Luiz Roberto Alves

22 de março de 2020, 18h50

Pestes e epidemias mudam a vida. Mudam?

“As epidemias, portanto, não são, em si, educativas. São compulsivas, comoventes e fazem passar do horror ao amor, ao desejo dos encontros sob solidão. A trincheira faz sonhar e ver novas primaveras”, destaca Luiz Roberto Alves

Foto: Marcio James/Semcom

Sempre houve uma poética do infortúnio e da dor. As vozes se juntaram muitas vezes em comunidade para atos de solidariedade diante do horror e da morte. O discurso de mudança da vida cria empostações de cordas vocais a favor do reencontro humano sob tragédias. Já estão por toda parte a anunciar um novo tempo. No entanto, novo tempo de gogó não existe.

Este colunista ficou mais de um mês sem escrever para a Fórum. Atento ao que colegas escreviam, mas desassossegado diante do rio de tintas e emissões de energia que tem sido usado para questionar os discursos da família embusteira no poder.

Ao fim e ao cabo, além de todos os males locais perpetrados, foram os embusteiros e seus bajuladores para a Matriz da América, em viagem completamente desnecessária e de lá retornaram para disseminar ainda mais o Covid-19 neste país-objeto.

Por incrível que pareça, em vez de serem presos foram tratados com deferência, com testes clínicos e laboratoriais a toda hora e outras regalias. Um deles ainda é presidente, pois os seus eleitores justificam todos os seus embustes e culpam OS OUTROS pelo que ele faz ou que não faz.

Portanto, deve existir ainda algum infeliz a gritar MITO!

Volto para conectar os dois parágrafos.

No interior das várias formas de peste que assolaram o mundo nos vieram belos textos, geralmente a mostrar que as pessoas isoladas, exiladas ou entrincheiradas puderam refletir e, na reflexão, propor-se a mudanças.

No poema de Drummond, A Noite Dissolve os Homens, que tem a noite como metáfora da guerra, tudo anoitece, tudo fica paralisado, até a respiração. No entanto, o poeta vê a Aurora, ainda tímida, mas já “expulsando a treva noturna”, que é o fantasma opressivo da guerra que assassinou 55 milhões de pessoas, a maioria das quais não deu qualquer tiro de fuzil. Os balcões e os terraços das vilas já ouviram música, dança, felicitações e abraços à distância quando havia riscos de aproximação. Os mais destemidos, por compulsão, se voluntariaram. Tudo parecia ter mudado e um tempo de amor e paz era entendido como já chegado. Outro poema, escrito em 1800, sob outra epidemia, mostrava que “as gentes sonharam novas visões, novos encontros; criaram novas formas de vida e fizeram a terra se curar completamente”.

Está evidente que, como sugeriu o escritor angolano Walter Hugo Mãe em carta aos brasileiros, não teremos governo em quem nos apoiar. O que tiver de nascer e crescer dependerá da consciência cotidiana e comunitária dos e das brasileiros e brasileiras. O governo é dirigido por pessoas “entortadas” desde sempre, “convertidas” ao mal e a interesses de pequenos grupos ideológicos a usar certas multidões como massa de manobra nas ruas. Não farão outra coisa até serem defenestradas.

Infelizmente (ou felizmente?), o caminho para as mudanças que levem à justiça, à paz e ao amor não passa pelo discurso do infortúnio e da dor coletiva. Passa unicamente pela educação de indivíduos e povos vivida em tempos comuns e regulares da vida social.

Vale perguntar pelo “infelizmente” porque, sem dúvida, os momentos coletivos da dor podem ser genuínos e produzirem sinais exteriores e interiores de mudança. No entanto, no retorno à desafiadora realidade da vida normal, aqueles sinais esvaecem porque o modo-de-construir a sociedade é o mesmo e o modo de investir os bens não se altera, como também ocorre perda da memória dos momentos de infortúnio que levaram a superar, como por encanto, os privilégios de classe e de poder.

Se as pestes fossem mais duráveis, talvez nos educassem ao pensamento solidário, à preservação da terra comum, à repartição dos ganhos e ao abandono dos luxos e faustos. No entanto, ninguém deve desejar qualquer peste e menos ainda prolongadas, que significam mortes e sequelas, as quais geralmente fazem sofrer mais os empobrecidos e vulneráveis.

As epidemias, portanto, não são, em si, educativas. São compulsivas, comoventes e fazem passar do horror ao amor, ao desejo dos encontros sob solidão. A trincheira faz sonhar e ver novas primaveras.

O que efetivamente pode educar para mudanças de que se valham todas as pessoas de uma comunidade ou de um país são os confrontos tidos depois da epidemia e dos horrores vividos. A peste é como um discurso pesado, uma enunciação que nos diz da banalidade do capital, da riqueza concentrada, dos limites das estruturas da sociedade e de todos os nossos modos de vida. Mas é um discurso, que nos estimula a fazer bons discursos dentro dela. A sonhar.

Saídos dela, aí começa o momento de se educar para a nova vida. Até porque a vida diferente e solidária porventura havida durante a epidemia ou a peste não foi longa e nem possibilitou novas oportunidades. Chegada a normalidade se abrem oportunidades e a questão é: voltaremos aos momentos anteriores, igualmente, ou confrontaremos e questionaremos as armadilhas da “normalidade” e da mesmice a favor de uma vida mais digna para todos?

Esses confrontos serão educativos e mudancistas, transformadores. Individuais e comunitários, sem nenhuma esperança nos donos do capital ou no governo. Os primeiros gostam de fazer parte da Forbes e lutam pela lista dos mais influentes no fim do ano e assim farão. O governo, por seu lado, continuará em sua mediocridade porque foi formado por medíocres e ninguém pode dar o que não tem.

A sociedade organizada em associações várias, grupos de trabalho e encontro, escolas, comunidades, universidades, povos indígenas, instituições de servidores públicos, trabalhadores rurais, autônomos etc, essas sim poderão ter refletido sob a epidemia para então levantar a voz em suas entidades e propor novos modos de fazer a vida e novos modos de se organizar neste país diverso e plural, que precisa ter ainda a chance de sair da indignidade e da injustiça seculares rumo à Paz e ao Amor com e entre as pessoas.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum


Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum