Luiz Roberto Alves

16 de abril de 2019, 22h29

Jair Messias, ou um projeto messiânico às avessas

Em novo artigo, Luiz Roberto Alves diz: “O presidente do Brasil deveria prestar contas, publicamente, do uso que faz, diariamente, de formulações teológicas para o exercício da gestão pública no cotidiano do país”

Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil

Em tempo de Pessach/Páscoa, que conecta a libertação do povo hebreu do Egito à travessia dolorosa de Jesus, o Cristo, na direção do Calvário e então sua ressurreição, é bom e adequado refletir sobre a perigosa e suposta teologia que o presidente Jair tenta implantar nas relações políticas. Embora ele não seja dado a ler e ouvir exceto ele mesmo, pensar e se expressar vale qualquer pena. Se ele trabalhasse com a Emet hebraica, ou a aleteia grega, suas falas e decisões não seriam pervertidas pelo desequilíbrio, pelas verdades construídas a priori que se voltam contra supostos desafetos (acobertadas por supostos pastores cristãos); ao contrário, seriam equilibradas, a partir de oitivas e diálogos. Por saber que o eu não existe sem o outro.

O presidente do Brasil deveria prestar contas, publicamente, do uso que faz, diariamente, de formulações teológicas para o exercício da gestão pública no cotidiano do país. Ao fazer isso, sistematicamente, espera, como método, construir um suporte poderoso para desconjuntar e revogar as instituições; de fato, a prática resultante produz o desconcerto, a destruição de laços e valores, o ódio nas relações sociais. Tais resultados demoram muito para serem revertidos, talvez nem em quatro, nem 40 anos.

Pior é que se trata de uma aventura teológica que nega o coração da proposta messiânica e evangélica, que é a construção da humanidade fincada na justiça e na paz. O erro dramático do presidente consiste na confusão entre desconstruir e destruir. E isso se dá porque ele foi orientado por um discurso perverso, no qual a verdade é fenômeno dado a priori. Como exemplo, seu discurso público, quase diário, sobre o verso 32 do capítulo 8 de João. Ele jamais associou a passagem ao seu contexto.

Suas falas ferem o direito mínimo de leitura da palavra, o que implica fazer um período textual constituir-se na totalidade da mensagem. De fato, em todos os capítulos de João a verdade é construção individual e coletiva à qual se conduzem as pessoas atentas ao conhecimento do novo; nessa construção, uma consciência ousada confronta atitudes contraditórias e caminha para um conhecimento equilibrado, que dê preferência à tsedakáh e ao shalom, que se compreende como justiça equilibrada e integralização da vida do humano no mundo. Justiça não significa um porre de leis e decretos, mas sim os julgamentos profundos das partes em contenda. Paz nem de longe será a ausência de guerra, mas a vida que cresce em harmonia, dignidade e justiça.

No capítulo neo-testamentário fetichizado pelo presidente Jair tratava-se de revogar certo comportamento de setores da sociedade: matar a pedradas em razão de contrariedade a costumes. Do mesmo modo como lá atrás se superara o sacrifício humano e depois o sacrifício animal, trata-se de saber que a verdade é o conhecimento e a práxis da pergunta central: quem não tem pecado jogue a primeira pedra! O eu e o outro em contenda se questionam, refletem e descobrem, juntos, uma nova postura ética e moral. Isso é novo e é aprendizado. Não se apanha a verdade como uma pedra, ou se agarra um fuzil, mas se move o humano para conhecê-la e esse é um esforço contínuo, que exige trabalho a cada fenômeno novo com que se defrontam os que desejam conhecer efetivamente.

Visto que o presidente se nega a assumir seu lugar no país laico, ao menos deveria entender como urgente o abandono do perigoso fetiche no uso fragmentado do texto bíblico transformado em razão política. Pior: a leitura da verdade a priori, portanto impossível no texto de João e em toda a leitura bem-feita dos textos/contextos canônicos, leva à destruição do que há de melhor na política, a construção do bem-público, ou bem-comum.

Ao jogar sobre o país a suposta verdade, que já está dada na alça de mira ou na ponta da língua e serve a qualquer coisa sem melhor análise, escolha, reflexão, julgamento sereno, o presidente faz o que brasileiros e brasileiras sensíveis estão vendo. Os 80 tiros em Evaldo Rosa dos Santos não foram dados por representantes institucionais de um poder e, por isso, tratou-se de incidente, como se alguém tivesse jogado pedra em alguém, sem nome, sem rosto, sem responsabilidade. Os pobres, vítimas do descaso histórico, podem, sem mais, perder o mínimo de sobrevivência e de medicamentos na nova previdência, como se a sua presença no mundo fosse negadora da verdade econômica. A organização dos movimentos sociais e suas representações são tratadas ao contrário do evangelho, que buscou aglutinar, criar solidariedade social, alterar hábitos pela argumentação e pelo diálogo e não pelo fetiche da verdade interesseira e egoística. Se o presidente trabalhasse com a Emet hebraica, ele buscaria equilibrar suas falas e decisões com espírito de justiça. O que tem feito é o contrário, sistematicamente.

Os textos de Bolsonaro nas redes, em linguagem muitas vezes chula, evidenciam o mesmo fetiche: o que de fato se afasta da tsedakah e do shalom é chamado de verdadeiro; e nesse ponto, conectados à prática da gestão do país, ele e seu grupo, como um bando de desordeiros, tratam de liquidar os próprios sentidos da vida social, o que levará ao vale-tudo e aos vazios institucionais, lugares da nação desconjuntada e aberta para os desmandos, a falta de limites, a sanha da injustiça, a alienação de bens públicos, a dissipação dos poucos bens dos pobres, a ecologia abominada e a escola sem razão de existir; enfim, o fim da res publica.

Visto que o senhor Jair Messias não deseja ouvir, ler e aprender, pois já se assumiu mito (que é o único ente metaforizado como verdade a priori e que aí se basta) as alternativas brasileiras são a mobilização de todas as sensibilidades, o afastamento da linguagem chula (para não ser homóloga), a organização de todos os movimentos sociais e a busca da verdade no fazer social e político, capaz de reconduzir o país à justiça e à paz. Como método, a boa análise, a clareza de conjuntura, a não aceitação de qualquer ato opressor e a práxis daquele sentido de verdade que seja o contrário da prática dos que nos governam.

P.S. O Sr. Eduardo Bolsonaro desafiou “as esquerdas” a tratar do legado de Paulo Freire. Ora, muitos colegas e eu também estaríamos dispostos a tratar do assunto, educadamente, no Congresso Nacional, que aprovou o seu patronato. Nada de bate-boca deseducado, linguagem chula, xingamentos. E principalmente, se o seminário ou debate incluir análise das obras do mestre com gente que o leu e não somente um ou outro livro, mas a maioria, com visão de conjunto da obra. Nada de chute ou canelada! Educação em primeiro lugar.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum