Luiz Roberto Alves

17 de abril de 2020, 22h35

O transtorno edipiano diante da sociedade solidária

"Nossa democracia é tão frágil que um eleito pode chegar facilmente, embora transtornado, a encarnar o mito edipiano em sua relação com o Estado, se não pelos métodos tradicionais da força armada, pela 'verdade' profundamente doentia de discursos corrosivos"

Foto: Júlio Nascimento/PR

Definitivamente, não me é possível ouvir mais o Português trôpego e semi-alfabetizado da pessoa eleita pela maioria dos conterrâneos. Ocorre que a linguagem, além do quase zero de construção formal, vocifera o mal, o divisionismo, a inverdade e a plena falta de razão. Portanto, já chegou a hora de todas as pessoas de bem do país entenderem que o único caminho viável para dizer ao presidente que ele perdeu a razão de ser consiste na associação entre o isolamento político e o enclausuramento discursivo. Quem nega a quarentena diante da pandemia, única redenção de país pouco preparado, precisa aprender algo metido na quarentena do seu próprio discurso. Noutras palavras, a etapa posterior ao panelaço poderá ser o desligamento do som e da imagem até que sua figura desapareça da tela e das ondas do rádio.

Certos tormentos discursivos graves se nutrem da atenção, não importando a atitude daquele que presta atenção. O presidente bebe e come da energia das nossas atenções diante do horror de seus discursos. Se essa energia se esfriasse (porque a presença auditiva é energia), o discurso presidencial tenderia ao zero de significação e o falar sozinho, ou no interior do pequeno grupo de bajuladores, se esgotaria e implodiria os discursos do transtornado.

Se ignorássemos tudo o que este senhor disse antes da pandemia, bastaria ter em mente que ele está a propor que as crianças e adolescentes do país sejam transmissores do novo vírus para avós, tios, professores e pais ou vice-versa, diante de moléstia desconhecida na forma dos contágios. A única lógica canhestra que ele percebe é que a saída da nova geração acarretará a saída dos demais familiares em busca do que ele, mentirosamente supõe seja “para trazer o pão para casa”. Assim, o circo do horror estará armado sob o clima mais frio do Brasil. O presidente não pensou num só momento como ficaria a cabeça dos meninos e meninas transmissores de um vírus ultra-sensível para familiares, professores etc. Não se trata de trazer pão nenhum para casa, pois nos graves acontecimentos, quando a vida está francamente ameaçada, o Estado, que é cuidador e regulador, vai aos seus limites para garantir cada vida possível, a fim de sair depois fortalecido em seu papel e preparado para reconstruir as diversas formas de vida produtiva. Ao dizer que a instituição que ele dirige não tem mais como ajudar, constrói nova mentira, pois se assume como o Estado, o que ele não é, visto que o Estado somos todos os brasileiros e os que aqui vivem.

Além de todos os defeitos de fala (sinais dos transtornos de formação), este senhor agora se revela uma figura edipiana, pois internaliza o Estado brasileiro e, consequentemente o mata na sua desrazão. Ato contínuo, pensa desde um mínimo do pensamento, que esposa a verdade do apóstolo João, mas realmente sua verdade é a morte, que ele conhece bem nas metáforas da tortura, das acusações sem prova, do terror de conspirações contra ele e da caracterização de gripezinha e resfriadozinho. Este senhor perfaz o círculo do mal e da morte e nele se compraz.

A quantos pais o governo deste presidente perguntou se é hora de sair de casa com suas mochilas rumo às creches e escolas? A nenhum pai e nenhuma mãe! Quais pesquisas seu governo tem em mãos a respeito de evidências científicas que orientem a nação a enfrentar o coronavírus no rumo do inverno? Nenhuma. Ora, isso revela o asco e o temor que este senhor devota à Ciência, quer seja a da natureza, quer seja a da cultura. Pior, se as pesquisas existissem, as vozes transtornada dentro deste senhor sugeririam a ele que as ignorasse, pois a ele, no seu fundo escuro de reclusão, não tolera qualquer luz, que é a metáfora da Ciência. E visto que ele jamais fez a leitura de uma orelha de livro teológico, a sua “verdade” antecede aos fatos e ao estudo dos fatos, como se lê no capítulo 8 de João. Este senhor transtornado passa a ser candidatíssimo à morte do Estado, também porque não há hoje no Brasil racionalidade suficiente nos demais poderes da República, tampouco força efetiva na opinião pública para mostrar por A mais B que há um poder edipiano no governo e que este combina com uma atitude alienista radical, entendida como o corte unilateral na valorização do outro, da outra, da cidadania. Nossa democracia é tão frágil, ao contrário do que pensa o senhor Luis Roberto Barroso, que um eleito pode chegar facilmente, embora transtornado, a encarnar o mito edipiano em sua relação com o Estado, se não pelos métodos tradicionais da força armada, pela “verdade” profundamente doentia de discursos corrosivos, capazes de tornar irrecuperáveis alguns baluartes da sociedade democrática como, entre outros, a transcendência da vida humana, sem a qual nenhuma democracia consegue ver seu devir, seu adiante, seu desejável ômega.

Em diálogo admirável entre o astrofísico Michel Cassé e o pensador Edgar Morin, se lê, a propósito da organização do mundo, que “ a desordem é eliminada pela luz” (p.53). Parece que nosso país, hoje paciente, ainda está a dever diante da frase de Goethe: Luz, mais luz! Não?

Indicação bibliográfica: CASSÉ, Michel e MORIN, Edgar. Filhos do Céu. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2008.


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum