Luiz Roberto Alves

23 de agosto de 2019, 21h38

Jair Messias e seu grupo, entre o horror do ambiente e as mensagens de Euclides

Luiz Roberto Alves: “Carecemos de ler e reler Euclides, enquanto as elites e as massas mitificadas da sociedade injusta e desigual do Brasil, capitaneadas pelo turbo-capitalismo de tipos como Trump e Cia, se mantiverem no poder”

Foto: Reprodução

De fato, este texto quer voltar a Euclides da Cunha.  O retorno ao mestre instigante das letras no entre-séculos XIX e XX, mais se justifica pela nova publicação da obra “À Margem da História”, pela UNESP e pela intervenção da Profa. Walnice Galvão na Flip, Paraty. O Festival homenageou o autor de “Os Sertões”, “Contrastes e Confrontos” etc.

O Brasil e o mundo pedem explicações à banda orquestrada e afinada que nega o verdadeiro desenvolvimento do Brasil: Jair Messias, Ricardo Salles (Ambiente), Teresa Cristina (Agricultura) e Nabhan Garcia (Agricultura). Assim como nenhuma ONG meteu fogo na Amazônia, os quatro membros da trupe também não. Mas há uma diferença notável: eles têm o poder da fala e elas não.

O Facebook silenciou a Fórum. Censura? Clique aqui e nos ajude a lutar contra isso

Eles, afinados, supõem e falam que o país necessita expandir a geografia agrícola e a garimpagem para os confins das terras até então preservadas, lar da fauna, da flora e dos povos da floresta. Supõem que indígena deve meter a mão na bateia e se submeter ao arraso do seu lar em troca de pepitas malditas. Estão errados em tudo. Não sabem, ou não querem saber, de agricultura e do mundo físico e cultural indígena. A agricultura deles tem máquinas, mas não tem cérebro ou coração. A concepção que têm dos indígenas está a muitos anos-luz dos antropólogos, dos próprios povos indígenas e de toda a pesquisa universitária. Se eles chamarem Weintraub para percussionista nesta banda, completam o quadro da horrorosa orquestração contra a pesquisa, o conhecimento, a construção do verídico e do verificável a favor do desenvolvimento harmônico, equilibrado, fundamentado na equidade social.

De fato, essa caravana, com sua fala equivocada, generalizante, interesseira e omissa funciona como senha para que o exército difuso de gente ávida pela riqueza rápida avance sobre as matas e rios em busca de seus lucros, custe o que custar.

Os milhões de brasileiros que votaram no líder da caravana, Jair Messias, olham complacentes (com o suporte de pelo menos 400 deputados federais e senadores) para o horror e tentam justificá-lo ao modo mítico: as árvores caem mesmo, os índios não trabalham, o fogo pega por si mesmo, o Brasil precisa de mais terras pra gente comer melhor.

Tudo fora do mínimo conhecimento científico ou, ao menos, de um digno senso comum. Olham, olham e mal percebem que seu olhar mitificado mata o futuro de seus filhos, netos e bisnetos. E o mito deles continua a transformar em sujeira tudo aquilo em que toca. Um anti-Midas.

Não estou a esquecer de Euclides da Cunha. Minha brilhante orientadora de mestrado e doutorado na USP, Walnice Nogueira Galvão, não deixou por menos na conferência de abertura da Flip: trata-se de ler Euclides todo dia enquanto houver a prática do genocídio contra os meninos negros, enquanto aumentarem geometricamente os miseráveis e à medida em que crescer a iniquidade no uso da terra. Esse engenheiro-militar, tão realista quanto visionário, culto e consciente, viveu o Brasil profundo, nos sertões e nas florestas, na grande extensão da geografia e da dor humana brasileiras.

Na conferência da Flip, Euclides foi pensado por Walnice com a maestria de sempre e sua fala permitiu comparações com a interferência dos governos dos EUA no Brasil, com o golpe militar de 1964 e com o nosso momento de mentiras, mandonismo, filhotismo e omissões deslavadas diante do país que queima física e simbolicamente.

Esse grupo citado, que manda na República sofredora do Brasil (apesar de oposição até entre produtores rurais conscientes e dignos) não poderá viajar mais para nenhum lugar sem ser cobrado de estar, pela ação ou pela omissão, estimulando a transformação do antigo inferno verde em inferno cinza, ou fazer da exuberância a fumaça. Mas a trupe ainda pode aumentar com o ministro Guedes, que exige trilhões para enfiá-los em políticas mais que duvidosas do neoliberalismo capitalista, o qual, lembrando Walnice, não permitem construir uma sociedade democrática e justa, sem morticínios e mesmo genocídios.

Na obra “À Margem da História”, sobre o trabalho de Euclides da Cunha no apoio à demarcação de terras brasileiras no Alto Purus (1905), Euclides reflete posturas de “Os Sertões”. Lá exigia que o Brasil construísse educação, sob pena de não sair nunca do atraso, da pratica de crimes hediondos (como foi em Canudos) e da justificativa fácil do direito de matar os mestiços pobres como abelhas feridas pelos venenos dos agrotóxicos. A última imagem é minha. Talvez Euclides concordasse.

A ministra Teresa e o governador Witzel, do Rio, jamais leram “Os Sertões”. Se leram, nada entenderam. Muito menos sentiram. A literatura também quer nos transformar, ampliar em nós a humanidade. Na obra sobre a Amazônia, Euclides se encontra com o rio-mar, que “come” terras e as leva para o Atlântico norte, a floresta mediadora da geografia e do clima do mundo, com caucheros (que derrubam árvores para extrair uma espécie de borracha) e com nossos seringueiros, escravizados pelos patrões desde sua contratação nos estados nordestinos, destinados a não voltar para sua terra por não poder pagar a dívida da vida sob os grilhões.

Euclides intui e afirma, a despeito dos limites científicos com que trabalha, três mensagens centrais para o Brasil de então e de sempre. A primeira: não se mete a mão no mundo amazônico sem total respeito à delicada e difícil natureza. Euclides a chama de natureza “revolta e volúvel”, onde tudo é efêmero e vacilante, até as vilas e estradas, criadas e logo desaparecidas. Noutras palavras: o mundo amazônico, embora possa abrigar o humano, exige cuidado e respeito para não chegar ao estágio de não retorno na consumação da natureza.

A segunda mensagem euclidiana: a vida escravizada dos seringueiros exigiria que leis de proteção ao trabalho fossem capazes de fazer os brasileiros de fato sentirem a Amazônia como sua, mas como lugar do encontro natureza-cultura e não como “conquista” exclusiva, a qualquer custo. A Amazônia não é conquistável; por isso não é sedutora. Vide o “Macunaíma”, de Mário de Andrade. Dificultou a todos, inclusive aos sábios estrangeiros e aos religiosos, que a entendessem na totalidade. Seus mistérios pertencem à ordem de regulação do mundo e não às normas da devassa dos grupos e hordas, como falas e omissões da trupe citada permitem ocorrer.

A última, tão relevante quanto, é que os amazônicos têm importante contribuição a dar (Viva Chico Mendes!!), na medida em que toda a sua atividade econômica e cultural considere a árvore em pé; jamais deitada e transportada. Euclides se horroriza com os estranhos ao mundo amazônico que ali chegam “para matar e ferir o homem e a árvore” em meio à total impunidade.

Seria pedir demais que a trupe afinada em direção contrária conhecesse as mensagens de Euclides?

Walnice tem plena razão. Carecemos de ler e reler Euclides, enquanto as elites e as massas mitificadas da sociedade injusta e desigual do Brasil, capitaneadas pelo turbo-capitalismo de tipos como Trump e Cia (e similares de ontem), se mantiverem no poder. À medida em que o lemos, aumenta a força de oposição e a justa ira a favor do nosso oikos, da nossa casa, da democracia frágil e tristemente inacabada que temos.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum