias que visam somente o lucro e se valem dos acadêmicos exibicionistas. Em terceiro lugar, com a mesma importância, destaque máximo para os sentidos da educação, da ciência e da cultura na construção dos saberes e seu papel de investimento para as mudanças sociais.

Os nossos dilemas não terão de ser maiores do que as nossas forças. Galileu Galilei sempre teve razão: a terra não é plana, como não é medíocre o cérebro das novas gerações de brasileiros e brasileiras.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum