Manoel Herzog

26 de julho de 2019, 06h00

A terceira margem do tempo – Adri Aleixo

Manoel Herzog: “Adri Aleixo não faz aqui nenhuma tentativa de subordinar a poesia à imagem, antes a poesia dimensiona a imagem, registrada com notável competência por Lori Figueiró, mas requalificada pela lente da poeta, filtro apurado de uma margem invisível”

Foto: Reprodução

Quando Rosa, nas veredas do seu Grande Sertão, falou que o rio tem três margens (Primeiras Estórias, 1962) desconstruiu-se o Tempo. A história (prefiro assim, com hi) tem sim, e Milton Nascimento o confirmou com seu clube, uma margem da palavra, oculta, que só a alcança o iniciado na Literatura, oral que ela seja, não falo dos eruditos.

Adri Aleixo surpreende com seu recém-lançado Das Muitas Formas de Dizer o Tempo, Ed. Ramalhete, 2019, trazendo a essência das profundas geraes em palavras que engendra sobre a imagética do não menos brilhante Lori Figueiró, fotógrafo.

Inscreva-se no nosso Canal do YouTube, ative o sininho e passe a assistir ao nosso conteúdo exclusivo.

A trajetória da poeta vem num crescendo desde publicação de seu livro de estreia, Des.caminhos, Patuá, 2014, seguido de participações em antologias pelo país afora e de Pés, segundo volume de poemas, também pela Editora Patuá. Professora de literatura em Belo Horizonte, cidade pródiga em poetas mulheres aguerridas, daquelas que não aceitam o epíteto de poetisa, talentos do calibre de Adriane Garcia, Ana Elisa Ribeiro, Simone Teodoro, Norma de Souza Lopes e tantas mais, Adri, que é do interior de Minas, traduz com competência a poesia destas minas por tantos séculos saqueadas a lombo de burro, desviadas suas riquezas pro mar ao Norte, Salvador, ou Sul, Paraty, Estrada Real.

É nas Geraes onde se consolidou o germe da cultura do Brasil profundo, que nasce literariamente no Rio com Machado e chega a Rosa, que nasce musicalmente com Villa Lobos e Tom, mas resulta no Clube da Esquina.

Como as canções, que têm suas letras criadas a partir do mote melódico, a fotos, ao que parece, aqui ensejam os poemas do livro. Encartado à fotografia de uma senhora idosa da pele toda sulcada vemos este poema tão sintético e absoluto:

ESTIAGEM

Ela traz um rio no corpo

e o rio dentro dela

só quer ser mais fundo

Idêntico processo, pra ficarmos em dois exemplos (faculto ao leitor a descoberta das demais epifanias do livro), a partir da foto de um daqueles oratórios barrocos dos lares: mineiros

ORATÓRIO

Estes pós

Estes santos

Foram netos, mães, meninas

Quando morre um anjo

Deixam-no assim suspenso

Entre preces e fitas

_ Todos os dias este oratório me ensina a partir

Muito se  tem falado em poesia visual, e mesmo as experiências dos pós-modernistas todas convergem a um direcionamento da poesia contemporânea agregado às mídias que a cada dia surgem. As próprias redes sociais constituem-se num locus poético bastante interessante, que ao gênero agregou uma popularidade jamais alcançada.

Adri Aleixo não faz aqui nenhuma tentativa de subordinar a poesia à imagem, antes a poesia dimensiona a imagem, registrada com notável competência por Lori Figueiró, mas requalificada pela lente da poeta, filtro apurado de uma margem invisível. Recomendo fortemente.

O livro pode ser adquirido no site da editora (http://www.editoraramalhete.com.br/) e nas melhores livrarias da capital mineira, notadamente a Ouvidor, da Savassi, pelo valor de R$ 35,00.

*Este artigo não reflete, necessariamente, a opinião da Revista Fórum.

Quantas matérias por dia você lê da Fórum?

Você já pensou nisso? Em quantas vezes por dia você lê conteúdos esclarecedores, sérios, comprometidos com os interesses do povo e a soberania do Brasil e que têm a assinatura da Fórum? Pois então, que tal fazer parte do grupo que apoia este projeto? Que tal contribuir pra que ele fique cada vez maior. Bora lá. Apoie já.

Apoie a Fórum