Luiz Roberto Alves

04 de fevereiro de 2020, 22h30

Um leque roto de linguagem vulgar: o governo

Luiz Roberto Alves: “A linguagem inteligente empodera a vida social. É de se crer, pois, que as linguagens do país gigante sejam o contrário do baixo calão que se agarrou no poder da República”

Jair Bolsonaro - Foto: Reprodução

Este colunista já tratou quase uma dezena de vezes do horror linguístico do bolsonarismo e seu governo. Tardiamente, aqui e acolá surgem comentários que aludem ao baixo calão do universo de fala do senhor Jair Messias, seus ministros, seus subordinados e parte influente de seus eleitores.

Na Folha de São Paulo de 3 de fevereiro, Vinicius Mota discute o que denominou baixo nível, feito de ofensas, discriminações e preconceitos já disseminados quer no interior do governo, quer no “outro polo”.  O colunista demora muito a chegar ao tema da linguagem, o que leva seu texto a não passar de hipótese, posta, para piorar, no final do discurso. Para ele, o que se quer, especialmente de parte do polo no poder, é que haja insulto para todo lado. Cabe lembrar que o guru que vive nos Estados Unidos já enunciou tal estratégia em algumas entrevistas.

O texto sugere, visto que não demonstra, vários problemas. Se há um outro polo de ofensas e preconceitos, deixa de ser outro e passa a ser o mesmo, ainda que sem poder de governo. Ora, enunciações linguísticas traduzíveis no mesmo repertório são homólogas e estão no mesmo lugar de discurso. Aí está o risco do xingamento geral, do churrasquinho em família às entrevistas do presidente e postagens de seus filhos, também jamais educados.

No entanto, a existência de outro polo do Brasil pode ser representado pelas instituições educacionais, políticas, sindicais, ambientais etc. Aí a linguagem é outra, como se vê e se lê nos debates, fóruns, encontros, assembleias e pronunciamentos. Há um Brasil debochado, asqueroso, contumaz na mentira e cínico, e há outro, que puxa a linguagem para cima e busca encontrar um futuro pós Bolsonaro. De fato, já o constrói. Não se pode esperar que Bolsonaro acabe para começar a construir o futuro, visto que ele é o chefe do horror linguístico.

A imagem do leque roto deste governo nacional inclui o calão, o discurso tópico, muito pouco gramatical e rasgado de excrementos verbais. Mas a questão central é que essa linguagem não é artificial, presumida e buscada num repertório imaginado para enlamear a sociedade e prepará-la para uma espécie de sociedade ilegal, miliciana, sem caráter, do vale-tudo, o que também quer dizer autoritária.

Mais grave é que essa linguagem é constituinte da gente que detém o poder; noutras palavras, é essa linguagem que os formou, conformou, moldou e, agora no poder, não há outra a disseminar, pois não a conhecem. O limite de todos eles e elas do primeiro escalão é essa linguagem conhecida. Quem conhece outras linguagens é o “outro polo” aqui referido.

Bolsonaro é refém dos tópicos injustificáveis, que o associam a Trump e justificam o “I love you” para o governante poderoso e a xingação/xingamento da mãe dos transeuntes liberados e jornalistas questionadores.

Damares está presa à violação do sexo e não elabora uma única enunciação fora disso. Quando a OCDE chegar aqui, nos próximos meses a fim de verificar a situação dos direitos humanos, não ouvirá nada fora desse limite, exceção feita a alguns eufemismos e circunstanciais mentiras sobre o que faz seu ministério. No mais, tudo estará encoberto, exceto se os experts da organização dialogarem com o “outro polo”.

Salles é dominado pela retórica do não dito, visto que as últimas frases de suas intervenções caem sempre “nonada”.

Guedes é possuído por comutações de linguagem que levarão o país a um zero de dignidade política e a um monte de dinheiro sujo, que de nada servirá à cidadania empobrecida; de fato, já a está matando.

Terra é o mestre do non sense ou do fazer qualquer coisa, e o rapaz que não explicou 1% do uso dos “laranjas” em sua eleição e seu mandato é o típico apaniguado, silente, sempre agarrado ao poderoso.

E Weintraub. Ah, o Weintraub… esse vive o círculo linguístico da farsa, reunião de personagens da literatura nos quais ninguém acreditou ou botou fé. Produziu-se a imagem do descrédito e nada mais pode fazer para sair do cipoal de suas próprias falas.

Enfim, nenhum tem formação para dirigir um governo em país gigante, desigual e rico em diversidades para apreender, aprender e fazê-las fomento de fundamentais políticas públicas. De fato, não se vê uma política sequer neste governo e entre as nominadas nenhuma é pública, porque sua construção, implementação e avaliação tem história, teoria e ciência, fenômenos nem de longe considerados neste polo de governo.

Este colunista foi educado para o horror ao baixo calão, que é uma espécie de “posição miliciana” na linguagem, que explica a construção do pensamento e sua expressão. Sabedores do domínio evidente dessa milícia linguística, cabe-nos, como famílias, comunidades, associações, organizações e pessoas denunciar, não usar, afastar-se de quem usa e criar atitudes políticas que façam o país se reencontrar com linguagens que realmente comuniquem entre todos e todas e que busquem a verdade dos fatos e a clareza dos discursos.

Momento adequado para começar a virada será a eleição de vereadores e prefeitos.

Poderemos, sem muita dificuldade, localizar candidatos que se agarrarão a essas linguagens de baixo calão (nada a ver com a fala simples do homem e da mulher com pouco direito à escola) e, ao negar a todos eles e elas o direito ao poder municipal começaremos a recuperar um efetivo processo de comunicação e de construção linguística a favor da equidade, dos direitos e da justiça. Lembremo-nos que o baixo calão fecha bocas, quebra discursos e prepara terreno para a usurpação e a negação de direitos.

Cabe negar toda a denúncia sem razões e demonstrações, de que são exemplos o presidente e o ministro Salles; negar também o palavrão que nada diz de política e as obsessões do poder, as promessinhas, as trocas e as compras de voto pela linguagem da mentira. Isto é, aquilo que se vê e se lê no governo nacional, acrescido dos tradicionais absurdos da politiquice brasileira, que não têm por que não se repetir nas eleições deste ano. Afinal, nosso nível de linguagem piorou.

Não nos enganemos. A linguagem inteligente empodera a vida social. É de se crer, pois, que as linguagens do país gigante sejam o contrário do baixo calão que se agarrou no poder da República e ainda não parou de envergonhar o Brasil diante do mundo.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum