Luiz Roberto Alves

11 de setembro de 2019, 12h12

Família e governo para não serem considerados

Luiz Roberto Alves: “Quando a sociedade organizada (oxalá muito em breve) crescer em consciência e volume de massa crítica verá que os dilemas postos serão inferiores a suas forças”

Foto: Reprodução/Twitter

É evidente que as orientações de como negar a democracia de Steve Bannon, a boca suja do inominável morador do estado de Virgínia e os diversionismos do ventríloquo Trump foram profundamente assimilados pela família do senhor Jair Messias e seu governo. Acrescente-se a histeria e a volúpia de poder de alguns pastores do falso pentecostalismo e o quadro se fecha.

O país dos pobres, dos educadores, dos estudantes, dos pesquisadores, dos trabalhadores e trabalhadoras dos campos público e privado sofre diariamente a sanha do mal, que consiste em jogar sujeira pelo ventilador bucal, chamar a atenção da mídia e das redes e, por trás dessa farsa, operar a efetiva destruição dos laços que unem o Brasil à sua Constituição de 1988 e ao já difícil acúmulo democrático-republicano.

Se você curte o jornalismo da Fórum clique aqui. Em breve, você terá novidades que vão te colocar numa rede em que ninguém solta a mão de ninguém

Todo o plano segue essa lógica e os títeres executam somente os movimentos e a vociferação, por vezes associados ao texto curto em sofrível língua portuguesa, impossibilitada de superar a métrica do Twitter para não se perder no oco sem beiras.

A Amazônia arde insistentemente e eles dizem disparates a cada momento: eis a lógica diversionista do mal.

Há um erro de nossa parte, como sociedade de grupos, indivíduos e instituições, isto é, dar atenção aos títeres. Por enquanto, ainda se justifica o erro, pois os que negam a democracia a botinadas, revólver no coldre, ofensas e palavrões têm o poder da caneta do Planalto e seu plano traçado de fato faz mal.

No entanto, quando a sociedade organizada (oxalá muito em breve) crescer em consciência e volume de massa crítica verá que os dilemas postos serão inferiores a suas forças, que os discursos de redes sociais só servirão para mobilização, que os textos e falas da grande mídia ficarão perdidos no cotidiano insosso e que a nova palavração social e o novo esperançamento dependerão exclusivamente da nossa voz e dos nossos gestos.

Deixaremos a oitiva dos títeres para o Congresso Nacional e parte do judiciário, pois eles têm interesses mútuos a defender num discurso que eles conhecem. Circunstancialmente, alguns membros desses setores estarão ao lado do povo. Não pelo fato desses ouvintes dos títeres terem a ensinar algo ao povo, mas o contrário: as gentes, em seus consensos, terão projetos capazes de abrigar representantes do campo legislativo e judiciário.

Parcialmente a mobilização também dependerá de os partidos políticos da oposição não errarem tanto como têm errado na história e não realizarem análises de conjuntura maniqueístas, incapazes de dialetização de si e dos outros. Ou se tornarem fazendeiros do ar, a contar seu rebanho imaginário e suas novas demarcações de fronteiras. Os partidos no Brasil têm enorme semelhança a latifúndios e se realizam como um modo de produção capitalista ainda quando quebram a cara. Por isso, as melhores análises econômicas, sociológicas e educacionais os deixaram de lado. Os partidos muitas vezes partem os homens e as mulheres. Toda a razão a Drummond.

Chega a hora em que os temas operados pelos títeres – à luz dos ventríloquos – não devem ser analisados em si mesmos, mas como um processo de encaixes a favor de tramas que precisam ser crescentemente compreensíveis no seio da sociedade diversa e plural do Brasil. Visto que eles não obedecem a nada que interesse ao campo republicano e democrático do país, e, portanto, nada que interesse a nossos filhos e netos, devemos excluí-los das nossas mais sérias conversas, dos nossos textos mais criativos, dos nossos projetos mais audaciosos.

Destarte, rumar para outras agendas e outras pautas altamente mobilizadas em todos os lugares do trabalho humano, do estudo, da pesquisa, da criação e do compartilhamento do conhecimento. Nós nos encontraremos num chão que de fato se chama Brasil, sem qualquer diversionismo.  E nossas ações, multiplicadas em grandes grupos, dirão da inteligência de um povo que, enfim, se organiza desde o fundo de sua mais rica herança, a diversidade cultural.

Não daremos mais respostas ao diversionismo dos títeres, mas sim às políticas do mal, à ampliação da miséria, ao depauperamento da educação e da ciência, à negação do nosso mundo vegetal, ao assassinato das mulheres e dos meninos mestiços, aos crimes contra os povos tradicionais. Respostas massivas, fortes e consequentes. Teóricas e práticas, isto é, uma nova práxis.

Os títeres não nos servirão sequer ao entretenimento. Ninguém mais dirá que não somos um país sério.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum